Gol é a primeira aérea a entrar no mercado de compensação de carbono na América Latina

Com o propósito de reduzir o impacto da aviação nas mudanças climáticas globais, companhia dará aos passageiros a opção de compensar parte do CO2 emitido no voo

737 Max
Legenda: Compensação será válida para voos nacionais e internacionais operados pela companhia
Foto: Tiago Stille/Arquivo

Com o avanço das preocupações sobre mudanças climáticas e do mercado de sustentabilidade, a Gol Linhas Aéreas passa a oferecer, a partir deste sábado (5), a opção para os clientes compensarem parte do carbono emitido pelos voos. A empresa é a primeira companhia aérea na América Latina a oferecer a alternativa.

A compensação será viabilizada por uma parceria com a Moss, a maior plataforma ambiental de crédito de carbono do mundo. A empresa utiliza tecnologia blockchain para lastrear essa compensação, com o crédito de carbono MCO₂, para garantir mais segurança e transparência das transações.

Após a compra das passagens, os clientes receberão um e-mail da companhia com o cálculo da emissão de carbono do trecho (que considera a quantidade de combustível, por exemplo) e todas as orientações que permitem a compensação. A adesão é opcional e o cliente que aderir será direcionado ao site da Moss para fazer a compra do MCO₂.

O pagamento neutraliza o gás carbônico da seguinte forma: o valor será investido em projetos certificados para a preservação da floresta amazônica, que capturam o gás carbônico da atmosfera. Ao final da transação, será gerada uma certificação digital com todos os detalhes de como e onde as emissões serão compensadas. 

Custos para os passageiros

A emissão de carbono relacionada à viagem de um passageiro na rota São Paulo (Congonhas) - Rio de Janeiro (Santos Dumont) é, em média, de 34 kg de carbono, o que, segundo a companhia custaria cerca de R$ 10 para compensar. Já a rota Guarulhos - Salvador, que implica uma emissão de 136 kg de carbono, teria um custo médio de R$ 20 para neutralização do CO2.

“Para a Gol, a parceria com a Moss para a compensação individual de carbono pelos clientes estabelece um novo capítulo no mercado nacional da aviação. É um lançamento muito significativo que coloca a Companhia à frente das questões relacionadas à preservação ambiental no setor”, afirma Eduardo Bernardes, vice-presidente Comercial, de Marketing e de Clientes da Gol.

A companhia pretende ainda investir em campanhas de conscientização para que os passageiros entendam sobre as preocupações com as questões climáticas e, assim, possam se engajar mais.

"É uma inovação no mercado doméstico brasileiro, é uma atitude pioneira. O nível de aceleração (do engajamento) pode ser muito rápido, como também pode requerer mais investimento", aponta.

Responsabilidade compartilhada

Além de dar aos clientes a opção de atuar pela preservação do meio ambiente, a companhia aérea também tem investido no desenvolvimento de biocombustíveis de aviação como uma solução definitiva para a emissão de gases. A empresa tem como meta chegar ao balanço zero de carbono até 2050.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios