Exportação de rochas ornamentais do Ceará cresce mais de 50%

Quartzitos foram os produtos mais exportados pelo estado ao longo do ano

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: Condições favoráveis do Estado fazem mercado crescer
Foto: Natinho Rodrigues/SVM

As exportações de rochas ornamentais no Ceará aumentaram 50,3% em 2021em comparação ao mesmo período de 2020. De acordo com o estudo Setorial em Comex - Anual 2021, os produtos mais exportados foram Quartzitos.  

O faturamento no ano passado ficou em US$ 37,7 milhões (FOB). O levantamento foi divulgado nessa segunda-feira (11) pelo Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

Os quartzitos, mesmo desbastados ou simplesmente cortados a serra ou por outro meio, em blocos ou placas de forma quadrada ou retangular representam 59% do volume de exportação. Enquanto o granito, simplesmente talhados ou serrados, de superfície plana ou lisa correspondem a 8,1%.

Municípios que mais exportaram

Em 2021, o municípios que mais exportaram foram Caucaia (6,1%), Santa Quitéria (352%) e Uruoca (541,7%). 

E os três maiores consumidores das rochas cearenses em 2021 foram Itália, Estados Unidos e China. O mercado americano demanda prioritariamente rochas manufaturas. Já o mercado chinês e italiano têm tido preferência por rochas brutas, conforme aponta o estudo. 

O Ceará, que tem um mercado em ascensão, apresenta condições favoráveis para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais. Dentre os fatores, estão: a caracterização tecnológica das rochas encontradas em nosso território, a diversidade de rochas, a disponibilidade de reservas minerais. 

"Além da infraestrutura adequada, o potencial de mercado e a localização privilegiada do estado, que o torna a fronteira mais importante de quartzitos de cor clara e o estado com uma das melhores logísticas de fretes marítimos internacionais", indica o estudo.