Daniella Marques, secretária da Economia, é nomeada presidente da Caixa

Anúncio foi dada por Jair Bolsonaro após a demissão de Pedro Guimarães

Escrito por Redação,

Negócios
Palavras da Secretária de Produtividade e Competividade do Ministério da Economia, Daniella Marques Consentino.
Legenda: Daniella Marques em cerimônia de Lançamento do Modelo Regulatório do INMETRO, em fevereiro de 2022
Foto: Divulgação/Palácio do Planalto/Clauber Cleber Caetano

Daniella Marques, ex-titular da Secretaria de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, foi nomeada para o cargo de presidente da Caixa Econômica Federal. O anúncio foi realizado nesta quarta-feira (29), pelo chefe do executivo Jair Bolsonaro. As informações são do g1.

Marques foi cotada pelo governo federal para assumir a vaga após a demissão de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual por funcionárias da Caixa.  

Segundo o blog de Ana Flor, a escolha por Marques ocorreu considerando a importância de melhorar a imagem do governo diante do eleitorado feminino, principalmente depois as denúncias de assédio

Quem é Daniella Marques?

Daniella era titular da Secretaria de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia. Conforme o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Daniela atua como "braço-direito" de Paulo Guedes, ministro da Economia, que a convidou inicialmente para ser sua assessora especial.

Daniella se envolvia em negociações no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto a pedido de Guedes. 

Acusações contra Pedro Guimarães 

Pedro Guimarães passou a ser investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) após ser acusado por pelo menos cinco funcionárias de assédio sexual. As vítimas  relataram toques indevidos, "brincadeiras" desrespeitosas praticados por ele durante compromissos de trabalho e convite para reuniões privadas e viagens.

Segundo a denúncia, Guimarães tinha um  "conceito deturpado de meritocracia", que acreditava ser possível garantir ascensão na carreira para as funcionárias que aceitassem as investidas.

Uma das funcionárias relatou ter sido tocada nas nádegas. "Nunca precisei disso na minha vida para ganhar cargo. Prefiro até não ter cargo, mas nunca precisei disso", disse.