Presidente da Caixa é investigado pelo Ministério Público após denúncias de assédio sexual

Ao menos cinco mulheres relataram práticas indevidas de Pedro Guimarães durante compromissos de trabalho

denúncia de assédio sexual contra o presidente da Caixa Pedro Guimarães
Legenda: Investigação sobre a conduta de Pedro Guimarães está sob sigilo
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Pedro Duarte Guimarães, de 51 anos, presidente da Caixa Econômica Federal, passou a ser investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) por assédio sexual. No entanto, o caso está sob sigilo. 

O caso passou a ser apurado após cinco funcionárias do banco estatal relatarem toques indevidos, "brincadeiras" desrespeitosas praticados por ele durante compromissos de trabalho e convite para reuniões privadas e viagens.

Segundo a denúncia, Guimarães tinha um  "conceito deturpado de meritocracia", que acreditava ser possível garantir ascensão na carreira para as funcionárias que aceitassem as investidas.

Uma das funcionárias relatou ter sido tocada nas nádegas. "Nunca precisei disso na minha vida para ganhar cargo. Prefiro até não ter cargo, mas nunca precisei disso", disse.

O que diz a Caixa

Em nota enviada ao Metrópoles, a Caixa Econômica alegou que não tem conhecimento das denúncias e citou haver protocolos de prevenção contra comportamentos indevidos de seus funcionários.

"O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de 'qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça'", acrescentou, em nota ao site.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil