Construção de galpões industriais em cidades cearenses vai gerar 7 mil empregos

A abertura das vagas será consequência da implantação ou ampliação de galpões industriais nos quais a Adece irá fazer aportes

Escrito por Carolina Mesquita, carolina.mesquita@svm.com.br

Negócios
Legenda: Por serem atividades que geram muitos postos de trabalho, as indústrias calçadista e de confecções são duas das principais beneficiadas pela medida.
Foto: Saulo Roberto

A Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece) está ampliando e intensificando o leque de ações para promover o aumento da atividade econômica nos municípios cearenses.

Entre os diferentes tipos de incentivos, uma das apostas da agência está na infraestrutura. Dessa forma, a Adece planeja investir cerca de R$ 46 milhões em 2022 na ampliação ou construção de galpões industriais.

O projeto é uma parceria entre o Governo do Estado, através da própria Adece, as prefeituras e as empresas beneficiadas.

O presidente da instituição, Francisco Rabelo detalha que o Estado provê os recursos necessários para a construção dos galpões, as prefeituras cedem o terreno ou contribuem com uma parte minoritária desses recursos, enquanto a empresa fica responsável pelo investimento em maquinário e geração de emprego.

"Os galpões fazem parte de uma política de interiorização que foi intensificada com as maiores condições que a Adece tem hoje", afirma.

As prefeituras também ficam responsáveis pela contratação da construtora e acompanhamento das obras.

Até o momento, onze empresas em nove municípios diferentes já tiveram o benefício autorizado para este ano, enquanto outras cinco cidades estão em fase de definição das companhias.

A expectativa é que os novos investimentos gerem mais de 7 mil novos empregos.

Rabelo também esclarece que alguns galpões são construídos dentro do mesmo parque fabril, o que é considerado apenas uma expansão. No caso das implantações, são empresas que já atuam no Estado e irão abrir uma segunda planta em outro município.

Mesmo sendo uma estratégia antiga, em todo o ano de 2021, apenas sete empresas foram aprovadas para a medida, totalizando R$ 7 milhões em investimento por parte da Adece.

Confira os municípios e empresas beneficiados em 2021 e 2022:

Critérios

Para ter acesso a esse tipo de benefício, as empresas costumam apresentar uma proposta ao Estado, que avalia o volume de investimentos, a quantidade de empregos gerados, o nível de tecnologia que o projeto irá requerer, assim como a localidade de instalação da planta industrial.

O que a gente tem é um processo de identificação dos setores que podem melhor impactar o desenvolvimento, quem gera mais emprego, quem gera emprego de melhor qualidade, quem pode trazer tecnologia"
Francisco Rabelo
Presidente da Adece

Para cada variável, são atribuídas pontuações que determinam um maior ou menor nível de benefícios a serem concedidos para incentivar o investimento.

Por serem atividades que geram muitos postos de trabalho, as indústrias calçadista e de confecções são duas das principais beneficiadas pela medida.

Entre as empresas com aportes já autorizados para 2022, oito delas estão nessas duas áreas de atuação.

Posse dos galpões

No atual arranjo, os equipamentos construídos são de propriedade da agência, que cede o uso para as empresas a partir do pagamento de uma taxa subsidiada via comodato.

No entanto, a instituição estuda um modelo em que as empresas passem a ser detedoras dos galpões.

"Essa é uma política que a gente quer modificar, porque não é tão boa: nem fica pra empresa, nem a Adece pode dispor do equipamento. Às vezes, a empresa precisar dar como garantia e não consegue", argumenta Rabelo.

A ideia é que um novo arranjo financeiro seja desenhado de forma que a empresa beneficiada possa ficar com o galpão e balancear esse contrapeso por meio dos incentivos.

"À medida que você monetiza, venda para a empresa, já pode partir para outro investimento e atender outras empresas", pontua o presidente da Adece.


Mario Mesquita

Comércio exterior do Nordeste

Mario Mesquita
26 de Maio de 2022