Ações de empresas cearenses têm desempenho melhor que o Ibovespa em maio; veja lista

Levantamento do Nupe da Unifor indicou que a média dos papéis das empresas cearenses com ações negociadas em bolsas teve uma alta de mais de 10% no último mês

Legenda: Segundo o professor e economista Allisson Martins, as perspectivas para o Ibovespa e para as ações das empresas cearenses são positivas em 2021
Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP

Depois de três meses, o desempenho médio das ações de empresas cearenses nas bolsas de valores apresentaram alta, segundo o Índice de Ações Cearenses (IAC) medido pelo Núcleo de Práticas em Economia (NUPE) da Universidade de Fortaleza (Unifor). O levantamento apontou que, em maio, a média dos papéis assinalou um crescimento de 10,39%.

O índice considera o desempenho médio das "cotações das empresas cearenses que possuem capital aberto em bolsas de valores e ser benchmark para aplicações financeiras, como (IBOV, CDI, S&P500, Dólar, etc.), fundos de investimentos, portfólios, entre outros". 

A lista de ativos inclui as ações da Arco Educação (Nasdaq), Banco do Nordeste, Enel Ceará, Grendene, Hapvida, M. Dias Branco, Pague Menos, e Aeris. 

Apesar da alta de mais de 10% em maio, o IAC ainda acumula uma redução em 2021, registrando um encolhimento de 1,18%. Na soma do resultado dos últimos 12 meses, no entanto, o índice registrou uma evolução, com alta de 5,65%. 

Principais destaques 

De acordo com o relátório do Nupe, as ações da Grendene  (24,24%) e da Pague Menos (23,54%) foram as que apresentaram as maiores rentabilidades aos investidores no mês passado, elevando a média do IAC. 

A Hapvida (11,11%), segunda empresa da área da saúde na lista, aparece em terceiro lugar e completa o ranking dos papéis que tiveram desempenho acima da média. 

Contudo, é importante destacar que mais duas empresas – M. Dias Branco (10,03%) e Arco Educação (9,57%) – acabaram tendo resultados melhores que o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores Brasileira, a B3. Além disso, a média das empresas cearenses também ficou acima do Ibovespa, já que o IAC teve alta de 10,39%. 

Rendimentos anuais

Ainda assim, 2021 não pode ser considerado um ano bom para as noves ações analisadas pelo IAC da Unifor. Segundo o relatório, seis destes papéis acumularam quedas nos cinco primeiros meses do ano até junho. 

A lista inclui Arco Edução (ARCE), -17,74%; M. Dias Branco (MDIA3), -14%; Enel (COCE3), -10,44%; Banco do Nordeste (BNBR3), -8,43%; Enel Ceará (COCE5), -5,08%; e Aeris (AERI3), -5%. 

Por outro lado, Hapvida (HAPV3), 4,85%; Grendene (GRND3), 21,12%; e Pague Menos (PGMN3), 31,49%, têm um retorno acumulado positivo no ano. 

Considerando os últimos 12 meses, A Arco Edução, com queda de 42,25%; e a M. Dias Branco, que teve redução de 18,93%, foram as empresas que apresentaram o pior rendimento acumulado. 

Já a Enel Ceará (COCE3), com alta de 75,30%; e a Hapvida, com crescimento de 45,83%, tiveram os melhores rendimentos nos últimos 12 meses. 

Legenda: As ações da Pague Menos foram as que apresentaram a maior alta em maio segundo o IAC, do Nupe/Unifor
Foto: Foto: Divulgação

Avaliação 

Segundo economista e professor da Unifor, Allisson Martins, é preciso analisar o cenário de cada empresa de forma isolada para entender os desempenhos de cada um dos papéis nos últimos meses. Ele afirmou que há uma perspectiva positiva de alta para o Ibovespa neste ano, o que, consequentemente, pode elevar o rendimento das ações cearenses. 

A gente tem um primeiro contexto que é a expectativa de retomada da Bolsa de Valores, com avanços que já tem acontecido, por dois motivos, que é um fluxo de recursos pelo mundo que está procurando ativos baratos. Apesar da recuperação do real frente ao dólar há muito espaço para crescer até que a Bolsa possa chegar a 140 mil (pontos)", explicou. 
Allisson Martins
economista e professor da Unifor

Sobre o rendimento negativo acumulado do IAC em 2021, o professor da Unifor comentou que ele é reflexo do desempenho da M. Dias Branco no mercado brasileiro, e do impacto no setor da educação no mundo, que puxou o preço das ações da Arco para baixo. 

Além disso, Martins apontou que a valorização do real frente ao dólar foi outro fator a reduzir o rendimento das ações da empresa cearense na Nasdaq, bolsa de valores nos Estados Unidos. 

"A queda no acumulado do ano se dá por conta de dois ativos, que é o da Arco Edução que tem o segundo maior peso do índice, até porque o valor do ativo e a cotação do dólar impactaram o IAC; e o M. Dias Branco, que é o terceiro maior peso, tiveram reflexo no IAC no acumulado do ano. Mas, repito, a expectativa é de alta neste ano", afirmou. 

Perspectiva aos investidores

Aos investidores que estão procurando boas oportunidades de investimento no mercado de ações, Martins reforçou que as bolsas de valores precisam ser encaradas com uma visão de médio e longo prazo. Além disso, é importante conhecer bastante o histórico e modelo da empresa em que se deseja investir. 

Ele comparou o ato de se comprar uma ação ao de virar sócio de uma empresa. 

Investimentos em ações são de médio e longo prazo e se a pessoa acredita na empresa. Então é preciso analisar bem a empresa em que se dá investindo. Não dá para colocar dinheiro porque a empresa está na moda, é preciso analisar bem e ver as perspectivas de futuro e no modelo de negócios", analisou. 
Allisson Martins
economista e professor da Unifor

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios