Espigão da João Cordeiro perpetua memória de líder abolicionista no Ceará

Novo conteúdo do projeto “Praia é Vida” conta a história do ilustre cearense que empresta nome a um dos equipamentos públicos da orla de Fortaleza

Escrito por Agência de Conteúdo DN ,
Legenda: Espigão fica localizado próximo ao Aterrinho da Praia de Iracema.
Foto: Thiago Gadelha

Mais do que um ponto turístico emblemático da orla da Praia de Iracema, o Espigão da João Cordeiro carrega em seu nome a história de um dos mais importantes personagens da luta pela abolição da escravidão no Ceará. Assim como o Espigão da Rui Barbosa, o equipamento assim foi nomeado por estar situado às margens da rua homônima.

Inaugurado em 1974, o espaço se consolidou como um dos principais pontos de encontro da capital cearense. Sua imponente estrutura, que se projeta no mar por mais de 600 metros, oferece aos visitantes uma vista deslumbrante da orla e do Oceano Atlântico, além de ser um ponto de observação para os eventos culturais e esportivos que acontecem no Aterrinho da Praia de Iracema.

Mas a história de João Cordeiro vai além da beleza do espigão que leva seu nome. Nascido em Santana do Acaraú em 1817, João Cordeiro se destacou como político, industrial e filantropo, dedicando sua vida à luta pela justiça social e à abolição da escravidão.

Um dos principais líderes do movimento abolicionista no Ceará, João Cordeiro atuou para o fim da escravidão no estado. Em 1880, junto a nomes como Antônio Bezerra de Menezes, Frederico Borges, Justiniano de Serpa, Maria Tomásia, Rodolfo Teófilo e Francisco José do Nascimento (posteriormente conhecido como Dragão do Mar), fundou a Sociedade Cearense Libertadora, que organizava campanhas de conscientização e pressionava o governo pela aprovação de leis antiescravagistas.

Além do espigão, a Sociedade Libertadora também conecta João Cordeiro ao mar da capital do Ceará. Em 27 de janeiro de 1881, a Sociedade Libertadora Cearense convocou uma greve de jangadeiros em Fortaleza, que fechou o porto da cidade ao tráfico de escravos. As greves convocadas pelo movimento pressionaram a oposição, resultando na precedência do estado na abolição da escravidão, oficialmente libertos em 25 de março de 1884, quatro anos antes da assinatura da Lei Áurea.

Comerciante nato, viajou por muitas cidades e países em busca de fazer negócios com os armazéns que trabalhou, passando por Sobral, Fortaleza, São Luís, Mossoró, Recife, Rio de Janeiro, Portugal, Espanha, França, Bélgica, Itália, Alemanha e Inglaterra.

Com o reconhecimento de suas habilidades, foi convidado a presidir a Junta Comercial do Ceará em 1884 e logo em seguida foi nomeada Diretor da Caixa Econômica Federal do Ceará. Ele ainda presidiu a Associação Comercial Cearense e foi membro da Comissão Executiva que governou o Ceará logo após a proclamação da República, encarregado dos Negócios da Fazenda.

O Espigão da João Cordeiro serve como um monumento vivo à memória de um grande homem que dedicou sua vida à luta pela liberdade e à construção de um Ceará mais justo e próspero. A iniciativa do Projeto Praia é Vida de homenagear João Cordeiro no espigão é um passo importante para fortalecer a identidade cultural da cidade e inspirar as futuras gerações.

Sobre o projeto

Realizado pelo Sistema Verdes Mares, o projeto Praia é Vida incentiva uma mudança de hábitos em prol de um mundo mais sustentável, reunindo conteúdos que fortalecem a valorização e sustentabilidade dos oceanos. A fim de celebrar a história e a cultura de Fortaleza, o projetou dedicou-se a compartilhar histórias únicas de personagens ilustres que emprestaram seus nomes a equipamentos públicos ligados à Beira Mar da cidade. A iniciativa, que tem o apoio da Prefeitura de Fortaleza, apresenta nomes como Rui Barbosa, Belchior e Iracema.

Os destaques das últimas 24h resumidos em até 8 minutos de leitura.