Dira Paes e Ednardo estão entre os 120 artistas que se reúnem em show para arrecadar doações

Festival “Gente é pra Viver” é uma iniciativa em parceria com a Federação de Bairros e Favelas de Fortaleza

Esta é uma montagem de fotos entre Gildomar Marinho e Pedro Falcão
Legenda: Gildomar Marinho e Pedro Falcão participam de festival Festival Gente é Pra Viver
Foto: Divulgação

Mais de 120 artistas se reúnem neste domingo (13) para defender o acesso ao alimento, à renda e à vacina às famílias em situação de vulnerabilidade social em Fortaleza. Ao longo de seis horas de programação, que tem início às 14h e segue até às 20h, músicos, poetas e cordelistas se apresentam para arrecadar dinheiro e alimentos não-perecíveis para quem tem fome. A iniciativa coletiva do festival “Gente é pra Viver” será transmitida no YouTube. 

Com a curadoria do cineasta Rosemberg Cariry, o evento conta com artistas locais e nacionais. Os convidados, com especialidades em diversos gêneros artísticos, devem realizar apresentações com duração média de cinco minutos. Entre os nomes presentes, destacam-se Dira Paes, Silvia Buarque de Holanda, Lira Neto, Oswald Barroso, Pingo de Fortaleza, Ednardo, Hospício Cultural, Luiza Nobel e Lucinha Meneses. 

“O festival nasceu a partir da ideia de várias pessoas sobre a necessidade desse momento pandêmico ser feito um ato de solidariedade diante da percepção que tem aumentado de forma significativa a fome e a miséria. O festival seria um ato para simbolizar a afirmação da vida e da solidariedade”, explica Rosemberg Cariry. 

Durante a transmissão ao vivo, que conta com seis apresentadores - Adriana Saboya, Assun, Jord Guedes, Karla Kareninha, Lucinha Meneses e Maria Rita - o público pode realizar doações em dinheiro via Pix ou transferência bancária para a Federação de Bairros e Favelas de Fortaleza (FBFF), que arrecada recursos para a campanha "Cidade Solidária", a qual vem ajudando cearenses em situação de vulnerabilidade social, agravada pela pandemia.

“A importância de afirmar a vida, de afirmar a solidariedade, de afirmar a preocupação com o outro. Minimizar o sofrimento de tantas pessoas. A situação é muito difícil e tem crescido de uma forma assustadora. A miséria e a pobreza no Brasil tem crescido de forma assustadora”, completa o curador.

Apresentações 

Para o músico Pedro Falcão, o festival  “Gente é pra Viver” é uma iniciativa genuína. Ele conta que para o repertório do show, ele escolheu a música “Razão”, composta durante o período de isolamento social para seu novo álbum “Célula”. 

“É de uma imensa alegria poder, junto a todos os irmãos de caminho, fazer da nossa arte uma ferramenta não somente de entretenimento, mas também uma alavanca de amor, solidariedade e aproximação. É uma ressignificação da forma de conduzir o intuito da arte”, afirma Falcão.

A cantora Lucinha Meneses também preparou um repertório especial para seu show no festival. Além de apresentar o evento, ela vai cantar “Rancho das Borboletas”, do seu novo disco “Até que alguém me faça coro para cantar na rua”, e “Chorinho”, de Chico Buarque. A ideia é falar, através da música, dessa nova vida que a sociedade está experimentando por causa da pandemia. 

“Essa mobilização é super importante porque tem muita gente passando fome, tem muita gente em situação de muita miséria, as vacinas chegaram atrasadas. Esse festival vem chamando atenção porque através dele nós vamos convidar as pessoas para depositar alguma quantia e entregar alimentos não-perecíveis em vários pontos da cidade”, acrescenta Lucinha.

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?