Jambo: veja origem e benefícios da fruta

Fruto adocicado e de fácil acesso no Brasil, o jambo também possui série de benefícios ao organismo

Foto de vários Jambos em um recipiente próximo de folhas verdes
Legenda: O jambo pode ser encontrado nas cores rosa, amarelo, branco e laranja-amarelado
Foto: Shutterstock

Presente em muitos quintais e propriedades pelo Brasil, o jambo é quase uma daquelas frutas que remetem à infância, de quando as crianças chegavam a pular muros para conseguir prová-lo. Entretanto, mais do que isso, é sinônimo de história do país, personificando a flora complexa e diversa que aqui habita. 

Pelo menos é isso que explica a bióloga Rayane Ribeiro*, doutora em botânica. Segundo ela, a memória afetiva relacionada à fruta parece única, mas a verdade é que ela pode ser encontrada em plantas diversas. 

"Algumas são conhecidas popularmente como jambo, o rosa, o branco, o roxo, mas existem várias denominações para várias espécies de plantas que são chamadas de jambo. Algumas delas, são membros da família Myrtaceae"
Rayane Ribeiro
Bióloga e Doutora em Botânica

Em Fortaleza, assim como no restante do Ceará, ela delimita que a espécie mais comum do jambo é o Syzygium malaccense, nome científico da planta em questão. "O nosso jambo roxo ou vermelho vem dessa planta, originária da Ásia, ou seja, veio de outro local e foi cultivada aqui, se tornando bem comum na arborização da cidade", comenta.

Características da planta

Entre as principais características da planta que dá origem ao jambo, está o aspecto frondoso da árvore, capaz de fazer sombra grande, acrescentando em beleza enquanto está florindo ao também deixar os arredores da planta cheio de folhas rosas.

Legenda: Árvore de jambo é conhecida por espalhar-se enquanto dá frutos
Foto: Shutterstock

Estudos científicos apontam que uma árvore de jambo pode atingir cerca de 15 metros de altura, com aparência de tronco reto, folhas grandes e coloração verde-escura.

Quando é a época do jambo?

Ao todo, o estimado é que um "jambeiro", como é denominada popularmente esta árvore, consiga produzir mais de 1000 frutos, algo considerado como abundante, se outras espécies forem consideradas. 

"O jambo tem uma floração entre agosto e fevereiro, com uma frutificação bem comum de janeiro a maio, mas isso não é obrigatório, isso acaba até dependendo de particularidades de onde a árvore foi plantada", revela Rayane Ribeiro.

Quais os benefícios do jambo

Assim como outras plantas e frutas na natureza, o jambo não fica atrás quando o assunto são os benefícios ao corpo de quem o consome. De pronto, por exemplo, a bióloga define a presença de vitaminas, sais minerais e fibras que podem ser essenciais para os seres humanos.

"Essa coloração dele, por exemplo, meio arroxeada ou avermelhada é bem característica de um conjunto de pigmentos que chamamos de antocianinas. Eles têm o potencial antioxidante do nosso corpo, ajudam a evitar o envelhecimento precoce, barram a morte das células do nosso corpo", diz Rayane. 

Fortemente recomendado por conta da influência positiva na saúde, as vitaminas também são outros dos pontos altos do jambo. "A partir de dados da literatura, sabemos que ele possui vitamina A, C, B1, B2 e B3, essenciais para o funcionamento correto do nosso corpo. Além disso, ele também tem fibras, proteínas, cálcio, fósforo, potássio e por aí vai", ressalta a especialista. 

Confira abaixo outros benefícios do jambo:

  • Pode ser utilizado como pigmento natural em cosméticos, alternativa não-tóxica na substituição de metais pesados;
  • Serve como planta medicinal por possuir alto poder analgésico, proveniente dos extratos hidroalcoólicos das folhas;
  • Possui capacidade antimicrobiana, já que tem na composição acetona e extratos aquosos na casca de S. jambos;
  • É uma fruta rica em compostos bioativos, que podem auxiliar na prevenção de doenças crônicas como problemas cardiovasculares e respiratórios, câncer e até diabetes.

Como plantar

Para os que estão na busca por trazer o jambo para dentro de casa e, dessa forma, aproveitar os benefícios da árvore, as indicações para a plantação devem ser cuidadosas. Ainda assim, o processo também parece simples.

Fruto avermelhado do jambo
Legenda: Para plantar a árvore de jambo, especialistas definem que é importante encontrar um solo arenoso
Foto: Shutterstock

Segundo a bióloga Rayane Ribeiro, o passo a passo requer o consumo do fruto para extração das sementes. "Você pode comer normalmente, pegar as sementes desse fruto e plantar no solo, que deve ser, de preferência, arenoso", orienta.

Em seguida, será necessário esperar um período que vai de 4 a 6 semanas para enxergar os resultados. "É importante também plantar em uma meia sombra, não completamente no sol, e com uma rega diária", diz ao expor que os primeiros frutos só devem surgir após cinco anos. 

Quando saber que o fruto está maduro?

Nesse caso, a dica para reconhecer quando o jambo está pronto para ser consumido segue, basicamente, a mesma já utilizada para outras frutas.

É indicado escolher um com casca lisa, sem machucados aparentes. Ao tocá-lo, o maduro cede quando está no ponto certo para ser comido.

O que consumir do jambo?

Naturalmente, a fruta do "jamboeiro" é o item mais consumido após a floração desse tipo de árvore. Entretanto, não é a única coisa que se pode retirar dela. 

Legenda: O jambo pode ser utilizado para consumo em sucos, saladas e geleias
Foto: Shutterstock

"Agora, ocorre muito a intensa utilização de muitas plantas além do fruto em si, mas o jambo é muito comum em saladas, sucos e até mesmo compotas, que trazem geleias", propõe a bióloga.

Chá da folha do jambo

Além da fruta do "jamboeiro", existe também uma busca pelo chá da folha de jambo, assim como da própria casca da árvore. "Isso é algo bem comum com as plantas de outras plantas também, justamente pela capacidade medicinal", opina, Rayane.

Ela aponta que as folhas e as cascas demonstram atividades antibióticas, segundo a literatura científica. "A casca é adstringente e a planta possui uma capacidade fracamente hipoglicêmica, com propriedades para diversos tratamentos, como viroses e gripes", observa a especialista.

A boa notícia também fica por conta do fato de que, até então, não foram encontradas possíveis contraindicações, seja ao consumo da fruta ou do chá. "Isso, claro, está relacionado a esse jambo roxo, tão comum a todos nós", finaliza.

*Rayane de Tasso Moreira Ribeiro é Bióloga (UFC), Mestra (USP), Doutora e Pós-Doutora em Botânica (UFRPE). Além disso é professora (SEDUC-CE) e Coordenadora assistente da Iniciativa de Guias de Campo do Museu Field de História Natural (Keller Science Action Center, Chicago, EUA).