O que o encontro do PDT em Fortaleza indica sobre a pressão entre Izolda e Roberto Cláudio

Apesar do partido ter quatro pré-candidatos, o evento deu mais um demonstrativo do acirramento crescente entre os dois nomes pedetistas

Ciro Gomes defendeu a unidade no PDT Ceará
Legenda: Ciro Gomes defendeu a unidade no PDT Ceará
Foto: Thiago Gadelha

O PDT iniciou, em Fortaleza, os encontros regionais "O PDT sabe fazer" com objetivo de fortalecer a pré-candidatura à presidência de Ciro Gomes (PDT) a partir da experiências de gestões da legenda em cada região. No berço político do presidenciável, o evento pedetista acabou tendo como ponto alto a movimentação em torno dos pré-candidatos que disputam vaga para o Governo do Ceará. 

A atual governadora Izolda Cela (PDT) e o ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), que já tem concentrado, nas últimas semanas, as maiores mobilizações em torno de suas pré-candidaturas, também tiveram os discursos mais concorridos durante o evento regional. 

Apesar disso, lideranças estaduais e parlamentares da bancada pedetista preferiram não manifestar tão abertamente as preferências e apoios – contrastando o que vinham fazendo até então. A preferência foi por elogiar os quatro pré-candidatos envolvidos na disputa interna – além de Izolda e Roberto Cláudio, também concorrem o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Evandro Leitão, e o deputado federal Mauro Filho.

Evandro Leitão e Roberto Cláudio
Legenda: Evandro Leitão e Roberto Cláudio
Foto: Fabiane de Paula

Os últimos dois, no entanto, tiveram pouco protagonismo durante o evento. Sem discursar, Evandro Leitão permaneceu apenas durante o discurso da governadora Izolda, enquanto Mauro Filho, que também não falou no encontro, já chegou durante os discursos finais do evento. 

As declarações de unidade partidária foram reverberadas não apenas pelos pré-candidatos como pelo próprio Ciro Gomes – uma das lideranças que deve ser central na definição do nome do PDT. Apesar disso, a data para esta escolha parece estar decidida. Presidente do PDT Ceará, André Figueiredo afirmou que a decisão deve sair até a primeira semana de julho.

Gritos de apoio e comitiva de deputados

A governadora chegou por volta de meio-dia, algumas horas após o início oficial do evento, acompanhada de comitiva de deputados cearenses, incluindo o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Evandro Leitão (PDT), que também é um dos pré-candidatos da legenda ao Palácio da Abolição. 

Governadora Izolda Cela
Legenda: Governadora Izolda Cela
Foto: Fabiane de Paula

A chegada foi seguida de muitos gritos de apoio à governadora entre o público do evento. Durante toda a fala da pedetista, os militantes voltaram a puxar gritos de "Izolda, Izolda, Izolda". A governadora disse ter ficado "feliz" com a recepção. "Receber essa reação calorosa das pessoas é bom, né?", acrescentou.

O discurso de Izolda foi centrado em áreas que devem estar presentes durante a campanha eleitoral. As conquistas da educação e dos programas de Primeira Infância, além da descentralização da rede de saúde foram enfatizadas pela governadora. 

Ela também falou sobre os desafios da segurança – temática que é central na trajetória do principal candidato da oposição, Capitão Wagner (União Brasil) – e aproveitou para criticar a atuação do Governo Federal na área. "Eu não vi o Governo Federal se apresentado para este País para fazer a parte que lhe cabe", enfatizou. 

O discurso da governadora também passou por elogios às principais lideranças do grupo. Ela afirmou que considera o senador Cid Gomes (PDT) como "mentor" e sua "escola" na política, além de ter elogiado o "projeto lúcido para o País" de Ciro Gomes.

"Temos, neste Estado, o compromisso com a boa política e isso se firma ao longo do tempo, defendemos o que achamos mais importante para o Estado e defendemos essa esperança para o Brasil no projeto que o Ciro representa"
Izolda Cela (PDT)
Governadora do Ceará

Além dos pedetistas, a governadora Izolda também citou o ex-governador Camilo Santana (PT), a quem ela substituiu no comando do Governo do Ceará. Izolda pediu uma salva de palmas ao petista. 

"O melhor prefeito vai virar governador"

Presidente do PDT, Carlos Lupi
Legenda: Presidente do PDT, Carlos Lupi
Foto: Fabiane de Paula

Camilo Santana, no entanto, não foi citado no discurso de Roberto Cláudio – que ocorreu apenas no final da tarde, antecedendo o encerramento de Ciro Gomes. Por outro lado, o ex-prefeito aproveitou para também elogiar as principais lideranças do partido. 

Antes disso, no entanto, ele foi introduzido com entusiasmo pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. "Tinha uma, não sei de quem era, que dizia assim 'o melhor prefeito do Brasil vai virar governador'", cantou o dirigente. 

Ao final da fala, Lupi voltou a entoar que "o melhor prefeito do Brasil vai virar governador" e disse que, apesar de não votar no Ceará, "votaria em você para governador", em referência ao ex-prefeito da Capital. 

Outras lideranças da legenda, como o deputado André Figueiredo e o prefeito de Fortaleza, José Sarto, também citaram durante os discursos no evento que Roberto Cláudio foi o "melhor prefeito da história de Fortaleza".

Com gritos de apoio de "Roberto, Roberto, Roberto", Figueiredo completou, aos risos: "eu disse que ele é o melhor prefeito, não que é o melhor governador". 

Temas para o Estado

Durante a fala no encontro, Roberto Cláudio também focou em temas e questões estaduais. O ex-prefeito citou, assim como Izolda, a Educação e os programas de Primeira Infância, além dos avanços na saúde. 

Ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio
Legenda: Ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio
Foto: Thiago Gadelha

Ele falou ainda sobre os investimentos realizados pelo Governo e da situação fiscal da máquina pública no Estado, destacando a importância da continuidade do projeto político. "Esses são os anos dourados do Ceará", completou. 

Roberto Cláudio aproveitou para criticar, sem citar nomes, a candidatura de "gente que não tem competência para fazer" e que "não tem dó do povo". Ele ainda ressaltou que as eleições serão o momento de "proteger" o Ceará "do despreparo, do descompromisso". 

Durante todo o evento, como no discurso, Roberto Cláudio evitou falar sobre as definições para a candidatura governista e ressaltou que "ninguém fora do PDT vai conseguir nos dividir". 

"A gente não tem competição interna, nós temos uma corrida, uma dinâmica partidária, que tem como proposta ouvir a população cearense, construir uma visão de futuro para o Ceará que é a responsabilidade do PDT da nossa aliança. Essa coisa do nome é uma consequência que vai acontecer no momento certo" 
Roberto Cláudio (PDT)
Ex-prefeito de Fortaleza

Unidade partidária

Assim como Roberto Cláudio, Izolda também minimizou a divisão entre os nomes: "eu me sinto honrada com isso (de ser cotada como pré-candidata), cada um com sua história. Então me sinto honrada", ressaltou.

Para Evandro Leitão, está sendo feita a avaliação do "melhor nome" que irá representar o grupo. "Aquele que for escolhido será um nome onde todos teremos condição de levantar a bandeira", acrescentou.

“A mensagem que se tira daqui é a necessidade de uma unidade que precisa ser traduzida para a população de que o que está em jogo não é um nome, mas um projeto de governo que tem um alicerce muito grande no crescimento econômico, no ajuste fiscal, na maior transformação educacional que já tivemos, que o Brasil já experimentou e na expansão da saúde. Todo esse sistema não pode ser destruído por uma pessoa que não tem experiência de gerenciar nem uma bodega"
Mauro Filho (PDT)
Deputado federal

Entre as principais lideranças cearenses do PDT, a opção foi por elogiar todos os pré-candidatos do partido à sucessão estadual. Mesmo quem já havia, em algum momento, declarado preferência por um dos quatro, preferiu não ser tão enfático nesta defesa. 

Deputado federal Mauro Filho
Legenda: Deputado federal Mauro Filho
Foto: Thiago Gadelha

Sobre o acirramento na disputa interna, André Figueiredo disse ser natural que exista torcidas para todos os lados", mas que isso, "de forma alguma, vai atrapalhar" a unidade da sigla. 

"É preciso que, nessa fase, a gente se proteja de futrica, de intriga, de especulação, de traições. E mantenha o foco naquilo que tá em jogo, o que tá em jogo é o destino de quase dez milhões de pessoas, nossos irmãos e irmãs cearenses, que está em risco", ressaltou Ciro Gomes.

"Não acredito que não sejamos capaz de tirar uma solução", acrescentou.

Aliança no Ceará

Por outro lado, foi feita uma enfática defesa de que, qualquer que seja a escolha sobre a cabeça de chapa governista, ela deverá ser feita pelo PDT. Ressaltando que o partido não irá "envergar a espinha" para ninguém, Ciro Gomes disse que cabe ao partido a indicação.

Encontro do PDT ocorreu nesta quarta-feira (15)
Legenda: Encontro do PDT ocorreu nesta quarta-feira (15)
Foto: Fabiane de Paula

Questionado sobre a fala do deputado federal de José Guimarães (PT) cogitando romper a aliança PT-PDT caso a candidata não seja Izolda Cela, Ciro desejou que o petista "seja muito feliz" na candidatura própria da sigla.

"Qual o entendimento explícito? Depois de apoiarmos Camilo Santana, do PT, por oito anos, e seguir apoiando a pretensão legítima de ser candidato a senador, cabe ao PDT a indicação de um candidato aos aliados (...) Nós consultamos a população e nós apalavramos isso com toda clareza"
Ciro Gomes (PDT)
Pré-candidato à Presidência

Demarcando a primeira semana de julho como prazo para a definição da candidatura pedetista, Figueiredo corroborou que a "escolha cabe ao PDT" e que os aliados serão consultados após essa definição. 

"Mas, eu tenho dito, não admitimos veto por veto. Vetar por não gostar? Não é justificável", disse a respeito da resistência entre partidos aliados ao nome do ex-prefeito Roberto Cláudio, principalmente o PT. 

"(Mas) Eu não acredito que venha acontecer rompimento. O Ceará é o principal estado que o PDT administra, quaisquer rupturas podem gerar sequelas muito fortes para o cenário político nacional", completou.