'Nenhum cargo pode estar a serviço de um desejo individual', diz Tasso ao reforçar apoio ao PDT

O senador reassumiu a presidência do PSDB no Ceará após impasse sobre apoios no Estado

Escrito por Felipe Azevedo, Wagner Mendes,

PontoPoder
Legenda: Tasso assumiu a presidência do PSDB e reconduziu o apoio da federação ao PDT
Foto: Kid Junior

Durante a convenção estadual do PSDB e do Cidadania, remarcada para esta sexta-feira (5), o senador Tasso Jereissati (PSDB) declarou que "nenhum cargo pode estar a serviço de um desejo individual". O evento marcou o apoio do grupo à candidatura de Roberto Cláudio (PDT) ao Governo do Estado.

"Os partidos precisam entender que, na política, é acima de tudo pensar no espírito público e que nenhum partido, nenhuma força, nenhuma posição, nenhum cargo pode estar a serviço de um desejo individual. Desejo individual é consequência de um projeto e consequência de um trabalho", declarou o parlamentar. 

A fala do tucano ocorre um dia depois de um tumulto generalizado entre representantes do PSDB e do Cidadania na quinta-feira (4). A decisão divulgada pelo ex-presidente do PSDB, Chiquinho Feitosa, de seguir neutro na campanha ao Palácio da Abolição acabou sendo contestada em âmbito nacional.

Uma decisão do presidente nacional da federação dos partidos, Bruno Araújo, acabou dando condições para revogar a definição anterior.

Articulações

Chiquinho, enquanto presidente do PSDB, e consequentemente, da federação no Ceará, trabalhou para que o grupo formalizasse acordo com a candidatura de Elmano de Freitas (PT). A articulação ocorria por intermédio do ex-governador Camilo Santana.

O dirigente chegou a declarar publicamente que o petista, candidato ao Senado, teria oferecido a vaga de suplente para ele.

Ainda na quinta, Chiquinho acabou sendo destituído da presidência do partido. Tasso assumiu o posto para conduzir a formalização do apoio ao PDT no Ceará. Há expectativa de que o assunto seja judicializado.

Apoio

Em discurso de apoio à candidatura de Roberto Cláudio ao Governo do Estado, Tasso argumentou que a união da federação com o PDT tem afinidade com a agenda política do ex-prefeito de Fortaleza.

"Do 'não ao clientelismo', que foi nossa luta em 1986, contra a política dos currais eleitorais. Libertar o eleitor cearense. Libertar a população e emancipar a população cearense", disse o senador.