"Criminoso é ignorar a perda de mais de meio milhão de vidas", rebate Camilo Santana

O governador respondeu ao comentário de Jair Bolsonaro, que criticou a conduta de gestores na pandemia de Covid-19

Escrito por Felipe Mesquita, felipe.mesquita@svm.com.br

PontoPoder
Camilo e Bolsonaro em montagem
Legenda: Em passagem pelo Ceará, Bolsonaro criticou as medidas de combate à pandemia
Foto: Arquivo

Após Jair Bolsonaro (sem partido) classificar como "ato criminoso" as políticas de enfrentamento à Covid-19 implementadas por governadores, Camilo Santana (PT) foi às redes sociais e rebateu as falas do presidente. Em publicação nesta sexta-feira (13), o gestor disse que os "ataques" do chefe do Palácio do Planalto não irão tirar suas forças. 

"Criminoso, sr. presidente, é ignorar a perda de mais de meio milhão de vidas na pandemia e ainda debochar da dor das famílias. Tivéssemos um Gov. Federal mais preocupado com a vida, milhares teria sido salvas. Seus ataques jamais irão tirar de mim a força para continuar lutando", disse Camilo. 

Print do Camilo
Foto: Reprodução

Leia mais

Reveja como foi o discurso de Bolsonaro

Durante visita ao Ceará, Bolsonaro criticou as medidas de isolamento social adotadas pelos estados. 

"Essa medida, por alguns governadores, entre eles o desse estado, foram além de impensadas, muito mal recebidas pela população. Mandar ficar em casa sem prover ganho para sua subsistência, isso é mais que uma maldade, é um ato criminoso", disse Bolsonaro.

Na última quarta-feira (11), a Justiça atendeu ao pedido do Governo do Ceará para que os passageiros de voos comerciais ou privados apresentassem comprovantes de vacinação ou teste PCR negativo para a Covid-19.

No entanto, nesta sexta-feira (13), dia da visita de Bolsonaro ao Ceará, a decisão foi derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5). O processo foi movido pela União e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). 

Camilo lamentou e disse que vai recorrer da decisão. 

camilo santana
Legenda: Governador lamentou a decisão do TRF-5
Foto: Reprodução/Instagram