Após pressão por apoio de Capitão Wagner a Bolsonaro, partidos articulam reunião nesta semana

Aliados aguardam decisão sobre apoio do pré-candidato a Bolsonaro no Ceará

Escrito por Felipe Azevedo, felipe.azevedo@svm.com.br

PontoPoder
Montagem Acilon e Capitão Wagner
Legenda: Uma reunião deve acontecer até a próxima quinta-feira (21) entre o presidente estadual do PL Acilon Gonçalves, e Wagner para decidir sobre coligação.
Foto: Fabiane de Paula

Em meio à expectativa sobre o apoio do PL à candidatura de Capitão Wagner (UB) ao Governo do Ceará, cresce a pressão para que o pré-candidato da oposição reforce a candidatura de Jair Bolsonaro (PL) no Ceará. 

Uma reunião deve acontecer até a próxima quinta-feira (21) entre o presidente estadual do PL, Acilon Gonçalves, e Wagner para bater o martelo. Questionado através de assessoria sobre o encontro, Wagner confirmou que ele deve ocorrer até o final da semana. 

Acilon, por sua vez, diz que pretende encontrar com o deputado federal licenciado, mas não determinou dia para a reunião. "Há uma intenção de fazermos esta reunião porém a agenda está repleta e poderá ser adiada", disse o prefeito. 

A movimentação ocorre após o presidente Jair Bolsonaro, ainda no sábado (16) falar publicamente sobre uma dobradinha entre ele e Wagner no Ceará. 

"Se o Brasil tem problema, chama o capitão. Se o Ceará tem problema, chama o Capitão. Esse Ceará, esse Nordeste é nosso. (...) É o velho ditado: quando os bons se dividem, os maus vencem. O Ceará deve se unir, os bons devem se unir, a causa é o futuro do nosso Estado e do nosso Brasil", disse Bolsonaro".
Jair Bolsonaro
Presidente

O posicionamento aumentou a expectativa de que o PL se unisse ao União Brasil para composição de força na oposição. Wagner, no entanto, já afirmou em outras oportunidades que não pretende nacionalizar a disputa e que a prioridade é a eleição estadual. 

O pré-candidato já chegou a dizer que mais de um candidato à Presidência da República seria bem-vindo em seu palanque. 

O que dizem aliados

Essa postura, no entanto, movimenta os bolsonaristas cearenses, que pressionam  por um palanque único, com Wagner apoiando a reeleição do atual Chefe do Executivo Nacional. 

O deputado estadual André Fernandes (PL), um dos parlamentares próximos do presidente Bolsonaro, disse que aguarda uma decisão do PL.

"Independente da decisão que o PL tomar, tem que ser rápido. Eu vou seguir meus dois presidentes: Jair Bolsonaro e Acilon Gonçalves", disse o parlamentar. 

O vereador de Fortaleza Carmelo Neto (PL), por sua vez, disse que a fala de Bolsonaro reflete a vontade do presidente e da maioria de seus apoiadores no Ceará, que é de apoiar Capitão para o governo". 

Uma das defensoras de Bolsonaro na AL-CE, a deputada Dra. Silvana (PL) disse que aguarda uma posição de Capitão Wagner. 

"Eu estou aguardando a nota de gratidão do Capitão ao nosso presidente. Vejo com preocupação o Capitão não ter postado em suas redes tão importante apoio. É necessário pra o bem da campanha", disse a parlamentar. 

Neste domingo (17), Acilon chegou a afirmar que uma eventual coligação do partido com o União Brasil dependerá de um interesse recíproco de apoio de Wagner ao presidente Jair Bolsonaro para ser firmada.

Em meio à indefinição, Acilon ainda não descarta ter uma candidatura própria para disputar o Executivo. Ele estuda lançar o ex-deputado federal Raimundo Gomes de Matos caso não haja acordo com o Capitão Wagner para uma coligação.