Pandemia: 86,8% das empresas mantiveram quadro de empregados em agosto

De acordo com a pesquisa, 52% tiveram um impacto positivo com a pandemia na primeira quinzena de agosto

Legenda: Segundo a pesquisa, 10,6% indicaram redução no número do quadro de funcionários
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nos primeiros 15 dias de agosto, cerca de 86,8% das empresas do Nordeste mantiveram o quadro de funcionários e apenas 10,6% indicaram redução neste período, é o que revela a pesquisa Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta terça-feira (15).

Dos 10,6% que indicaram redução, cerca de 62,7%, demitiram entre  26% a 50% do quadro de funcionários da empresa, 32,7% desligaram um número inferior a 25% e apenas 4,6%, um número superior a 50%.

A pesquisa revela que na macrorregião, cerca de 52% das empresas do Nordeste tiveram um impacto positivo com a pandemia do novo coronavírus, já cerca de 20%  apontaram um impacto negativo. As empresas apontaram que a pandemia trouxe um aumento de 48,7% sobre as vendas dos produtos ou serviços comercializados.

Apesar dos números indicarem um cenário positivo,  45,8% das empresas indicaram dificuldades na fabricação dos produtos ou atendimento aos seus clientes neste período. Além disso, 63,3% tiveram dificuldades ao acesso de fornecedores, insumos e mercadorias.

Pagamentos

Os dados da pesquisa também revelam que 44,3% das empresas do Nordeste tiveram dificuldades para realizar pagamentos de tributos, fornecedores, salários e aluguéis na primeira quinzena de agosto. Já 46,5%, indicaram não ter tido problemas com a quitação das dívidas e apenas 9,2% não tiveram dificuldades.

Brasil

A pandemia do novo coronavírus provocou uma queda nas vendas ou serviços comercializados em 36,1% das empresas em funcionamento no País. Por outro lado, 33,6% das empresas disseram que o efeito foi pequeno ou inexistente, e outros 30,3% das companhias declararam ter registrado aumento nas vendas com a pandemia.

Entre as regiões, houve diminuição das vendas em 40,7% das empresas do Sudeste. No Centro-Oeste, 39,8% relataram recuo nas vendas, enquanto no Norte esse porcentual foi de 38,3%.

Setores

Entre os setores, 44,5% das empresas de Comércio tiveram redução nas vendas, com destaque para os segmentos de comércio varejista (48,9%) e comércio de veículos, peças e motocicletas (43,7%).

Nos Serviços, 41,3% das empresas relataram maior incidência de efeitos pequenos ou inexistentes sobre as vendas em relação à quinzena anterior.

A queda nas vendas foi mais sentida entre as pequenas empresas. Entre as grandes empresas, 80,4% declararam efeito nulo ou aumento nas vendas, enquanto apenas 16,8% sinalizaram percepção de diminuição. Nas empresas de menor porte, 63,7% sinalizaram efeito nulo ou avanço nas vendas, enquanto 36,3% sinalizaram percepção de diminuição.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios