IGP-M: Inflação do aluguel desacelera, mas segue acima de 30% em 12 meses

A escalada do IGP-M vem provocando uma série de debates sobre o uso do índice como indexador para os contratos de locação

Escrito por Diário do Nordeste/Folhapress,

Negócios
Inflação do aluguel
Legenda: Em 12 meses até julho, período com dados mais recentes, o IPCA subiu 8,99%
Foto: Thiago Gadelha

Conhecido como a inflação do aluguel, o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) desacelerou para 0,66% em agosto. Com o resultado, atingiu a marca de 31,12% no acumulado de 12 meses, informou o FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) nesta segunda-feira (30).

Em julho, o índice havia avançado 0,78%. O acumulado em 12 meses era maior, de 33,83%.

O IGP-M é frequentemente usado como referência para reajustes de contratos de locação de imóveis. Por isso, é chamado de inflação do aluguel.
Com a disparada ao longo da pandemia, o indicador se descolou da inflação oficial medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Em 12 meses até julho, período com dados mais recentes, o IPCA subiu 8,99% -mesmo menor, a variação também assusta analistas e consumidores.

A escalada do IGP-M vem provocando uma série de debates sobre o uso do índice como indexador para os contratos de locação, já que a maior parte de sua composição vem de preços de matérias-primas agrícolas e industriais.

A legislação sobre o assunto diz que os contratos devem prever um índice de correção que será utilizado anualmente. Contudo, não há obrigação de escolha pelo IGP-M.

O indicador busca medir os preços ao longo de diferentes setores da cadeia produtiva -de matérias-primas, passando pela construção, até serviços e bens finais.

Entenda a variação do IGP-M

A variação do IGP-M é composta por três indicadores: IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

O IPA, que capta o movimento de preços de matérias-primas agrícolas e industriais, é aquele com o maior peso. Responde por 60% do IGP-M. Ou seja, o aumento de commodities pode gerar reflexo nos valores de locação de imóveis comerciais e residenciais.

O IPC, por sua vez, representa 30% do IGP-M. O INCC é o responsável pelos outros 10%.

"Se não fosse a crise hídrica, o IGP-M apresentaria desaceleração mais forte [em agosto]. No IPA, culturas afetadas pela estiagem, como milho (-4,58% para 10,97%) e café (0,04% para 20,98%) registraram forte avanço em seus preços. No âmbito do consumidor, o preço da energia, para a qual é esperado novo reajuste em setembro, registrou alta de 3,26%, sendo a principal influência para a inflação ao consumidor", afirma o economista André Braz, coordenador de índices de preços do FGV Ibre.