Com a queda do dólar, saiba se é hora de comprar para viajar ou investir

Derretimento da moeda norte-americana favorece a compra por parte dos brasileiros

Escrito por Redação,

Negócios
Casa de câmbio
Legenda: O dólar fechou nesta quarta-feira (23) a R$ 4,84
Foto: Fabiane de Paula

Após atingir o menor patamar em dois anos, cotado a R$ 4,83, o dólar turismo chegou a ser negociado por R$ 4,76, nesta quinta-feira (24). Como o mercado de câmbio é extremamente volátil e gera incertezas sobre até quando a moeda seguirá derretendo, a avaliação é de que a hora de comprá-la é agora. 

O diretor de operações da Sadoc Corretora de Câmbio, Breno Cysne, avalia que a queda é pressionada pela alta das commodities brasileiras e da taxa Selic (taxa básica de juros). 

"Quem tinha compromissos internacionais, débitos no exterior, está quitando e aproveitando a redução", observa. Na Sadoc, o dólar é vendido a R$ 5,07, incluindo o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). 

O diretor comercial da Ouro Minas, Caio Ito, aponta que a demanda disparou com a queda do dólar. No estabelecimento, a moeda é comercializada por R$ 5,05, também com impostos.

Por que o dólar está caindo?

A economista e educadora financeira,Juliana Barbosa, explica que dois fatores têm sido determinantes para essa queda. 

"A alta da Selic como forma de controlar a inflação vivida no país, tem trazido investidores estrangeiros que enxergam boas oportunidades de investimentos. E o aumento nos preços das commodities, que são materiais na sua forma bruta como petróleo e minério de ferro como consequência da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, fazendo com que mais investidores estrangeiros ingressem na Bolsa de Valores Brasileira (B3). Fazendo do Brasil um país atraente a capitais externos".

Até quando o dólar continuará mais barato?

De acordo com Barbosa, somente em 2022 o dólar já acumula perda de pouco mais de 13%. "Devido ao cenário macroeconômico mundial de guerra, alta de juros e valorização das commodities, o real pode continuar a se fortalecer e o dólar continuar em queda no curto prazo".

Vale a pena comprar agora para viajar?

Contudo, apesar do cenário, é importante ter cautela. Existe a possibilidade que a moeda caia mais, entretanto, a variação do câmbio é imprevisível.

"O ideal é que o consumidor compre aos poucos, pesquise em diferentes casas de câmbio e junto ao seu banco para encontrar um valor competitivo. Em todas as transações incide a cobrança de IOF, porém comprando a moeda em espécie a taxa é 1,1% sobre o valor da transação. E é bem menor que a transação em cartão pré-pago ou de crédito que é de 6,38% sobre o valor transacionado", explica a economista.

Como comprar dólar mais barato?

Na maioria das vezes a compra em casas de câmbio é mais barata do que em bancos. Mas é importante se certificar acessando o site do Banco Central se a empresa de câmbio é legalizada e confiável.

"Dependendo do relacionamento com o seu banco, a instituição financeira pode oferecer descontos na taxa e ficar mais atrativo. Além de contar com um ambiente já conhecido e estruturado para o atendimento", acrescenta Barbosa. 

Vale a pena comprar agora para investir?

"Comprar moeda física para investir pode ser um tiro no pé. Devido a grande oscilação do câmbio, você pode ficar com o dólar encalhado e sem conseguir vender. Além disso, a compra em espécie tem custos mais altos pois está na cotação do dólar turismo. Diferente de quando você compra com a finalidade de viajar para um destino internacional".

A economista destaca que existem outras formas de investir na moeda americana, como em fundos cambiais, BDRs, contratos futuros, mine contratos, além de fundos que aplicam no exterior.

"Todas essas opções de investimentos são de renda variável, o que representa maior volatilidade e menos garantia de retorno. Devem ser feitas através de uma corretora", conclui.

 

Assuntos Relacionados