Com ações entre drive thru e revezamento, escolas particulares retomam aulas presencias em Fortaleza

A rede pública ainda mantém o ensino de forma remota, mas há promessas de iniciar aulas presenciais em setembro nas unidades municipais

Legenda: Estudantes voltam às aulas presenciais respeitando o distanciamento social e utilizando máscara de proteção
Foto: Marina Alves

Com a mochila nas costas e a máscara no rosto, estudantes do ensino infantil, fundamental e médio das escolas particulares de Fortaleza iniciam o segundo semestre letivo no modelo híbrido nesta segunda-feira (2). Tendo parte das aulas à distância, o retorno presencial ocorre com 50% da capacidade em sala de aula, conforme decreto vigente na capital. No entanto, também é possível atender 100% dos alunos, caso as escolas garantam que têm estrutura para receber.

Uma das escolas da Capital que afirma ter conseguido montar estrutura capaz de receber 100% dos estudantes é o Colégio 7 de Setembro, após transferir as aulas para o Centro Universitário 7 de Setembro (Uni7), onde há mais salas, sendo possível respeitar o limite de alunos por local.

Mesmo com a volta presencial, os estudantes e responsáveis podem seguir optando pelo ensino remoto. Conforme previsto no decreto estadual para a retomada das atividades econômicas e comportamentais no Ceará. O Sindicato dos Estabelecimentos de Educação e Ensino da Livre Iniciativa do Estado do Ceará (Sinepe), reitera que a oferta do ensino híbrido deve seguir disponível.

No caso das escolas da rede pública estadual, a previsão de retorno das aulas presenciais está para o mês de agosto. Conforme o Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc) de 2 a 6 de agosto as aulas ocorrem de forma remota.

Nesse período, a comunidade escolar (estudantes, professores, gestão e pais) se reunirá para debater se fará a opção pela continuidade do ensino remoto ou a adoção do modelo híbrido. Caso a escola da rede pública estadual opte pelo modelo híbrido, poderão iniciá-lo a partir do dia 9 de agosto. 

Já em âmbito municipal, a decisão de escolha de retorno presencial das aulas fica sob a responsabilidade das prefeituras. Na capital cearense, a expectativa de retorno presencial da rede pública municipal ocorra de forma escalona, a partir do dia 8 setembro

Escola adota drive-thru em Fortaleza

Na manhã desta segunda-feira (2), o Colégio 7 de Setembro (C7S) adotou um sistema de drive-thru para medir a temperatura dos estudantes ainda dentro do carro, visando aumentar a eficiência dos protocolos de segurança. 

Para garantir a volta presencial de todos os estudantes do Ensino Médio que desejassem regressar, a instituição transferiu os alunos da Sede Aldeota para a Uni7. Com isso, as turmas com 30 alunos foram divididas em duas salas com 15 estudantes em cada uma. 

A medida foi tomada a fim possibilitar a presença de todos os estudantes sem necessidade do revezamento de dia. Considerando isso, o colégio também inlcuiu mudança em turnos de intervalo para evitar aglomerações. 

Felicidade pelo retorno presencial

Após mais de um ano em ensino remoto, o estudante do 2º ano do Ensino Médio, Gabriel Medeiros, 16 anos, relata que esta é a primeira vez que retorna para o colégio durante a pandemia. Mesmo com a liberação em junho, optou por esperar as férias passarem. 

“Estou feliz, de fato. Porque o ensino EAD consegue ser eficiente e passar o conteúdo, mas para fixar é mais complicado", relata. 

Foi pelo mesmo motivo que Igor Samuel de Aguiar Rodrigues, 16 anos, fez “questão” de assistir aula presencialmente. Apesar de entender que muitos colegas não se sentem confortáveis para voltar à escola, percebe que é dessa forma que aprende melhor

Estou muito feliz com a retomada das aulas. Eu voltei duas semanas antes das férias, para saber como ia ser. Senti a melhora no aprendizado. Muito melhor do que foi em casa e no período online, não se compara. Melhor aqui mesmo.
Igor Samuel de Aguiar
Estudante do Ensino Médio

Adaptação das escolas

Desde o segundo semestre de 2020, as instituições de ensino privado elaboram e adotam protocolos de segurança no ambiente interno. Para o professor e diretor do C7S, Henrique Soares, a volta às aulas neste mês de agosto marca mais um recomeço

Nesse cenário, mantém os protocolos já adotados, como distanciamento social, uso de álcool em gel e máscara. No entanto, pede também a contribuição dos responsáveis para manter os filhos no modo remoto em caso de suspeita de qualquer síndrome gripal no núcleo familiar. 

A gente sabe que a variante Delta está chegando e que a escola é um espaço seguro com os protocolos, mas precisamos que os pais mantenham as crianças em casa no caso de alguém com suspeita. Esse cuidado vai ser o maior desafio. 
Henrique Soares
Diretor do Colégio 7 de Setembro

Já a coordenadora pedagógica do Colégio Tiradentes, Pâmela de Castro, reforça que os cuidados na escola vão além da sinalização, mantendo a vigilância para checar se os estudantes estão respeitando o distanciamento social e o uso da máscara. 

Em sua percepção, o retorno presencial se configura como importante pelo aprendizado e a socialização. “Para nós está sendo um momento pandêmico difícil, mas para eles é muito mais. A gente espera que a vacinação avance para que possam retornar todos os estudantes nas instituições de ensino”, finaliza.  

Expectativa para o retorno

Acompanhando a retomada das aulas presenciais das escolas particulares, Alneide Feitosa Guedes, mãe da estudante do 1º ano do Ensino Médio de uma escola estadual, Scarlet Feitosa, aguarda com ansiedade a notificação da volta do ensino presencial.

Conforme explica, apesar de sua filha de 17 anos conseguir acompanhar o ensino à distância, percebe que não tem o mesmo aproveitamento

"Ir para a escola é o mais correto, porque existe uma diferença entre trabalhar em casa e no trabalho. Em casa, outras coisas chamam a atenção e na escola, elas estão no ambiente certo, se concentram", conclui.

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab

Assuntos Relacionados