Após dois anos de suspensão, retomada do São João movimenta diferentes setores

No segmento de entretenimento, os objetivos de quem trabalha com shows já se concretizaram

Legenda: São João em Campina Grande, na Paraíba
Foto: Leydson Jackson (ASCOM Campina Grande)

O momento mais aguardado por quem ama o mês de junho e as festas juninas chegou. Após a suspensão de dois anos dos grandes eventos, por conta da pandemia de Covid-19, as festas tradicionais de São João da região Nordeste retornaram e aquecem o setor do turismo com diferentes festejos espalhados pelo Brasil afora. Do litoral ao sertão, arrasta-pé com muito forró, comidas e bebidas típicas da época marcam presença.

Os impactos positivos de festas como essas se estendem para diferentes setores. Proibidos de circular entre municípios baianos durante o período mais crítico da pandemia, empresas de transportes intermunicipais tiveram momentos complicados. Com o retorno, o momento era de apreensão, mas de muita organização para dar conta da demanda alta.

“Depois de dois anos sem podermos operar durante os dias de São João, a expectativa é enorme. Esse São João era uma incógnita pra gente, pois era esperado um movimento ainda maior do que em outros anos por causa da demanda reprimida durante a pandemia. Por isso, começamos desde o início de maio a fazer a venda antecipada de passagens”, declarou Marlene Sá, funcionária da Atlântico Transportes.

A empresa detém a concessão do transporte rodoviário metropolitano e intermunicipal entre Salvador e todos os destinos do Litoral Norte da Bahia, incluindo Praia do Forte e Imbassaí, distrito do município baiano de Mata de São João. A Atlântico Transportes disponibiliza 21 horários em seis linhas diariamente.

No segmento de entretenimento, os objetivos de quem trabalha com shows para o São João de 2022 já se concretizaram. Artistas e empresários voltam a sorrir com a possibilidade de realizarem festas presenciais. Um exemplo disso é a Crow Produções, empresa baiana. “O retorno está sendo bastante abençoado, com muito trabalho, mas mais tranquilo do que imaginávamos. Depois de dois anos sem festas, existia um medo do desconhecido. ‘O que vai haver? Como vai ser?’. Mas realmente a estrada de produção é como andar de bicicleta: você nunca esquece”, declara a produtora e assessora de comunicação da empresa, Jaque Froes.

A Crow foi fundada em 2016 pelo empresário Neto Sandes e hoje representa cerca de 30 artistas locais e nacionais, como Armandinho, Dodô e Osmar, Solange Almeida, Zé Felipe e Marcos e Belutti. Todos eles com, pelo menos, 20 shows marcados para as festas no período junino.

Campina Grande, a cidade com o maior São João do mundo

Ostentando o título do “Maior São João do Mundo”, a cidade de Campina Grande, na Paraíba, nas últimas semanas e nos próximos dias de movimentação turística, pretende recuperar o prejuízo dos últimos anos com a pandemia e retomar bons números de arrecadação – em 2019 o impacto direto do São João na economia da cidade foi de R$ 300 milhões.

“A nossa projeção é de um incremento, inclusive em função da inflação, mas em função também da hotelaria, que nos finais de semana principais do período de festa, entre 10 de junho e 10 de julho, já está com 95% de ocupação”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico, Rosália Lucas.

Educação: segmento mais indireto também vê com alívio o retorno

Não são só as profissões diretamente ligadas às atividades turísticas que celebram esse momento de liberação das festas. O setor de Educação, principalmente, voltado para a área de hospitalidade – nomenclatura guarda-chuva que engloba atividades de turismo, hotelaria, gastronomia, trade turístico e outras – também comemora a movimentação dos festejos.

A comemoração se dá, entre outros pontos, por essa área de formação e especialização de profissionais ter sido um dos segmentos educacionais mais afetados pela pandemia, avalia Bia Couto, pedagoga e mestra em Educação e pesquisa na Área da Hospitalidade e Gastronomia. “Eventos cancelados, agências, hotéis e restaurantes dispensando seus funcionários e eventos sociais adiados, juntamente com os sonhos das pessoas de conseguiram colocarem em prática aquela viagem tão sonhada. Tudo isso deixou o turismo sem perspectiva. Na educação, muitos alunos por conta da situação financeira e desanimados com o cenário precisaram trancar seus cursos, adiando a conclusão da trajetória acadêmica”, conta.

Legenda: Bia Couto é diretora pedagógica da Faculdade Hotec que oferece cursos da área de turismo
Foto: Acervo pessoal

Bia é coordenadora pedagógica da Faculdade Hotec, em São Paulo, que oferece cursos superiores e de ensino técnico nas áreas de hospitalidade, gestão e saúde. Para ela, as pessoas agora querem viver boas experiências nos locais de diversão, como festas e eventos. A profissional ressalta então que os profissionais do setor mais do que nunca devem oferecer isso. Que por sua vez, só acontece quando há formação e especialização por parte de quem oferece os serviços. Ou seja, a retomada de festas é, também, um bom momento para se profissionalizar e se destacar no mercado.

“Todos nós buscamos viver novas experiências, sendo bem-tratados, tendo nossas expectativas plenamente atendidas em qualquer ambiente que frequentamos. Não cabe, principalmente agora, frente a frente à expectativa do retorno de diversas atividades turísticas, falhas no atendimento. Então, o momento também é de profissionalização”, finaliza Bia.

 

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab

Assuntos Relacionados