Idoso de 84 anos faz tratamento contra câncer vestido de super-herói

A cada sessão quimioterápica, José Teles incorpora personagens famosos, como o Batman e o Super-Homem

Legenda: Seu José vestido de Super-Homem na comemoração do aniversário de 83 anos
Foto: Arquivo pessoal

José Teles, de 84 anos, enfrenta um câncer raro no rim há três anos, mas a doença nunca foi motivo para tristeza. Acompanhado da filha Celina Freire, o aposentado diverte quem o vê nas sessões de quimioterapia. Para amenizar as dificuldades do tratamento, ela passou a vestir o pai com roupas dos famosos super-heróis.  

Seu José incorpora personagens queridos de diversas gerações, já foi Batman, Homem de Ferro, Super-Homem e até arriscou colorir os cabelos de verde para brincar como Hulk. A aposta da sessão desta terça-feira (07) foi o Homem-Aranha.  

“Eu tenho encarado tudo com amor, leveza e bom humor. Fico muito feliz quando o médico diz que vai receber o herói dele, me motiva”, conta Seu José que faz o tratamento no Ambulatório de Quimioterapia do Hospital Universitário Walter Cantídio.
   

A ideia de Celina surgiu após o diagnóstico do pai, quando o primeiro médico que o atendeu disse não haver tratamento. “Ele disse que não tinha mais jeito, resolvi buscar um segundo médico e encontrei o doutor Leonardo. Mesmo em estágio avançado, ele acreditou na melhora do meu pai. No dia da primeira sessão, em fevereiro de 2019, tive a ideia de comprar a camisa dele de Super-Homem", conta.   

Desde então, a cada 15 dias, Celina arruma as fantasias do pai de forma caseira. “Eu que escolho qual herói ele vai ser e ajeito tudo. Para a do Homem-Aranha, comprei uma cueca de criança do personagem e pedi para uma prima fazer a máscara”. De muito bom humor, quem gostou mesmo da brincadeira foi seu José que curioso pergunta a filha qual vai ser a próxima fantasia.  

Sob os cuidados do médico Leonardo Saraiva Pontes na unidade de saúde, o profissional conta ser muito satisfatório acompanhar seu José. “Nos surpreende essa vontade de viver que ele tem. É uma doença difícil, com muitos efeitos colaterais do tratamento, isso mostra para a gente uma lição de vida”, afirma.  

Leonardo relata ainda que a ludicidade e o bom humor de seu José contagiam o ambiente do hospital. “Quando os pacientes olham para ele dessa idade e com esse espírito, esse bom humor, o clima fica mais leve. Contagia todo mundo de forma positiva”. 

Após quase um ano do início do tratamento, o aposentado apresentou melhora expressiva do quadro da doença, mas há pouco mais de um mês teve uma recaída. Celina afirma que isso não foi motivo para o pai perder as esperanças. “Ele tem muita vontade de viver, hoje já estava perguntando ao médico quando ele ia liberar uma ‘tacinha’ de vinho”, conta aos risos.  

Trajetória 

Natural do Piauí, José fez do Ceará morada quando se casou com a esposa Maria José e teve os sete filhos, Silvana, Virgínia, Celina, Aline, Alba, Francisco e Walter. De Fortaleza, foram morar em Manaus, no Amazonas, em 1973. Lá ficou por nove anos e há 38 retornaram à capital cearense com a filha mais nova. Os demais filhos permaneceram na Região Norte, pois já adultos, estudavam e trabalhavam numa pequena gráfica deixada pelo pai.   

A morte da mãe há 11 anos e a distância do pai causou também o distanciamento dos filhos. Foi somente em 2017, com o diagnóstico da doença de seu José, que a família voltou a se reunir – mesmo que distantes fisicamente - em busca do melhor tratamento para o pai.  

“Sou a única filha que mora em Fortaleza, uma mora na França e os outros todos em Manaus, mas nós vivemos online o tempo todo na vida dele. Quase todos os dias eu vou na casa dele, quem cuida de tudo aqui sou eu, mas estamos todos juntos sempre”, diz Celina.  

Hoje, a designer de interiores se admira da força do pai. “Eu não sei onde ele encontra tanta força e esse humor. Ele sempre foi brincalhão, até hoje faz piada por tudo, tem muitos amigos. Para mim, é uma lição de vida”, declara.