Cearense ganha bolsa de estudos nos EUA e abre vaquinha para ajudar nas despesas da viagem

Por causa da pandemia de Covid-19, Mirian já está assistindo às aulas virtualmente. A previsão é que consiga resolver as questões documentais até o início de 2021

Foto Mirian
Legenda: Para conseguir viajar, a instrumentista precisa arcar com despesas extras
Foto: Arquivo pessoal

A violoncelista cearense Mirian Cruz, 18 anos, foi contemplada com uma bolsa integral para estudar música na Nicholls State University, localizada em Louisiana, nos Estados Unidos. O programa cobre as despesas de estadia e alimentação, mas os custos da viagem e da documentação necessária não estão inclusos. Por isso, a instrumentista resolveu criar uma vaquinha online com a meta de arrecadar um total de R$12 mil. Até o momento, ela acumula R$4.715. 

Mirian, que estuda música desde os 12 anos, diz que a oportunidade da bolsa partiu da indicação de um ex-professor. Essa, entretanto, não é a primeira experiência profissional de sua carreira. “Em 2017, fiquei em destaque no festival Eleazar de Carvalho, e em 2019 acabei ganhando o concurso no mesmo festival”, relata. “Eu e meus irmãos, em 2016, montamos um grupo, que é o Sexteto Irmãos. Durante esse período, nós já passamos pelo programa do Luciano Huck, pelo Se Liga. A gente já tocou em vários lugares, já tocamos com Ivete Sangalo, Jorge Vercilo, Victor e Léo”, destaca.   

Dentre as despesas que não são inclusas na bolsa estão uma caixa de proteção especial para transportar o violoncelo, a taxa SEVIS (Student and Exchange Visitor Information System), o visto, as passagens de Fortaleza para Recife para emitir o documento e a passagem de avião para os Estados Unidos. Além da vaquinha, ela conta com a ajuda dos amigos em rifas de arrecadação. 

Por causa da pandemia de Covid-19, Mirian já está assistindo às aulas virtualmente. A previsão é que consiga resolver as questões documentais no início de 2021. “Era pra eu ter ido em agosto, mas como a Embaixada Americana não abriu ainda, eu tenho que esperar até janeiro para autorizar. Eu acho que é até bom porque dá mais tempo para eu conseguir a quantia”, afirma. 

O curso terá duração de seis anos, sendo os dois primeiros compostos por aulas de inglês. “Eu vou primeiro para o conservatório, onde eu vou estar estudando inglês por dois anos. Assim que acabar esse conservatório, eu tenho que fazer outra prova para testar meu inglês para entrar no bacharelado”, explica Mirian. 

Assim como ela e os irmãos, toda a família da violoncelista está inserida na música, incluindo a cantora da banda Cavalo de Pau, Francilene Mendes, que é tia de Mirian. Por isso, ela conta que os pais a apoiam, mesmo sabendo da distância. “Desde meus bisavós, começou tudo lá atrás. Todos consideram a música como da família. Em relação a viagem, eles ficaram tão felizes quanto eu, me deram forças pra acreditar em mim. Sempre fomos muito apegados, então acho que eles estão bem tristes por ser tão longe, mas sabem que será melhor pra mim”, reflete. 

Mirian reforça que esse sempre foi seu grande sonho e que não vê a hora de começar a vivê-lo. “Eu estou muito animada, muito feliz, porque é uma coisa que eu sempre quis. É uma coisa muito mágica. Tenho certeza que qualquer pessoa tem a vontade de ir para fora, de conhecer, de experimentar culturas novas. Para mim, está sendo uma coisa surreal. Eu ainda não acredito, só vou acreditar quando eu estiver lá”. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos do Dias Melhores