Reino Unido e líderes mundiais homenageiam memória de Príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II

A dois meses de completar 100 anos, o duque de Edimburgo morreu "pacificamente" no Castelo de Windsor

Príncipe Philip
Legenda: As televisões inglesas suspenderam sua programação normal para consagrar especiais sobre o príncipe
Foto: Adrian Dennis/Pool/AFP

Salvas de canhão saudaram neste sábado (10) a memória do príncipe Philip em todo o Reino Unido, um dia depois da morte do marido da rainha Elizabeth II. A dois meses de completar 100 anos, o duque de Edimburgo faleceu"pacificamente" no Castelo de Windsor, oeste de Londres, nesta sexta-feira (9). 

Mensagem do Papa Francisco 

O Papa Francisco enviou uma mensagem de pêsames neste sábado (10) à rainha Elizabeth II pela morte de seu esposo, ressaltando sua dedicação "ao casamento e à família". 

"Para você e principalmente para todos os que choram a morte na esperança certa da Ressurreição, invoco as bênçãos do Senhor de consolo e paz”, acrescentou Francisco à Elizabeth II. 

Repercussão nos veículos de comunicação 

O príncipe Philip foi o "servidor mais leal" do país, segundo o jornal conservador The Telegraph, e um "duque indomável", de acordo com o tabloide Daily Express. 

As televisões suspenderam sua programação normal para consagrar especiais sobre o príncipe, e seus filhos compartilharam memórias em um programa especial divulgado pela BBC. 

Monarquias expressam seus sentimentos 

Uma das primeiras monarquias a reagir foi a belga. "A morte de sua Alteza Real, o príncipe Philip, Duque de Edimburgo, nos entristece profundamente", comunicaram o rei Philip e sua esposa, Mathilde, que estenderam seus pêsames a toda família real e ao povo britânico. 

O rei Haroldo V da Noruega, de 84 anos, também transmitiu seus sentimentos à Família Real Britânica e ordenou que a bandeira nacional ficasse a meio pau no Palácio Real, em Oslo. 

Na Suécia, o rei Carlos XVI Gustavo lembrou que Philip foi, "durante muitos anos, um grande amigo da nossa família, uma relação que apreciamos profundamente".  

"Sua animada personalidade sempre deixou uma impressão inesquecível", recordaram o rei da Holanda, Willem-Alexander, e sua esposa, a rainha Máxima. 

Os reis da Espanha, Felipe e Letizia, enviaram uma mensagem particularmente carinhosa à rainha Elizabeth II. "Querida tia Lilibet, sentimos uma tristeza profunda ao receber a notícia da morte de nosso querido tio Philip", escreveram. 

Representantes presidenciais 

"Ele viveu uma vida exemplar caracterizada pela coragem, pelo sentido do dever e pelo compromisso com a juventude e o meio ambiente", escreveu o presidente francês Emmanuel Macron em um tuíte em inglês. 

A chanceler alemã, Angela Merkel, expressou sua "grande tristeza" pela morte do príncipe, segundo uma porta-voz do governo alemão. "Sua amizade pela Alemanha, sua franqueza e senso de dever são inesquecíveis", tuitou Ulrike Demmer, em nome de Merkel. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lembrou-se do falecido príncipe Philip nesta sexta-feira como um servo dedicado ao Reino Unido e seu povo. "Ele era um grande homem", disse Biden, elogiando os serviços que o príncipe prestou ao Reino Unido e à Commonwealth, e relembrando sua "bravura" na Segunda Guerra Mundial. 

O presidente russo, Vladimir Putin, desejou à rainha Elizabeth II "coragem e força mental diante desta perda dolorosa e irreparável". 

A presidente grega Katerina Skallaropoulou lembrou em um tuíte que Philip nasceu em Corfu. A mensagem, ilustrada com uma foto de Philip criança vestido com um traje típico grego, relembrou que o duque "serviu ao seu país durante décadas". 

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, que está na África, informou à imprensa que os reis Felipe e Leticia enviaram sua mensagem de condolências para a Casa Real britânica. 

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, também transmitiu seus pêsames. 

Na América Latina, um dos primeiros a reagir foi o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador. "Meus pêsames aos familiares, amigos e ao Reino Unido pela morte do príncipe Philip", desejou. 

Em Cuba, o chanceler Bruno Rodríguez também comunicou suas "muito sentidas condolências à Sua Majestade Elizabeth II, Sua Alteza o príncipe Charles, à família real e ao povo e governo britânicos". 

Do Brasil, o Itamaraty afirmou em nota que “o governo e o povo brasileiros se solidarizam com a rainha Elizabeth II, sua família e o povo do Reino Unido neste momento de luto”. 

Futuro da família real britânica 

A monarca Rainha Elizabeth II, que completará 95 anos em 21 de abril, deve enfrentar sozinha a crise que atinge a família real britânica, que ocorre em meio às recentes críticas de seu neto Harry e a esposa dele Meghan contra "A Firma", o apelido da monarquia, acusada de racismo e falta de apoio. 

Agora resta saber se o casal, que vive na Califórnia, comparecerá aos funerais do avô, cujo formato será reduzido devido à pandemia. A sociedade real College of Arms, encarregada do protocolo, afirmou que não será um funeral de Estado e que seu caixão não será exposto ao público. 

Seu corpo repousará no Castelo de Windsor até os funerais, "conforme o costume e os desejos de sua Alteza Real", informou a organização. O Palácio de Buckingham declarou na sexta-feira que a rainha "examina" a organização do funeral. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo