Guaramiranga: como está a cidade que vacinou 100% da população contra Covid-19 com D1 há 4 meses

O município foi primeiro do Ceará a aplicar ao menos uma dose em toda a população adulta. Desde junho, é monitorado pela Sesa para medir a efetividade

guaramiranga
Legenda: Até o dia 27 de junho, Guaramiranga aplicou a D1 em 4.607 residentes da cidade, o que totalizou 100% dos adultos cadastrados à época
Foto: Fernanda Ayres

Há 4 meses, a cidade de Guaramiranga, no Maciço de Baturité, no Ceará, atingiu um índice relevante no combate à pandemia de Covid-19: aplicou a primeira dose da vacina em 100% da população adulta cadastrada. Foi o primeiro município do Ceará a alcançar o feito. Desde então, a cidade é monitorada pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Passado esse tempo, qual a situação da pandemia no município?

Até o dia 27 de junho, Guaramiranga aplicou a primeira dose do imunizante contra a Covid em 4.607 residentes da cidade, o que totalizou 100% dos adultos cadastrados, à época, para receber o imunizante.

Naquele momento, os adolescentes entre 12 e 17 anos ainda não estavam sendo imunizados no Brasil. Esse público começou a ser vacinado na cidade no dia 27 de agosto.

 

Conforme o vacinômetro da Prefeitura de Guaramiranga, até este sábado (30), foram aplicadas 5.650 primeiras doses. Um quantitativo de 1.043 doses a mais do que quando atingiu a marca de 100% dos adultos vacinados.

A secretária de Saúde de Guaramiranga, Silvana Soares, diz que essa quantidade inclui, além dos adultos cuja aplicação ocorreu até o final de junho, também os adolescentes, os novos residentes da cidade e as pessoas que têm segunda residência e se cadastram no Saúde Digital para se vacinar no município. 

Desde o dia 27 de junho, com 100% da população adulta com a primeira dose, foram registradas, conforme boletins epidemiológicos divulgados pela gestão municipal nas redes sociais e dados do vacinômetro do site da Prefeitura, coletados até este sábado (30), 29 novas confirmações de casos de Covid, e nenhum óbito

Residentes testados na vacinação

A maioria das confirmações, diz Silvana, foi em pessoas que tomaram a primeira dose, mas todos estavam assintomáticos. Os casos foram descobertos, ressalta a gestora, porque toda população que está tomando a segunda dose é testada antes e depois da aplicação. 

“Nós estamos testando praticamente todos os dias porque quando vamos aplicar a segunda dose nessas pessoas, temos que testar, fazer a coleta do exame de sangue para saber a resposta imune e fazer o RT-PCR para saber se a pessoa está positiva. Então, esses casos que a gente detectou foram em pessoas totalmente assintomáticas, que foram tomar a segunda dose e foram testadas”. 
Silvana Soares
Secretária de Saúde de Guaramiranga

Confira o cenário epidemiológico: 

  • Último óbito: ocorreu no dia 17 de junho
  • Quantidade total de mortes por Covid: 5
  • Quantidade de mortes confirmadas após 100% da população adulta tomar D1: 0
  • Último caso de Covid registrado: ocorreu no dia 20 de setembro
  • Total de casos de Covid confirmados: 804
  • Quantidade de casos cujo registro ocorreu após 100% da população adulta tomar D1: 35 casos

Necessidade da segunda dose

Na imunização contra a Covid, as farmacêuticas produtoras das vacinas contra a Covid em uso no Brasil, ao testarem os produtos, asseguraram que os resultados de eficácia se dão com as duas doses de cada imunizante. Em Guaramiranga não foi aplicada a vacina de dose única - Janssen. 

Portanto, para garantir a correta imunização é preciso seguir a recomendação e ter o esquema vacinal completo com as duas doses. Quem toma apenas uma está parcialmente protegido e, caso não tome a segunda no prazo correto, reduz a capacidade de induzir uma resposta do sistema imune do organismo contra  o vírus.

Conforme a Sociedade Brasileira de Imunizações, estima-se que o potencial completo da vacina contra a Covid seja atingido em cerca de duas semanas após as duas doses no caso dos imunizantes que são multidoses.  

No dia 13 de julho, a gestão municipal e a Sesa iniciaram em Guaramiranga a análise da efetividade da vacina que, dentre outros, monitora se no pós-vacina ocorrem casos e óbitos.

A Sesa, explica a secretária da saúde de Guaramiranga, Silvana, tem acompanhado a situação e o “os dados estão sendo coletados para análise”.

O estudo, conforme divulgado anteriormente, deve se estender por, pelo menos, um ano. 

Dentre os metas secundárias do estudo estão: 

  • Investigar a soroprevalência de anticorpos IgG e anticorpos neutralizantes anti-SARS-CoV-2 na população de Guaramiranga e acompanhar a soroconversão pós vacinal em uma subamostra do estudo.
  • Conhecer a distribuição da soroprevalência de IgG/neutralizantes anti-SARS-CoV-2, segundo características individuais e socioeconômicas.
  • Estimar o tempo de duração da presença de anticorpos e da resposta imune celular contra o SARS-CoV-2; 
  • Avaliar a efetividade de 1 dose da vacina para proteger contra Covid 19, pelos diferentes imunobiológicos aplicados;
  • Avaliar a efetividade das vacinas, após a vacinação completa (2 semanas após a dose 2) para as diferentes vacinas aplicadas;
  • Observar a ocorrência de casos e óbitos por Covid-19 em indivíduos previamente vacinados. 
Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará