Aeris Energy: lucro líquido cresce 27% em 2020, aponta balanço

No ano passado, a fabricante de pás eólicas investiu cerca de R$ 300 milhões

Legenda: A previsão é que a empresa inaugure o empreendimento ainda no segundo semestre deste ano
Foto: Divulgação

A fabricante de pás eólicas Aeris Energy, última empresa cearense a ingressar na Bolsa de Valores, apresentou um lucro líquido de R$ 113 milhões em 2020, o que representou um incremento de 27,6% em relação ao resultado de 2019. Líder na fabricação de pás eólicas no Brasil, e uma das maiores produtoras do mercado mundial, a Aeris, sediada em Caucaia, fez seu IPO (oferta pública inicial, na sigla em inglês) em 10 de novembro de 2020.

O resultado referente ao quarto trimestre de 2020 foi divulgado na terça-feira (9). E, segundo a companhia, os investimentos da empresa somaram cerca de R$ 300 milhões no ano passado. O montante foi destinado à expansão da produção, incluindo a aquisição da Planta Pecém II, que já opera a plena capacidade, e à preparação da empresa para atender aos volumes de pedidos já contratados para 2021 e 2022.

Segundo declarou Bruno Lolli, diretor de Relações com Investidores, a empresa já realizou mais de 60% dos investimentos previstos para 2020 e 2021 e aumentou os estoques para mitigar os efeitos de eventuais lockdowns nos mercados interno e externo. “A expectativa é manter o mix nacional e internacional em 2021, com 70% da produção destinada ao mercado interno”, disse durante a teleconferência de resultados da companhia nesta quarta (10). 

Produção

Ao longo de 2020, a Aeris Energy produziu pás suficientes para equipar aerogeradores que totalizam 3,5 GW de potência, dos quais 2 GW foram e ainda serão destinados a parques eólicos instalados no Brasil.

“Foi um ano desafiador em razão da pandemia de Covid-19, mas conseguimos encontrar boas oportunidades para a Aeris. E seguimos muito entusiasmados com toda a perspectiva favorável para o setor de energias renováveis, em especial, a energia eólica”, declarou Alexandre Negrão, CEO da Aeris. “O crescimento do mercado de energia livre no Brasil - que tem demandado cada vez mais a construção de usinas eólicas no mercado interno-, pode nos favorecer”.

Já a receita líquida mais que dobrou em 2020, totalizando em R$ 2,2 bilhões. No ano, as exportações representaram 35% da receita líquida, e houve a inclusão de novos mercados na América Latina e Austrália. Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou em mais de 45% na comparação anual, atingindo R$ 243 milhões no ano passado.

Quanto ao ciclo dos próximos 10 anos, Alexandre Negrão disse, durante a teleconferência, que a perspectiva é de que sejam instalados de 3 a 4 gigawatts (GW). “A Aeris está bem posicionada para capturar esse ganho”, disse. Sobre os possíveis incentivos a energias renováveis pelo novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, Negrão acredita que essas políticas não deverão impactar a empresa no curto prazo, podendo gerar algum aumento na demanda em 2022 e 2023. 

Quarto trimestre

Considerando apenas o quarto trimestre de 2020, a Aeris registrou lucro líquido de R$ 15,629 milhões, queda de 61,2% em relação ao observado em igual período de 2019. O Ebitda caiu 33,8% em base anual de comparação com o quarto trimestre de 2019, para R$ 45,475 milhões. Já a receita líquida do quarto trimestre foi de R$ 749,9 milhões, representando alta de 6,2% em relação à observada no final de 2019.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios