Projeto vende bonecas de pano e doa valor arrecadado para lar de crianças com câncer

Em funcionamento há 4 meses, Projeto Dorotéias já vendeu cerca de 80 bonecas e converteu o dinheiro para a Associação Comunitária Lucas Dantas (ACOLD)

Legenda: Alguns compradores das bonecas doam para que as próprias crianças possam receber; cartinhas são escritas como agradecimento pela doação
Foto: Arquivo pessoal

Esperança em forma de boneca de pano. Crianças diagnosticadas com câncer no Ceará, acolhidas pela Associação Comunitária Lucas Dantas (ACOLD), são beneficiadas com doações através da venda dos produtos. A iniciativa é do Projeto Dorotéias, que em quatro meses de funcionamento já conseguiu vender 80 bonecas e repassar R$ 2,5 mil.

A ideia partiu de Edvane Bento, organizadora da ação, após perder uma amiga para o câncer. Iniciou a produção das bonecas para vender e destinar o dinheiro arrecadado para entidade com atuação na área. O desejo é ampliar a quantidade de locais beneficiados a partir do crescimento do projeto.

Atualmente, conta com a parceria da artesã Márcia Milena, responsável por confeccionar as bonecas, e Suyane Colares, que elabora as artes e a identidade visual. 

“Eu tenho um custo para produzir as bonecas, então eu tiro somente esse custo e todo o restante do dinheiro é repassado para a instituição”, explica Edvane.

Legenda: Sem cabelos, mas vestidas como mulher-maravilha, as bonecas de pano buscam simbolizar força e resistência em meio a batalha contra o câncer
Foto: Projeto Dorotéias

A idealizadora visitou algumas casas de apoio antes de optar por contribuir com a ACOLD. Para ela, o diferencial do local é o fato de abrigar não somente a criança, como também a mãe e até mesmo o pai. “É um momento muito doloroso. E ter os pais para dar apoio à criança é importante”, aponta. 

O local funciona principalmente a partir de doações e, durante a pandemia, foi afetado com a redução das contribuições. Nesse cenário, o Projeto Dorotéias busca contribuir para manter o lar e garantir o serviço essencial para famílias que se deslocam do interior para a Capital, sem ter condições de manter um local próprio. 

“Eu vejo o quão edificador é para quem ajuda e para quem recebe. Fazer isso por uma criança. Você vê o sorriso inocente, nada paga. Ver no brilho dos pais, afaga”, pontua.

Cartinhas

Após o início do projeto, Edvane começou a receber pedidos de pessoas que, apesar de comprarem a boneca, optaram por realizar a doação para as próprias crianças com câncer. Por conta disso, decidiu acolher o gesto do doador e lhe dar um retorno simbólico. “Foi quando tivemos a ideia das cartinhas”, aponta.

Ao fazer a doação de uma boneca, Edvane também leva um papel para que a criança possa pintar a boneca e escrever uma pequena carta em agradecimento ao doador. “O que eu busco passar para as pessoas é que elas não estão comprando uma boneca, estão ajudando uma causa”, finaliza a idealizadora. 

Legenda: Para agradecer a doação das bonecas, as crianças escrevem cartinhas e realizam uma pintura com a imagem de uma mulher maravilha sem cabelo.
Foto: Projeto Dorotéias

Ajuda

A pequena Maria Eduarda, hoje com 3 anos, foi uma das crianças que recebeu a boneca a partir de doação. Para e mãe de Maria, Ziulene Xavier do Nascimento, 27 anos, o momento foi marcado por felicidade, principalmente pelo fato da boneca não ter cabelo. Segundo a familiar, isso ajudou a criança a compreender melhor a doença e o momento em que está vivendo, aponta a mãe. “Já ajuda mais ela e a gente também. Dá força”, acrescenta. 

“Trouxeram a boneca e um desenho para pintar. Ela ficou muito feliz, porque ela gosta de pintar, mas da boneca ela gostou tanto que até hoje brinca com ela”, diz a mãe. 

A agircultora descobriu o câncer de sua filha em novembro do ano passado. “Fiquei abalada, sem sentir os pés no chão”, compartilha. Moradora de um sítio em Brejo Santo, há pouco mais de 500 km de Fortaleza, precisou se mudar com a filha para a capital, a fim de poder realizar o tratamento. 

Sem ter onde se hospedar, foi acolhida pela Associação Comunitária Lucas Dantas (ACOLD), permanecendo até agosto, antes de retornar ao lar. “É uma casa muito boa. Acolheu bem a gente, tanto a mim, quanto ao pai dela. Só tenho a agradecer pelas pessoas de lá”, aponta. Foi durante essa temporada que a filha recebeu uma das Dorotéias. 

Serviço
Para contribuir com o projeto e comprar uma das bonecas de pano é possível entrar em contato através do Instagram @projetodoroteias, ou pelo telefone (85) 987640114.

Quero receber conteúdos exclusivos do Dias Melhores