Espaço Cultural Unifor promove duas exposições para celebrar 50 anos da Fundação Edson Queiroz

Juntas, “50 Duetos” e "Águas de Março" reúnem 150 obras, que estarão disponíveis para visitação virtual nas próximas duas semanas

Esta é uma imagem de Obra
Legenda: Obra "Duas amigas", de Lasar Segall, compõe mostra "50 Duetos"
Foto: Reprodução

Obras de diferentes artistas, períodos e técnicas se conectam na mostra “50 Duetos”, com curadoria de Denise Mattar que entra em cartaz na próxima terça-feira (23) no Espaço Cultural Unifor para celebrar os 50 anos da Fundação Edson Queiroz. Também integra a programação comemorativa a individual “Águas de Março”, do cearense Sérgio Helle, prevista para o dia 30. 

"50 Duetos" é constituída de 100 obras que formam pares ao longo da mostra de forma lúdica e reflexiva. A apreciação artística pode ser realizada por meio do celular a partir do YouTube, Instagram e Facebook. 

As conexões poderão ser estabelecidas por paralelismos visuais, afinidades temáticas e eletivas - ou até mesmo pela oposição entre as obras. A ideia é ampliar o caminho do público para novas percepções e instigá-lo à reflexão. 

A exposição é composta por obras de distintos artistas, períodos e técnicas, revelando a essência da criação e trazendo questões subjacentes aos temas, de diferentes ordens. Em “50 Duetos” é possível ainda vivenciar experiências sensoriais despertadas por áudios, vídeos e músicas que complementam as referências dos visitantes.

Durante o passeio pela mostra, o público poderá ouvir, por exemplo, o depoimento do artista plástico paraibano João Câmara sobre “Langueur do Outono/O tango em Maracorday” (1989). A obra faz dueto com “Figuras femininas” (circa 1900), de Belmiro Barbosa de Almeida.

“50 Duetos” também conecta o imaginário artístico cearense. As jangadas de “Secando a Vela” (1926) do óleo sobre tela de Vicente Leite são atualizadas na série “Mucuripe” (1952-2011), do fotógrafo Chico Albuquerque. O também cearense Sérvulo Esmeraldo está em dois duetos. 

Ao lado do argentino Carmelo Arden Quin, a conexão se estabelece a partir da geometria que permeia as obras de ambos. Já no dueto com Abraham Palatnik, o trabalho de Esmeraldo busca romper a condição estática da pintura e da escultura, com a arte cinética

A mostra “50 Duetos” rompe com estereótipos dos museus e apresenta uma versão mais contemporânea da apreciação artística. Para isso, a exposição amplia o alcance da mostra por meio dos QR Codes, pelos quais o público pode acessar vídeos dos artistas comentando as obras e as conexões entre os duetos. 

Águas de Março

Junto com as chuvas de março e com a mostra “50 Duetos”, também chega a exposição “Águas de Março”, do cearense Sérgio Helle. A curadoria é de Izabel Gurgel. Os ciclos de vida-morte-vida da natureza do artista ganham espaço no Espaço Cultural Unifor no próximo dia 30, com as séries “Resurgentis” e “Paradisus”, que também compõem a exposição. 

Esta é uma imagem de Sérgio Helle
Legenda: Sérgio Helle apresenta exposição "Águas de Março" no Espaço Cultural Unifor
Foto: Divulgação

Sem grandes pinceladas, poucas cores e com imagens realistas, quase fotográficas, Helle desenvolveu “Resurgentis” na pandemia. O trabalho apresenta uma série de infogravuras, que representam a vida brotando de um cenário de destruição. 

“Paradisus” foi construída a partir do hábito do cearense de guardar cascas, troncos de árvores, folhas, flores e sementes. Foi a folha seca de Torém que atraiu seu olhar e cuja arquitetura de dobras sobre si mesma disparou a série.

Ao todo, as duas séries contam com 50 obras do artista.

Serviço

50 Duetos

23 de março, a partir das 19h, no YouTube, Facebook e Instagram da Universidade de Fortaleza. Gratuito.

Águas de Março

30 de março,  a partir das 19h, no YouTube, Facebook e Instagram da Universidade de Fortaleza. Gratuito.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?