Ensaios de família: fotógrafas partilham vivências além dos cliques

Da gestação aos aniversários, profissionais participam de diferentes fases dos fotografados

mãe e filha
Legenda: A cumplicidade entre mãe e filha pelos olhos da "tia Bea"
Foto: Bea Saboia

Se você já contou com o mesmo fotógrafo para registrar momentos importantes da vida, vai se identificar com algumas histórias trazidas aqui. É que tem uma hora que o profissional da imagem começa mesmo a fazer parte da família, sendo convidado para todas as ocasiões especiais. Com a câmera em mãos, ele testemunha e contribui com processos que vão além das sessões de fotos, e não tem cultura de selfie ou de likes que substitua isso.

Que o diga Beatriz Saboia, ou melhor, a “tia Bea”, de 35 anos, treze deles dedicados a esse ramo.

“Fotografar famílias me preparou para ter a minha própria. Mostrar para uma família que a vida dela é linda do jeitinho que ela é, é a minha missão como fotógrafa, como pessoa”, identifica.
Beatriz Saboia
Fotógrafa

família
Foto: Bea Saboia

Tudo começou quando ela foi visitar os bebês gêmeos de uma prima e lá sentiu o “amor ao primeiro clique”. “Achei tudo muito espontâneo, puro e feliz. Queria sentir mais vezes aquilo e comecei a fotografar os filhos de algumas amigas”, conta.

Com o tempo, Bea se especializou na área, e passou a ser procurada pelas famílias antes mesmo da gestação. De acordo com a fotógrafa, muita gente entra em contato quando o baby é apenas um sonho e tudo ganha outras cores com a confirmação da gravidez.

“A experiência é toda bem delicada e precisa de uma certa intimidade, ali já criamos um laço maravilhoso. As pessoas me recebem em suas casas para registrar o que eles têm de mais precioso nessa vida. É algo muito envolvente e a relação que se desenvolve a partir dali”, relata.
Beatriz Saboia
Fotógrafa

bebê
Foto: Bea Saboia

A maternidade, segundo entende a profissional, pode ser algo bem corrido, confuso e as fotos servem de pausa, de respiro para apreciar a beleza de cada fase, cada conquista.

bebê se alimentando
Foto: Bea Saboia

Focada em registros espontâneos, Bea costuma participar de todo o primeiro aninho da vida do neném. Fotos no quartinho, no berço, engatinhando pela casa e na praia costumam integrar este acervo, que dificilmente tem um fim.

“É um real privilégio poder acompanhar os primeiros passos de uma pessoa! Como uma coisa leva a outra, batizados e aniversários também são meu carro forte”, explica.

Fotógrafa, madrinha e confidente

Em uma dessas ocasiões, a fotógrafa Rosângela Nobre, 50 anos, foi convidada para ser madrinha da filha de uma cliente. Após fazer o acompanhamento de algumas fases da criança, a mãe considerou a relação estabelecida tão forte que afirmou não existir dinda melhor para a própria filha. 

Hoje com 8 anos, a pequena Nina Flor continua sendo registrada por Rosângela, que, vez ou outra, também aparece do outro lado das câmeras.

Legenda: Nina Flor pelos olhos da dinda
Foto: Rosângela Nobre
Legenda: Batismo de Nina Flor
Foto: Sândalo Costa

No mercado fotográfico desde 1995, Rosângela, assim como Bea, se encantou pelos ensaios familiares registrando bebês. Mas, no caso dela, o trabalho é todo realizado em estúdio.

“Sou apaixonada por eles, sempre amei fotografá-los, aí sabe como é, bebê chama mamãe, que chama papai, vovó, dindos, e assim foi que resolvi ser fotógrafa de família”, contextualiza.
Rosângela Nobre
Fotógrafa

Dessa relação, ela destaca muito carinho, respeito, amizade e confiança. Inclusive porque, ao longo da trajetória, também precisou ser suporte em momentos delicados. 

James e Karina
Legenda: James e Karina esperam Ana Vitória
Foto: Rosângela Nobre

Já viu casais passarem por perdas na gravidez e ressignificarem o luto a partir de uma nova gestação, como foi o caso de Karina e James, que hoje aguardam a Ana Vitória. E, há pouco mais de um ano, também presenciou a partida de uma mãe pela Covid-19.

“Eu comecei a fazer as fotos da família da Roseanne quando o primeiro filho dela, o João Neto, tinha um ano. Ela era louca pra ter uma menina e vivia me dizendo que, quando tivesse, faria foto comigo. Ficou grávida, teve a bebê, mas depois, infelizmente, faleceu. Este ano, a Catarina completou um ano e eu fiz questão de fazer o ensaio para honrar o compromisso com a mãe”, partilha emocionada.

Legenda: Registros da família de Roseanne (in memorian). Nas fotos, com o esposo Otávio e os filhos João Neto e Catarina
Foto: Rosângela Nobre

É por esta dedicação à memória de quem a procura, que a fotógrafa coleciona muito mais que instantes. Ao vasculhar nos HDs e álbuns físicos, os quais ela não abre mão de ofertar, é capaz de contar histórias de mais de uma geração.

“A Isabel, por exemplo, é uma moça que eu comecei a fotografar criança e agora já vou fazer os 5 anos da filhinha dela! Estou velha!”, brinca, com a câmera pronta para mais um ensaio familiar que ainda deve ser lembrado por muitas décadas.

Legenda: Registros de Isabel, da infância à maternidade
Foto: Rosângela Nobre

Serviço

Beatriz Saboia: @beasaboia 
Rosângela Nobre: @rosangelanobrefotografia

 

 
Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?