Encontro de Karim Aïnouz com suas raízes no filme O Marinheiro das Montanhas encerra 31º Cine Ceará

Filmado durante a primeira ida do cineasta cearense à Argélia, país em que seu pai nasceu, longa-metragem é um tocante mergulho na reconstrução da memória e dos afetos

Iracema, mãe de Karim Aïnouz
Legenda: Iracema, mãe de Karim Aïnouz

Os destinos à mercê do coração nem sempre são fáceis de trilhar. Oposto à idealização dos contos de fadas, é o desencontro quem teima em marcar inúmeras relações amorosas. Algumas histórias de vida podem ser geradas em meio a incertezas. 

Novo filme de Karim Aïnouz, "O Marinheiro das Montanhas", parte de uma delicada vivência no passado familiar do diretor cearense. Após aplaudida estreia em Cannes, o documentário encerra o 31º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, com exibição hors concours.

Em 2019, Aïnouz atravessou o mar de Marselha até a Argélia. Partiu na missão de desbravar o lugar natal do pai, o engenheiro Majid, a quem conheceu apenas aos 18 anos. Sua mãe, a bióloga marinha Iracema, conheceu o argelino nos anos 1960, durante viagem de estudos aos Estados Unidos.

Grávida, Iracema retornou ao Brasil. Majid voltou a Argel. O reencontro jamais aconteceu. E o longa-metragem que percorre estas memórias é feito como uma espécie de longa carta destinada à mãe, morta em 2015. Um diário de viagem capaz de aproximar universos tão distantes.

Perder-se no caminho

Majid esteve na guerra de independência da Argélia. E o contexto político e social desta nação permeia boa parte das observações do filho viajante. Nessa jornada pessoal, Aïnouz reúne imagens oníricas e contemplativas para atravessar presente e passado.  

A comovente narração do próprio diretor nos situa naquele universo desconhecido. Generoso, o realizador divide seus estranhamentos e descobertas. Seu olhar adentra de quartos de hotel à realidade noturna das ruas de Argel. Mesmo sendo um mergulho particular, não estamos apartados de suas observações ao longo do caminho. 

O contraste do mar de Fortaleza com as rochas de Tagmut Azuz
Legenda: O contraste do mar de Fortaleza com as rochas de Tagmut Azuz

Cores, sons, saudades, cheiros e mistérios envolvem esta busca. Estamos diante de um protagonista disposto a dialogar com os costumes daquele lugar. Em determinado momento, Aïnouz se perde na cidade. O que para muitos turistas seria desconforto, para o autor representa uma ferramenta valiosa de compreensão daquela realidade. 

Sempre com a câmera à mão, o cineasta registra uma série de ricos personagens. Quando questionado das suas intenções com o equipamento, o brasileiro explicava ser jornalista. E da arte do encontro, o realizador vai montando este quebra cabeça tão particular.

Memórias 

Desde o curta-metragem "Seams" (1993), Aïnouz percorre temas cravados em sua própria família. Disposto de registros da viagem, filmagens caseiras, arquivos históricos e trechos de super-8, "O Marinheiro das Montanhas" percorre as minúcias de uma história de amor separada por dois mundos.

Respiramos a Guerra de Independência Argelina, memórias de infância e os contrastes entre Cabília (região montanhosa no norte da Argelia) e a capital cearense. É um registro delicado e corajoso de uma história nascida do amor. 

Reflexões pontuais acerca do passado e do presente da Argélia
Legenda: Reflexões pontuais acerca do passado e do presente da Argélia

Viajar à Argélia tornou-se uma jornada emocionante e com duplo resultado. Além de "O Marinheiro das Montanhas", a saga pela Argélia rendeu o documentário “Nardjes A", que estreou no ano passado em Berlim.

Serviço

CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO DO 31º CINE CEARÁ
Cineteatro São Luiz
19h30 

EXIBIÇÃO ESPECIAL
O Marinheiro das Montanhas
Documentário, Karim Aïnouz, 98'. Brasil. 2021
Classificação indicativa: 14 anos

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?

Assuntos Relacionados