Em homenagem a Belchior, Sarau Alucinação reúne poetas e artistas cearenses em diferentes Estados

Primeira edição do evento acontece neste sábado (25), no Rio de Janeiro; próxima parada será em Fortaleza

Legenda: A cantora e compositora Lucinha Menezes é uma das participantes do evento
Foto: Léo Aversa
Faz 45 anos que o álbum “Alucinação” vestiu a pele do tempo e entrou para a História. Um dos maiores clássicos do cancioneiro nacional, o disco de Belchior (1946-2017) conquistou uma legião de admiradores e até hoje ressoa por entre acalorados corações. A concretude do que exclama em alta voz reside no presente com ar superior, consolidado por versos como “Mesmo vivendo assim, não me esqueci de amar”, “O passado é uma roupa que não nos serve mais” e “Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro”. Fôlego. Presença.
 
Em sintonia com essa atmosfera, uma iniciativa conterrânea do rapaz latino-americano surge como possibilidade de estender ainda mais o raio de alcance do panorama. A proposta do Sarau Alucinação é reunir poetas e artistas cearenses em outros Estados, no intuito de difundir e promover um intercâmbio com personalidades dessas demais praças. A primeira edição do evento acontece neste sábado (25), no Rio de Janeiro.
 
Participam dessa estreia da ação 10 nomes: o escritor, crítico de cinema e engenheiro Caio Girão; o poeta e físico Francisco Bento Lustosa; as escritoras e poetas Geísa Salgueiro e Íris Cavalcante; a cantora e compositora Lucinha Menezes; o poeta, roteirista e ator Mano Melo; o músico, violonista e compositor Marcelo Melo; o escritor, diplomata, letrista, compositor e poeta Márcio Catunda; a poeta, advogada, psicanalista e compositora Alana Girão; e a produtora cultural, poeta e curadora literária Marta Pinheiro.
 
Estas duas últimas foram as idealizadoras da empreitada. Ao Verso, Marta conta que tudo surgiu a partir de Alana Girão, que estava com passagens compradas para o Rio de Janeiro e pensou em realizar um evento por lá – antes disso, inclusive, já havia feito contato com alguns artistas cearenses residentes na capital fluminense. “Nos encontramos em um evento que eu estava produzindo e ela me convidou para vir ao Rio fazer parte do projeto. A partir daí, pensamos nome, conceito, ações e tudo foi ganhando forma”, situa.
 
A escolha do título do sarau nasceu exatamente em alusão ao segundo álbum do cantor e compositor sobralense. Uma forma de homenageá-lo por ter levado a poesia e a música do Ceará aos quatro cantos do mundo. “Alana pensava na edição Rio, e eu sugeri que essa fosse apenas a primeira de outras edições, fazendo com que o projeto se transformasse em um sarau interestadual”, explica a poeta. 
 
Dito e feito: a próxima parada do evento é Fortaleza, em outubro – mês do aniversário de Belchior. Também haverá uma edição em Sobral, cidade-natal do emblemático artista. Não há nada que impeça a repetição dos participantes desta primeira vez nas próximas realizações, mas a organização pretende inserir novas figuras ao projeto. “Estávamos todos vacinados e sedentos por arte, poesia e pela possibilidade desse reencontro feliz, o que acabou se tornando uma força motriz. Os bons ventos pareciam soprar a nosso favor”, festeja Pinheiro.
 
Legenda: A poeta Íris Cavalcante, finalista do Prêmio Jabuti, também integra a primeira edição do Sarau Alucinação
Foto: Divulgação

Tantas conexões

As linguagens principais do sarau serão música, poesia e um pouco de teatro. Os poemas terão tema livre – alguns, vale ressaltar, são inéditos e foram criados especialmente para a ocasião. No repertório musical, estão Belchior, Pessoal do Ceará e trabalhos autorais, além de composições de poetas e músicos cariocas. 
 
O ponto de culminância do encontro será a publicação de um livro de poesias, a ser escrito por cinco participantes do evento: Alana Girão, Íris Cavalcante, Márcio Catunda, Marta Pinheiro e Mano Melo. De acordo com Marta, esse é um movimento natural, uma vez que, quando muitos artistas se reúnem, é certo nascer uma obra ou minimamente uma parceria, cumprindo o objetivo do projeto. 
 
“Temos plena consciência de que a pandemia ainda não acabou e, por esse motivo escolhemos, um local aberto e arejado para a ação acontecer. Também orientamos que cada participante utilize máscara durante o momento, de modo a diminuir as chances de contágio pela Covid-19. Saliento que todos os integrantes foram vacinados”.
Marta Pinheiro
Produtora cultural, poeta e curadora literária
 
A produtora cultural é fã de Belchior desde muito jovem. Ela produziu os eventos do Projeto Belchior Sete Zero com o também produtor Rogers Tabosa, a convite do escritor Ricardo Kelmer – idealizador da empreitada em questão. Participaram dessa ação aproximadamente 30 artistas, entre escritores, músicos, dramaturgos e produtores. “Foi um mês de festa. O projeto contava com apresentações musicais, um monólogo e houve o lançamento de um livro com textos sobre as músicas do Bel”, recorda.
 
À época, a estreia da iniciativa aconteceu no palco principal do Theatro José de Alencar, com direito a casa cheia. Em seguida, os participantes circularam em quase todos os equipamentos culturais do Ceará, difundindo o vigor de uma poética eterna. “Posso afirmar com veemência que o rapaz latino americano nos convidou, sim, a outros olhares sobre a vida e o mundo, tanto pelas letras das músicas como pela vida que decidiu levar. Um gênio!”.

Estreito contato

Semelhante reverência pode ser encontrada na fala e no semblante de Lucinha Menezes. A cantora e compositora afirma que Belchior sempre esteve presente em sua carreira, agindo como sinônimo de presença e novidade. “Conheço-o desde menina. Ainda adolescente, cantei pela primeira vez em público uma canção dele. Foi no Festival da Música Cearense, em 1968. Ah, o tempo…”, suspira a artista.
 
Naquele dia, Lucinha interpretou “Espacial”, o que garantiu a ela o quinto lugar no evento. “Ele nem cantava em público. Fazia medicina com meu irmão. O meu primeiro disco, um vinil feito em 1991, foi todo feito por ele junto comigo. Lado A, as músicas dele; lado B, as do Fagner. Tenho muita história para contar sobre o Belchior”, sublinha.
Legenda: Primeiro disco de Lucinha Menezes, um vinil feito em 1991, foi todo feito por Belchior junto com a artista
Foto: Arquivo pessoal
 
Outro fato interessante do enlace entre os dois é que a música “Paralelas” foi composta pelo mestre em um logradouro da Avenida Bezerra de Menezes, quando saía da casa da mãe de Lucinha em direção à dele. “Pela manhã, no outro dia, ele ligou lá pra casa e cantou a canção no telefone. Veja que privilégio o meu: ouvi pela primeira vez essa pérola da MPB”.
 
Por isso mesmo, a artista – com sete discos gravados, já tendo estabelecido conexões com figuras do calibre de Chico Buarque e Adriana Calcanhotto – comemora a realização do Sarau Alucinação. Para ela, é bastante importante a reunião de amigos a fim de celebrar a arte de nosso chão. No evento, ela vai cantar algumas criações do próprio repertório. 
 
“A produção artística no nosso Ceará atualmente é muito boa. Mesmo morando aqui no Rio de Janeiro há 19 anos, estou atenta ao que acontece aí. Adoro fazer shows na nossa terra. Nossa música é muito rica. Quanto ao Sarau, achei uma maravilha! Estou muito honrada por ter sido convidada. Muito bom esse caminho espalhando nossa arte para outras terras”.
Lucinha Menezes
Cantora e compositora

Caminhos da sensibilidade

O escritor, diplomata, letrista, compositor e poeta Márcio Catunda igualmente enxerga com satisfação a concretização da empreitada. Na visão dele, a poesia é a linguagem de nosso mais alto sentimento. “Os seres humanos só podem ser redimidos pela sensibilidade. Belchior, nosso menestrel, é um ícone da poesia e da sensibilidade. Representa a religação da poesia com a música, como existiu nas origens. O Verbo se fez Vida e da vida nasceu a palavra, a melodia e o ritmo que a afirmam, ou o silêncio e o som nos quais ela se firma”.
 
Ele situa que o País e o mundo estão “desesperados”, sempre sedentos de cultura. Uma ação aos moldes da que vai se realizar, com poesia e música, é uma epifania, “um sacrifício aos numes dos nomes das coisas e dos seres”. “Vamos celebrar a magnitude desse Magnificat”, vibra.
Legenda: Márcio Catunda apresentará no sarau seus poemas mais recentes; as criações significam o resgate do momento atual
Foto: Divulgação
 
Neste sábado, Catunda apresentará seus poemas mais recentes. As criações significam o resgate do momento atual, constituindo uma tentativa de registrar a intensidade de todo o conhecimento acumulado até então. As incursões são fruto do que o artista vem estudando há algum tempo; temas do que se costuma chamar de espiritualidade. “Acredito inclusive que esse assunto do ‘religar’ o indivíduo com o cosmos inclui toda a busca do autoconhecimento, inerente à condição humana”.
 
Referenciando o Ceará como um solo que bem desempenha a missão de carregar o facho da verdade e da beleza que grandes nomes nos legaram – a exemplo de José de Alencar (1829-1877), Rachel de Queiroz (1910-2003), José Albano (1882-1923) e José Alcides Pinto (1923-2008) – o poeta destaca que o sarau é uma prática ritualística da maior importância, tendo em vista que os artistas itinerantes têm o privilégio de levar a outros espaços a ampla mensagem da arte, que não deve nem pode se restringir a fronteiras de qualquer natureza.
 
“Acreditamos que o sarau nos proporcionará momentos de confraternização e comunhão de sentimentos e expressões. Certamente, a realização de um espetáculo de bom nível deixa uma repercussão dinâmica na memória das pessoas. Creio, inclusive, que o momento atual requer exatamente esse tipo de atitude. A reaproximação das pessoas com uma nova consciência da responsabilidade por si e pelo outro e a certeza de que necessitamos sempre de ocasiões em que possamos interagir e compartilhar bons sentimentos”.
Márcio Catunda
Escritor, diplomata, letrista, compositor e poeta
 
Serviço
Sarau Alucinação
Neste sábado (25), às 18h, no Restaurante Gratini (Av. Borges de Medeiros, 1424, Shopping Lagoon, Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro)
Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?