Bienal de Dança do Ceará apresenta francês atravessando de um edifício a outro em Fortaleza

Trabalho coreográfico “Les Traceurs”, de Rachid Ouramdane, integra programação do evento nesta quinta-feira (9)

Legenda: Na ocasião da travessia, o feito é acompanhado por uma montagem sonora de Rachid Ouramdane e Jean-Baptiste Julien, baseada nos testemunhos de Nathan Paulin
Foto: Divulgação

Uma distância de 250 metros a 50 metros de altura. Esse é o percurso que o francês Nathan Paulin fará no Centro de Fortaleza nesta quinta-feira (9), a partir das 17h. Ele sairá de um edifício no entorno da Praça dos Leões até um prédio na Praça do Ferreira, compondo a programação da XIII Bienal Internacional de Dança do Ceará.

A Bienal acontece até o dia 19 de dezembro com várias atividades e apresentações, elencando o trabalho coreográfico "Les Traceurs" como um dos primeiros a serem presenciados pelo público.

Criação do também francês Rachid Ouramdane, bailarino e coreógrafo, o projeto desafia limites por meio da caminhada em highline, ou seja, prezando por grandes alturas. Nesta terça (7), o artista ensaiou o percurso e chamou a atenção de muita gente que passava pelo Centro de Fortaleza.

Na ocasião, o feito notável é acompanhado por uma montagem sonora de Rachid Ouramdane e Jean-Baptiste Julien, baseada nos testemunhos de Nathan Paulin - responsável por mergulhar a plateia no coração da prática e dos pensamentos desenvolvidos por ele.

Antes de Fortaleza, o artista se apresentou na França em setembro deste ano, fazendo um percurso de 670 metros, da Torre Eiffel ao Palácio de Chaillot, na Praça do Trocadero, em Paris, a uma altura de 70 metros.

O investimento do espetáculo, assim, é em locais ao ar livre, servindo como pano de fundo de uma reflexão sobre nossa capacidade de respeitar os ambientes em que evoluímos e propondo novas leituras dessas paisagens.

Com isso, Ouramdane - diretor do Teatro Nacional Chaillot, em Paris - tenta dar voz às próprias sensibilidades e à relação íntima que os envolvidos no projeto têm com suas práticas.

Democratizar o acesso à arte

Com acesso gratuito, a Bienal Internacional de Dança do Ceará realizará atividades em Fortaleza, Itapipoca, Paracuru e Trairi, democratizando e descentralizando o acesso à arte. A programação de abertura do evento começa às 13h, na Praça do Ferreira, com a performance “Blanc” (2015), do suíço Yann Marussich. 

Legenda: No evento, o coletivo de artistas "No barraco da Constância tem!", do Ceará, apresenta o espetáculo “Delirantes e Malsãs” (2020)
Foto: Toni Benvenutti

Às 16h, no mesmo local, o coletivo de artistas "No barraco da Constância tem!", do Ceará, apresenta “Delirantes e Malsãs” (2020). Na sequência, às 17h, entra em cena o já comentado "Les Traceurs". 

Já às 19h, no Cineteatro São Luiz, haverá a solenidade de abertura oficial, seguida do espetáculo “Isso dá um Baile!”, do coreógrafo Henrique Rodovalho, apresentado pelo Balé da Cidade de São Paulo. Os ingressos para os espaços fechados de apresentação em Fortaleza devem ser retirados no site Sympla.


Serviço
XIII Bienal Internacional de Dança do Ceará
De 9 a 19 de dezembro, em diferentes espaços de Fortaleza, Itapipoca, Paracuru e Trairi. Ingressos gratuitos disponíveis na plataforma Sympla. Mais informações pelo e-mail (bienaldedancace@gmail.com) e pelo site do evento.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?