Suspeitos de acobertar fuga de Lázaro o deixavam dormir e se alimentar na chácara

Segundo o jornal Metrópoles, eles cozinhavam para Lázaro

Lázaro Barbosa
Legenda: Lázaro estava sendo procurado por mais de 270 agentes da Segurança Pública em Goiás
Foto: Divulgação

Foragido há 17 dias, o suspeito de cometer a chacina de Ceilândia, Lázaro Barbosa, teria como esconderijo uma chácara na área rural de Girassol, ainda em Goiás. Segundo o jornal Metrópoles, o dono da propriedade, Elmi Caetano Evangelista, de 74 anos, proporcionava estada para o acusado pernoitar e alimentação ao longo do dia. 

O proprietário estaria dando suporte ao foragido com ajuda do caseiro, Alain Reis de Santana, de 33 anos. Ambos foram presos por facilitação da fuga e porte ilegal de armas, nesta quinta-feira (24).

O trabalhador informou à polícia que, além de dormir, Lázaro almoçava e jantava no local. 

Lázaro ficaria escondido na mata até ser chamado pelo chacareiro. Alain afirmou ouvir quando o patrão o avisava sobre as refeições.  “Vem almoçar, Lázaro!”, gritava, segundo o caseiro. Já à noite, do dono da fazenda gritava que a porta iria ficar aberta. 

Após as prisões, a propriedade foi cercada por policiais. 

Relação com a família de Lázaro 

Segundo o caseiro, a mãe de Lázaro também já foi funcionária de Elmi. O patrão também já teria ajudado a família financeiramente quando o suspeito fora preso. 

Na chácara, foram encontradas duas armas e 49 munições de calibre .22 LR. Segundo o Metrópoles, policiais notaram que uma das armas de ar comprimido teria sido alterada para disparar munição de calibre .22. 

Segundo o caseiro, a arma era do patrão.  

Por pouco, Lázaro teria escapado mais uma vez

Ainda de acordo com o jornal Metrópole, quando os policiais chegaram a propriedade, o caseiro saiu do local. Eles viram um homem entrando na mata. O trabalhador confirmou ser Lázaro fugindo mais uma vez. Cães farejadores teriam confirmado a presença do foragido. 

FICHA CRIMINAL DE LÁZARO BARBOSA

  • 2007: capturado sob acusação de um duplo homicídio no município Barra dos Mendes, na Bahia. Dez dias de ser preso, no entanto, ele fugiu e até hoje é tido como foragido pela polícia local
  • 2009: o criminoso migrou para Brasília, onde ficou em reclusão no Complexo Penitenciário da Papuda (CPP). Os ilícitos atribuídos a ele era porte ilegal de arma de fogo, estupro e roubo
  • 2013: o mesmo presídio emitiu um laudo psicológico informando que o homem era um "psicopata imprevisível". O diagnóstico foi elaborado a partir da conduta agressiva e impulsiva, assim como pela instabilidade emocional e falta de controle e equilíbrio do preso
  • 2014: a Justiça autorizou a conversão da prisão de Lázaro Barbosa para o regime semiaberto
  • 2016: voltou a sumir do radar das forças de segurança
  • 2018: fora do sistema prisional do Distrito Federal, foi alcançado pela polícia de Águas Lindas de Goiás e novamente preso por porte ilegal de arma de fogo, homicídio qualificado, roubo e estupro. Em julho do mesmo ano, escapou da detenção
  • 2020: foi indiciado por roubo mediante restrição da liberdade de quatro idosos e emprego de arma branca durante tentativa de latrocínio em uma chácara em Santo Antônio do Descoberto, em Goiás

CRIMES MAIS RECENTES

Já no último dia 8 de abril de 2020, a polícia de Goiás o indiciou por roubo mediante restrição da liberdade de quatro idosos e emprego de arma branca durante tentativa de latrocínio em uma chácara em Santo Antônio do Descoberto. Na ocasião, uma das vítimas chegou a ser atingida na cabeça com golpes de machado.

De volta ao Distrito Federal, Lázaro invadiu uma casa no dia 26 de abril deste ano no Sol Nascente. Ele levou uma mulher para um matagal e a estuprou enquanto o marido e o filho dela ficaram trancados no quarto.

Em 17 de maio, ele esteve na mesma região e ameaçou populares com arma de fogo e faca. As vítimas foram obrigadas a ficarem peladas. Das 19h até meia-noite, o suspeito prendeu homens no quarto e as ordenou que as mulheres preparassem e servissem um jantar.

No dia 9 de junho, Lázaro invadiu uma chácara em Ceilândia e matou quatro pessoas de uma mesma família: os empresários Cleonice Marques de Andrade, 43, Cláudio Vidal, 48, e os filhos do casal Gustavo Marques Vidal, 21, e Eduardo Marques Vidal, 15.

Na quinta-feira (10), ele rendeu o caseiro de uma chácara e a filha dele próximo ao imóvel dos empresários. Ele ordenou que a mulher preparasse o almoço enquanto ele acompanhava um telejornal. No mesmo dia, voltou a entrar sem permissão em uma casa e fez três pessoas reféns. Duas delas foram obrigadas a fumar maconha.  

O homem fugiu em 12 de junho para Cocalzinho de Goiás, onde invadiu fazendas, disparou contra quatro pessoas e colocou fogo em uma residência. A polícia montou um cerco, mas ele fugiu. Em 13 de junho, o criminoso furtou um carro e o largou na BR-070. 

O QUE É UM SERIAL KILLER?

A série de ataques realizados por Lázaro Barbosa em um curto espaço de tempo e as informações divulgadas pela Polícia Civil sobre sua personalidade levaram os internautas a chamarem o suspeito de 'serial killer'.

Um assassino em série é aquele que comete crimes com determinada frequência e tem um 'modus operandi' para agir, com características do crime que representam sua marca. 

A criminologista especialista em serial killers Ilana Casoy, que escreveu um roteiro sobre o caso de Suzane von Richtofen, afirmou ao portal G1 que esse não é o momento de definir o perfil psicológico de Lázaro.

"Ele é um fugitivo e precisa ser parado, ser preso porque é um cara de alta periculosidade, de grande experiência e está matando no caminho. Não é hora de pensar se ele é um serial killer, se teve uma infância traumática ou não, se ele é frio, psicótico, esquizofrênico, psicopata".

 

 
Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil