Kombucha: o que é, para que serve e como fazer

Saiba mais sobre essa bebida saudável com sabor probiótico natural

Kombucha
Legenda: Bebida milenar de origem chinesa, o kombucha vem ganhando adeptos em todo o mundo
Foto: Shutterstock

Bebida milenar de origem chinesa, o kombucha vem ganhando adeptos em todo o mundo, especialmente entre os que buscam um produto natural e formas de consumo mais saudáveis, além de ser muito saboroso e refrescante.  

Feito à base de chá, açúcar e uma cultura viva conhecida como Scoby - sigla em inglês para Colônia Simbiótica de Bactérias e Leveduras - o kombucha passa a ter características probióticas após sua fermentação. 

Para entender um pouco mais de suas características e dos possíveis benefícios à saúde, o Diário do Nordeste conversou com dois especialistas no assunto. Confira: 

Propriedades

A nutricionista Fabiana Belini explica que, além da cultura simbiótica de diversas bactérias ácido-láticas, a composição da bebida engloba a presença de vários ácidos orgânicos. 

"Entende-se também que o ácido acético produzido na fermentação e os polifenóis dos chás utilizados contribuem para matar as bactérias ruins e causadoras de infecções", diz. 

Serve para quê?

Importante para a saúde geral do organismo, o principal benefício do Kombucha como um alimento fermentado é a presença de probióticos (e prebióticos), segundo destaca o nutricionista Sandoval Albuquerque, que são fundamentais para a saúde intestinal.

Conforme aponta, isso resulta em uma microbiota mais saudável, melhorando o sistema imunológico, a saúde plural e o bem-estar, sendo "uma excelente estratégia para regularizar e melhorar a composição do nosso intestino, a composição das bactérias benéficas do nosso intestino", esclarece.

Produzido industrialmente no Brasil desde 2016, Fabiana Belini ressalta não haver ainda um consenso entre cientistas sobre todos os benefícios do Kombucha. Destaca, no entanto, que após a fermentação se torna um tônico excelente para facilitar a digestão e a absorção de nutrientes, além da recuperação da flora intestinal. 

A regulação da saúde intestinal é o motivo mais indicado para o consumo da bebida entre profissionais, diz a nutricionista. 

kombucha em um copo de vidro
Legenda: Segundo especialistas, o ideal é consumir em até 60 dias após o engarrafamento e 7 dias após aberta
Foto: Shutterstock

Contraindicações

Belini alerta para o risco de a bebida ser contaminada por outras bactérias, quando não preparada do jeito certo. Um exemplo é a Listeria monocytogenes, que pode ter efeito abortivo.

Por isso, segundo a nutricionista, mulheres grávidas, crianças e pessoas com imunidade comprometidas devem evitar o consumo, assim como diabéticos, por conta da glicose, em especial nas bebidas prontas. 

Pessoas com problemas de gases também devem consumir com moderação, diz ela, já que a presença das moléculas de dióxido de carbono influencia no inchaço da região abdominal.

Além das gestantes, Sandoval Albuquerque acrescenta a contraindicação de consumo para mulheres que estão amamentando, pessoas que tenham sensibilidade ao álcool, ou que sejam alérgicas aos chás usados no preparo do Kombucha (chá verde, chá preto, chá mate). 

Cuidados

O nutricionista indica um consumo diário de 250 a 400 ml. No entanto, pessoas com desequilíbrio intestinal tendem a ter distensão abdominal ou diarreia. Para auxiliar nessa regularização, ele explica que o recomendado é começar com doses menores, de 50 a 100 ml por dia na primeira semana. 

Para evitar excessos, Fabiana Belini também indica que o consumo seja em média de 100 ml diários no começo, podendo ser aumentado gradualmente. 

Melhor horário para tomar 

Não há um horário específico para tomar o Kombucha, segundo Sandoval, mas para pessoas com muita constipação ele orienta o consumo à noite, próximo do horário de dormir, auxiliando no funcionamento do intestino pela manhã.

"Guarde na geladeira em um recipiente de vidro e tampado, não congele e consuma em algumas semanas", orienta. 

Embora o produto não tenha uma validade determinada, Fabiana Belini também recomenda que, por se tratar de uma bebida fermentada, o ideal é consumi-la em até 60 dias após o engarrafamento e 7 dias após aberta. 

Como fazer

Em sabores diversos, o kombucha pode ser encontrado em supermercados e em casas de produtos naturais. Para a versão caseira, a nutricionista recomenda cuidados para evitar a contaminação.

Entre eles, o uso de equipamentos esterilizados, a manutenção do espaço limpo e a escolha por ingredientes de alta qualidade. 

"O que você vai precisar é de tempo e paciência, para que os micro-organismos façam seu trabalho e fermentem a bebida", diz Fabiana.

 A base da preparação, conforme explica Sandoval, é a planta Caméllia Sinenses, que dará à bebida o sabor da erva. Mas destaca que pode ser acrescentar gengibre, hibisco, ou frutas, fazendo uma nova combinação de sabores.

kombucha sendo preparada em um recipiente de vidro
Legenda: A base da preparação é a planta Caméllia Sinenses, que dará a bebida o sabor da erva
Foto: Shutterstock

Receita

Segundo Fabiana, a sugestão é começar com uma receita simples, à base de chá preto, já que este se encontra mais facilmente. Confira abaixo a receita da nutricionista:

O que vai precisar:

  • 50 g de açúcar
  • 5 g de folhas de chá para cada litro de água
  • Utilize folha de Camellia sinensis
  • 5 minutos em infusão
  • Scoby

Modo de preparo

  1. Ferva a água, desligue o fogo, adicione o açúcar, o chá e deixe em infusão por 10 minutos. Não tenha medo de adoçar, pois os micro-organismos precisarão do açúcar para se alimentar e fermentar a bebida. 
  2. Deixe esfriar completamente, retire as folhas de chá, coloque o líquido num recipiente de vidro grande e de boca larga e adicione o scoby e um pouco do líquido já fermentado, cerca de 250 ml (se for sua primeira vez, peça ao doador para deixar um pouco do kombucha pronto com o scoby).
  3. Com o chá pronto e já no recipiente de vidro apropriado, cubra o vidro com um pano limpo e seco, que você usará só para isso (ou use papel-toalha), amarre com um barbante ou elástico e deixe fermentar num canto escuro e seco da cozinha (onde não pegue sol nem seja muito quente) por uma semana.
  4. Depois disso, irá perceber que a bebida formou bolhinhas e já mudou de aroma. Retire o pano, remova com cuidado o scoby e um pouco do chá fermentado e guarde-o num recipiente de vidro tampado.
  5. Se quiser, use um vidro grande e vá amontoando as diversas "panquecas" que vão se formando a cada fermentação. A bebida fermentada vai para uma garrafa e deve ser conservada em geladeira.

Depois de resfriada, já pode consumir, tanto pura como em sucos e coquetéis (fica boa até com bebidas alcoólicas). Lembre-se de sempre lavar muito bem as mãos e os equipamentos que utilizar no preparo da bebida, para evitar contaminações.

 

*Fabiana Belini é nutricionista graduada pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Pós-graduada em nutrição clínica funcional e fitoterapia clínica. É membro do Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional (IBNF) e do Instituto de Medicina Funcional (IFM/USA). Possui atuação em doenças crônicas, inflamatórias, auto imunes e fertilidade. 

*Sandoval Albuquerque é nutricionista graduado pela Universidade Estácio e possui atuação em nutrição clínica, esportiva e funcional.