Recém-eleitos, pelo menos 13 vereadores da Capital já articulam candidatura em 2022

Cerca de 30% dos parlamentares eleitos em 2020 já estão de olho na Assembleia ou Câmara dos Deputados

Plenário da Câmara de Fortaleza
Legenda: Vereadores já se articulam para 2022 e conversam com partidos para se lançarem à Câmara ou Assembleia Legislativa
Foto: Érika Fonseca / CMFor

O mandato mal começou, muitos dos vereadores de Fortaleza, novatos, ainda nem se habituaram ao Legislativo, mas já se movimentam com fins eleitorais. Um total de pelo menos 13 vereadores - 30% da composição da Câmara de Fortaleza - conversam com os partidos e articulam nos bastidores candidaturas à Assembleia Legislativa ou à Câmara dos Deputados na Eleição 2022.

As candidaturas de vereadores aos cargos estaduais e federais são comuns. Fazem parte de uma estratégia para tentar manter ativo um eleitorado ou mesmo para atender a interesses dos partidos para turbinar a votação das chapas.

Se por um lado as frequentes candidaturas satisfazem os interesses das legendas, por outro, acabam prejudicando o Legislativo Municipal, ao passo que modificam a composição das bancadas.

Muitas vezes, os parlamentares que receberam mais votos acabam saindo na metade do mandato para uma outra Casa Legislativa.

 

13
dos 43 vereadores devem entrar em campanha no ano que vem. O número ainda pode crescer, conforme avançam as negociações.

Partidos aproveitam a popularidade

Apesar de faltar ainda mais de um ano para a próxima disputa, esses movimentos já mexem com as estruturas partidárias. Os grupos tendem a aproveitar a popularidade de determinados vereadores para lançar candidaturas na esperança de turbinar a votação das chapas e facilitar o alcance dos objetivos.

Repetir as candidaturas a cada dois anos acaba sendo um processo natural, no entender de especialistas. Por vezes, o parlamentar nem tem pretensões reais de eleição.

Ele usa o pleito de deputado como uma espécie de "teste" para firmar ou testar o próprio nome junto ao eleitorado -, aproveitando que não perderá o mandato em caso de derrota.

É o que sustenta o cientista político e professor da Universidade Federal do Ceará, Cleyton Monte. O pesquisador observa ainda que os trabalhos na Câmara tendem a diminuir durante as campanhas, visto que "todos os vereadores, candidatos ou não, se dedicam para eleger os aliados". 

presidente da Câmara, Antônio Henrique
Legenda: Presidente da Câmara, Antônio Henrique (PDT) deverá concorrer a um cargo na Assembleia Legislativa
Foto: Kid Junior

Nomes do PDT

Com 12 vereadores exercendo mandatos atualmente, o PDT deve lançar ao menos três candidatos, entre eles o atual presidente da Casa, Antônio Henrique. Além dele, estão postos os nomes de Júlio Brizzi e Paulo Martins como possibilidade.  

Brizzi se coloca à disposição do partido, e destaca que a decisão será tomada pelo grupo que inclui o senador Cid Gomes e o ex-candidato à Presidência da República Ciro Gomes.  

Exercendo terceiro mandato na Câmara, Cláudia Gomes  (DEM) também deve se colocar no pleito do ano que vem, ainda indefinido para qual casa legislativa. Da mesma forma, Jorge Pinheiro (PSDB) já conversa com a sigla para organizar campanha.

Único parlamentar do PSL na Casa, Marcelo Lemos aguarda uma posição do partido e poderá tentar assento na Assembleia.

Vice-presidente da sigla em Fortaleza, o parlamentar não se coloca na oposição ao prefeito José Sarto (PDT). Lemos já foi convidadado para integrar os quadros do PSB, que aguarda a decisão. 

Oposição se articula

Vereadora Larissa Gaspar
Legenda: Larissa Gaspar (PT) diz que a estratégia do partido é focar na representatividade feminina na AL
Foto: Jorge Alves

Fazendo parte da oposição à esquerda na Câmara, o Partido dos Trabalhadores pretende lançar os vereadores Guilherme Sampaio - presidente da sigla na Capital - e Larissa Gaspar para concorrerem a vagas na Assembleia.

“Hoje, o PT está sem representação feminina na Assembleia. Estamos dialogando com o partido para ter uma candidatura forte. O partido tem histórico de estimular as candidaturas femininas”.
Larissa Gaspar
Vereadora (PT)

Há também uma estratégia no grupo opositor à direita entre os vereadores. O Pros - que tem o líder da oposição, vereador Márcio Martins -, também já estrutura a chapa.  

Nesse contexto, devem ser candidatos a deputado federal os vereadores Julierme Sena e Priscila Costa. Do mesmo partido, o vereador Pedro Matos, suplente que já deixou o exercício do cargo, também confirma a pretensão de se candidatar. “Estamos avaliando também uma oportunidade que curgiu para se candidatar ao Senado”, diz ainda Priscila.

Para o professor da Universidade Estadual do Ceará e cientista político Raulino Pessoa, os políticos querem ampliar a sua área de atuação e como já tem garantido o cargo de vereador, o custo para ser candidato é muito baixo.

Interlocutores do partido dizem que a estratégia de ter candidaturas se dá para "reforçar a imagem da oposição no Estado".

Se perder aleição não tem prejuízo. E também divulga mais o nome dele e articula sua base. Caso ganhe, o parlamentar consegue atuar tendo a mesma base, mas atuando na Assembleia Legislativa ou na Câmara Federal.
Raulino Pessoa
Cientista Político

Presidente do Republicanos no Ceará, o vereador Ronaldo Martins afirma que ao partido trabalha para eleger quatro nomes para a Câmara dos Deputados em 2022. Ele será candidato ao cargo. Na mesma sigla, Carmelo Neto deve disputar vaga na Assembleia.

14
vereadores fizeram o mesmo caminho em 2018. Três foram eleitos deputados estaduais e um tornou-se deputado federal, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Carmelo é o vereador mais novo da Casa, com 20 anos. Defensor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ele diz que vê chances de ser eleito deputado estadual. 

Vereadores que devem se candidatar à Câmara ou Assembleia em 2022: 

  • Antônio Henrique (PDT)
  • Guilherme Sampaio (PT)
  • Marcelo Lemos (PSL)
  • Larissa Gaspar (PT)
  • Júlio Brizzi (PDT)
  • Jorge Pinheiro (PSDB)
  • Julierme Sena (Pros)
  • Carmelo Neto (Republicanos)
  • Priscila Costa (PSC)
  • Cláudia Gomes (Dem)
  • Ronaldo Martins (Republicanos)
  • Paulo Martins (PDT) 
  • Wellington Saboia (PMB) 

Vereadores candidatos em 2018, quatro eleitos deputados:  

  • Acrísio Sena (PT), eleito deputado estadual 
  • Adail Junior (PDT), suplente
  • Adriano Bento (Patriota), suplente
  • Alípio Rodrigues (Patriota), suplente
  • Carlos Mesquita (Pros), hoje PDT, suplente
  • Célio Studart (PV), eleito deputado federal 
  • Evaldo Lima (PC do B), suplente
  • Julierme Sena (Pros), suplente
  • Odécio Carneiro (Solidariedade), suplente
  • Plácido Filho (PSDB), suplente
  • Priscila Costa no PRTB, hoje PSC, suplente
  • Salmito Filho (PDT), eleito deputado estadual 
  • Sg. Reginauro (Pros), suplente senador
  • Soldado Noélio (Pros), eleito deputado estadual