Foco de impasse sobre emendas, Camilo Santana reúne bancada em visita ao Hospital Universitário

Após queda de braço sobre a destinação de emendas, o governador mostrou obras e fez fotos e vídeos com aliados que acataram pedido de verbas

Hospital Universitário
Legenda: A construção do Hospital Universitário foi iniciada em janeiro de 2021
Foto: Fabiane de Paula

O governador Camilo Santana (PT) reuniu, na manhã desta segunda-feira (22), quase metade da bancada cearense no Congresso Nacional para visita às obras de construção do Hospital da Universidade Estadual do Ceará (Uece). O encontro ocorre apenas alguns dias depois da unidade de saúde ser foco de impasse na destinação das emendas de bancada - parte dos deputados federais do Estado não concordaram em enviar 50% dos recursos para a conclusão da obra. 

O Ceará acabou sendo o último estado a enviar as indicações das emendas de bancada - após consenso para liberar os parlamentares para a indicação dos recursos. Apesar disso, deputados e senadores da base aliada conseguiram destinar R$ 101 milhões para o Hospital Universitário, equivalente a quase metade dos R$ 212 mi que a bancada cearense tinha de indicação de emendas. 

Durante a visita, o governador Camilo Santana agradeceu nominalmente a cada parlamentar que destinou verbas para o Estado. Lista que incluiu dois opositores ao Governo, deputados Heitor Freire (PSL) e Vaidon Oliveira (Pros), mas que não contou com um correligionário de Camilo, o deputado José Airton Cirilo (PT), que não indicou recursos para a obra - além de outros nomes da oposição. 

"Só faço lamentar, porque isso prejudica o nosso Estado, prejudica a população. Emenda de bancada são emendas para projetos estruturantes do Estado, obras que tem um efeito geral no Estado. Só tenho a lamentar não ajudar em um momento tão importante para o povo cearense". 
Camilo Santana
Governador de Ceará

A conclusão do Hospital Universitário da Uece está prevista para janeiro de 2023, mas Camilo Santana anunciou que pretende entregá-lo ainda em dezembro de 2022 - último mês do mandato como governador. 

Objetivos eleitorais

Participaram da visita os deputados federais André Figueiredo (PDT), Domingos Neto (PSD), Eduardo Bismarck (PDT), Genecias Noronha (Solidariedade), Idilvan Alencar (PDT), José Guimarães (PT), Júnior Mano (PL), Leônidas Cristino (PDT), Mauro Filho (PDT), Pedro Bezerra (PTB) e Robério Monteiro (PDT), além do senador Cid Gomes (PDT).

Também estiveram presentes o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), e o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Evandro Leitão (PDT). Para parlamentares cearenses presentes, a resistência de deputados da oposição em destinar recursos para o Hospital Universitário carrega um viés eleitoral. 

"Eu acho que sim ou seria coincidência demais. A destinação vem do ano passado, quando deputados e senadores mandaram dinheiro para cá. Vai ser uma marca da bancada federal neste quadriênio. Mas, lamentavelmente, algumas pessoas politizam, como se a doença tivesse partido" 
Cid Gomes (PDT)
Senador

Entre os que não destinaram recursos estão o senador Eduardo Girão (Podemos) e os deputados Danilo Forte (PSDB), Moses Rodrigues (MDB), Dr. Jaziel (PL) e Capitão Wagner, que inclusive já lançou a pré-candidatura ao Palácio da Abolição em 2022. 

"A gente não pode descartar que tem um viés político. É inadmissível que um hospital dessa magnitude não tenha a compreensão de parlamentares, que inclusive pretendem a candidatura majoritária. Essa é uma obra imprescindível para a população de todo o estado", ressalta o deputado André Figueiredo (PDT). 

Bancada
Legenda: Deputados federais cearenses e o senador Cid Gomes visitaram às obras do Hospital da Uece a convite do Camilo Santana
Foto: Fabiane de Paula/SVM

Parlamentares da oposição, por sua vez, defenderam a "descentralização" dos recursos das emendas de bancada e acusaram o senador Cid Gomes e aliados de tentarem "tutelar" a indicação dos recursos.

"Descentralizar recursos é importante, haja vista que as cidades do interior são carentes e necessitam de recursos", ressaltou Capitão Wagner, ainda na semana passada, logo após a decisão da bancada. "Enfrentamos Cid Gomes e derrotamos sua manobra para tutelar emendas de bancada", comemorou Danilo Forte, em publicação no Instagram. 

No total, foram destinados R$ 101 milhões para o Hospital Universitário para o Orçamento de 2022- emendas de 15 deputados federais e 2 senadores. O valor é pouco menor do que o enviado em 2021 para o Estado. Na época, a bancada federal entrou em consenso e enviou 50% das emendas de bancada para a construção do equipamento - um total de R$ 106 milhões. 

Neste ano, a única forma de "pacificar" a bancada, foi com o acordo que cada parlamentar poderia destinar a fração correspondente nos recursos das emendas de bancada - equivalente a R$ 5,7 milhões.  "(Dessa vez) Nem todos os parlamentares destinaram os 50% para o Estado. Aí, cada um vai prestar conta, porque uma obra dessas é fundamental", ressalta José Guimarães, um dos que participou das negociações. 

Construção de consenso entre cearenses

A meta dos cearenses é que as emendas para o Orçamento 2023 comecem a ser discutidas ainda no começo do ano, quando o novo coordenador da bancada do Ceará no Congresso Nacional será definido. Uma discussão que envolve, inclusive, o conceito das emendas de bancada. 

"Uma coisa é emenda individual, que é de livre escolha do deputado. Outra coisa é emenda de bancada. São ações de cunho institucional, de caráter regional. Não pode ser a mesma concepção que se faz para emenda individual".
Mauro Filho (PDT)
Deputado federal

O parlamentar foi exonerado do cargo de secretário de Planejamento e Gestão no Governo do Estado no início de novembro para participar das articulações no Congresso quanto à destinação das emendas. Ele afirma que espera que os deputados que decidiram não enviar recursos para o Hospital "possam refletir e, no próximo ano, possamos ter toda a bancada nesse mesmo propósito". 

Atual coordenador da bancada, Genecias Noronha (Solidariedade) concorda. "Espero que, no próximo ano, possamos colocar pelo menos metade, novamente, dos recursos para concluirmos essa obra na sua totalidade", afirma. Apesar disso, ele desconversa sobre o impasse entre os parlamentares cearenses na última semana: "É o direito do deputado, mas mesmo assim conseguimos alocar R$ 100 milhões no Orçamento 2022".

 

Assuntos Relacionados