Vale a pena fazer consórcio? Entenda como funciona a modalidade

A ferramenta pode ser uma forma de realizar compras programadas sem necessidade de pagar os juros de um financiamento

mão segurando caneta ao lado de casa em miniatura
Legenda: O consórcio imobiliário é um dos mais comuns do mercado
Foto: Shutterstock

Para além das finalidades mais conhecidas como compra de um imóvel ou um automóvel, é possível utilizar o consórcio para organizar uma festa, fazer uma reforma, realizar procedimentos estéticos ou diversos outros objetivos. 

O consórcio é um grupo de pessoas que contribui mensalmente com parcelas para a compra de um determinado bem ou serviço. Mensalmente ocorrem sorteios e qualquer um dos participantes pode ser contemplado para receber o valor total objetivado mesmo antes de pagar todas as parcelas.  

Também é possível dar lances para conseguir ter mais chances nos sorteios e conseguir atingir o objetivo antes. Os azarados que não conseguirem ser sorteados têm até o final do prazo estabelecido no momento do contrato para receber todo o dinheiro investido.  

Para a economista e educadora financeira Juliana Barbosa, o consórcio pode ajudar atingir sonhos e realizar compras programadas, mas é preciso ter em mente um objetivo a longo prazo. 

Vantagens do consórcio 

Visto de forma negativa por algumas pessoas que consideram o consórcio como um “jogo de sorte”, ele pode ser uma boa fermenta para atingir sonhos se utilizado com consciência das vantagens e desvantagens. 

Juliana aponta um dos pontos positivos do consórcio como a possibilidade de realizar pagamentos de longo prazo sem a incidência de juros, como no caso de um financiamento ou empréstimo. O consórcio possui uma taxa de administração, mas quando colocada na ponta do lápis ainda é inferior ao custo da solicitação de crédito junto a uma instituição financeira. 

O consórcio não paga juros. Se colocar na ponta do lápis, você com financiamento tem uma taxa de 7,5%. No consórcio a taxa é de 1% ao ano. Mas precisa contemplar a carta para adquirir o bem. O financiamento se você der o percentual de entrada, você já está com o imóvel na mão. A vantagem basicamente é o valor que no final você paga muito menos
Juliana Barbosa
economista e educadora financeira

Além da taxa de administração também é cobrado um fundo de reserva, para cobrir possíveis inadimplências. Esse valor costuma ser devolvido ao consorciado ao final do prazo.  

A modalidade de crédito também pode ser uma opção para quem quer comprar um bem, mas está com score baixo no mercado, tendo dificuldade de obter dinheiro em vias tradicionais. Também é a saída para quem não tem o dinheiro para dar a entrada em um financiamento. 

O coordenador da pós-graduação de gestão financeira da FGV, Ricardo Teixeira, coloca o consórcio como uma forma de começar a criar o hábito de poupar

“Se tem dificuldade em guardar, o consórcio cria uma obrigação que te ajuda a poupar. Ele é indicado para quem tem dificuldade de poupar, desde que a prestação caiba no seu orçamento”, afirma. 

Compra a longo prazo 

Quem contrata um consórcio, contudo, deve ter em mente que o bem objetivado pode não chegar nem hoje nem amanhã. A modalidade de crédito, portanto, não é uma opção para quem está querendo uma compra imediata

“Se você tem uma urgência, não é o consórcio que vai te atender. É uma compra planejada, se você conseguir administrar o tempo e puder esperar, o consórcio é muito vantajoso”, reitera Juliana. 

Ricardo relaciona o consórcio com a possibilidade de poupar até conseguir dinheiro para comprar um bem ou contratar um serviço. Em ambos os casos, o recebimento não é imediato, mas no consórcio há a possibilidade de ser contemplado antes do fim do pagamento. 

“Ao fazer o consórcio você paga um pouco mais (do que poupando), mas pode ser sorteado desde a primeira reunião. Ao comprar um bem financiado você pode dependendo do bem, usufruir desde o início. Com a poupança, você só usufrui no fim. Mas no consórcio também você pode ser contemplado no fim”, resume. 

Posso perder dinheiro? 

Segundo Juliana, não é possível exatamente perder dinheiro com o consórcio, mas quem tem interesse em contratar essa modalidade de crédito deve ter a ciência do prazo final. 

Isso porque, caso o consumidor decida desistir do consórcio, ele só receberá as parcelas que já foram pagas no final do prazo – que pode ser bastante longo se se tratar de um consórcio imobiliário, por exemplo, que chega a ter prazos de 240 meses. 

Uma forma de conseguir o dinheiro já investido de forma mais rápida é vender o consórcio para outra pessoa que queira entrar com o grupo já em andamento. Para isso, o interessado deverá pagar o montante já investido para entrar no consórcio com as mesmas chances de ser contemplado. 

Ricardo chama atenção que apesar de normalmente o dinheiro ser devolvido a quem desistir do consórcio ao fim do prazo, é importante estar atento às regras do contrato, em busca de possíveis cláusulas que desobriguem o pagamento. 

“Não vale a pena entrar em um consórcio que está no limite da sua capacidade de pagamento, se acontecer algo no meio do caminho você pode perder dinheiro”, recomenda. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios