Retorno ao trabalho: prefeituras têm autonomia para restringir retomada da atividade econômica

Secretário-chefe da Casa Civil, Élcio Batista, pontuou que municípios cearenses estão em momentos epidemiológicos distintos

Legenda: Secretário-chefe da Casa Civil, Élcio Batista, e secretário executivo de Planejamento e Orçamento da Seplag, Flávio Ataliba, participam de tira-dúvidas sobre o plano de retomada do Governo do Estado
Foto: Foto: Divulgação

Os municípios cearenses não seguirão ao mesmo tempo o plano de retomada da atividade econômica cuja fase de transição começa amanhã (1º). De acordo com o secretário-chefe da Casa Civil, nas cidades que entram em regime de lockdown, conforme anunciado ontem (30) pelo governador Camilo Santana, a indústria poderá funcionar, mas isso ficará a critério dos prefeitos.

"É importante consultar o decreto. Sete municípios entraram em isolamento social rígido. Nesses municípios, a indústria pode funcionar, mas comércio e serviços não vão poder abrir, nem aqueles que estão previstos no plano, da cadeia de saude e material de construção", disse Élcio Batista.

Conforme disse o secretário-chefe da Casa Civil durante live realizada na tarde deste domingo (31), os prefeitos terão autonomia. "Os prefeitos tem autonomia para definir uma restrição ainda maior ou não", disse.

'Momentos epidemiológicos distintos'

Élcio Batista lembrou que os municípios e regiões cearenses estão vivenciando momentos epidemiológicos diferentes. "Fortaleza nas últimas semanas está tendendo a uma estabilidade e aparentemente estamos em uma curva decrescente. Nós precisamos de mais tempo para saber se isso está mesmo acontecendo", ressaltou.

O secretário pontuou também que a região Norte do Ceará em um "momento epidemiológico distinto". "Não necessariamente nessa região o plano vai ser implementado no mesmo momento", frisou.

De acordo com ele, por essa razão o transporte intermunicipal não irá voltar agora, respondendo uma das dúvidas enviadas pela população durante a live. "Está na última fase. Foi liberado o metroviário e o metropolitano, mas o transporte municipal, justamente por ligar os municípios e pelos momentos epidemiológicos diferentes só vai voltar na última fase".