Diálogo com o Governo continua, diz empresário

Na semana passada, a Fecomércio, a Fiec e a CDL divulgaram comunicado que dizia que as entidades estavam em negociação com o Governo para que as medidas fossem mais brandas para o setor produtivo

Apesar de defender o retorno gradual das atividades econômicas, o presidente da Fecomércio-CE e um dos representantes do setor produtivo no comitê de crise, Maurício Filizola, disse que o diálogo com o Governo continua e que isso faz parte das instituições.

. Camilo renova decreto de estado de emergência e promete medidas econômicas na próxima segunda

"Nós tivemos durante toda a semana a pressão dos sindicatos. Sabemos das dificuldades dos empresários, sabemos que é um problema de saúde pública. Levamos todas as demandas para o governador, mas ele decidiu que dará continuidade a este decreto. Nós, como instituição, levamos o diálogo do empresariado. Vamos continuar buscando isso para que a gente possa abrir nossos negócios, mas isso só pode acontecer com a questão normativa do Governo".

Na semana passada, a Fecomércio, a Fiec e a CDL divulgaram comunicado que dizia que as entidades estavam em negociação com o Governo para que as medidas fossem mais brandas para o setor produtivo.

"Apresentamos ao governador proposta de minimização dos efeitos devastadores ocasionados nas empresas cearenses com as medidas de contenção adotadas e clamamos para que fossem as mesmas abrandadas, como forma de garantirmos a sobrevivência de nossos negócios e o resguardo dos postos de empregos que criamos", dizia o documento.

"Nós entendemos a questão da saúde pública, mas os nossos anseios são de buscar alternativas para o comércio", pontuou Filizola. Até o fechamento desta edição, os representantes da CDL e da Fiec não se pronunciaram sobre a prorrogação do decreto estadual.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios