Camilo nega retorno das aulas em junho; escolas voltam à atividade na última fase

Sinepe-CE havia informado intenção de retomar parte das atividades presenciais no dia 17 de junho

Legenda: Inadimplência nas escolas passou de 13% para 48% em decorrência da crise provocada pelo coronavírus
Foto: Foto: Agência Brasil

Após o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Enisno do Ceará (Sinepe-CE) informar a intenção de retomar as aulas presenciais no próximo dia 17 de junho, o governador Camilo Santana reforçou durante live realizada na tarde desta quinta-feira (28) que a atividade faz parte do quarto e último grupo de retomada, conforme o plano de reabertura da economia do Governo do Estado. Portanto, as aulas presenciais não devem retomar na data prevista pelo sindicato.

> Confira lista de setores que voltam ao trabalho

> Igrejas poderão retomar atividades a partir de 22 de junho no Ceará

"As escolas estão na quarta fase, é a última fase. Ou seja, vai ser lá em julho o retorno dessas atividades, isso a partir de uma avaliação de cada etapa dessas que serão implementadas aqui no Ceará", disse. Ele também reforçou que a equipe de saúde dará o aval para os retornos. "Tudo isso tem sido avaliado cientificamente pelos nossos profissionais de saúde aqui no Ceará", pontuou Camilo Santana.

Esta semana, o presidente do Sinepe-CE, professor Airton Oliveira, informou a intenção de retomar as atividades presenciais no dia 17 de junho com ensino infantil e alunos do 3º ano do ensino médio. O retorno atingiria 15% a 18% de 4.972 escolas particulares no Ceará.

Em entrevista ao Sistema Verdes Mares, o professor lamentou que alguns estabelecimentos, com destaque para os menores, estejam fechando as portas por causa do crescimento da inadimplência diante da pandemia. "A inadimplência antes da pandemia ficava em torno de 13%. Em abril, chegou a 48%, mas em algumas escolas, o índice é de 75%. Isso é muito grave para quem tem contas a pagar".


Categorias Relacionadas