Padre Júlio Lancelotti diz que Paulo Gustavo doou R$ 1,5 milhão para obras de caridade

A instituição Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) lamentou morte do ator

Escrito por Redação,

Zoeira
Padre Júlio Lancelotti à esquerda; Paulo Gustavo segurando imagem de santa à direita
Legenda: Lancelotti lamentou a morte do ator e ressaltou que o artista era um grande benemérito da instituição.
Foto: Angela Rezé; reprodução/Instagram

O padre Júlio Lancelotti, ativista dos direitos humanos e proteção da população em situação de rua, revelou que o ator e humorista Paulo Gustavo doou R$ 1,5 milhão a instituição de caridade Obras Sociais Irmã Dulce (Osid).  

Lancelotti lamentou a morte do ator, na noite desta terça-feira (4), em decorrência da Covid-19, e ressaltou que o artista era um grande benemérito da instituição. 

"Paulo Gustavo doou R$ 600 mil para a construção de uma unidade de oncologia da Osid. Mas o apoio não parou por aí. Segundo a superintendente da Osid e sobrinha de Santa Dulce, Maria Rita, Paulo Gustavo doou à instituição um total de R% 1,5 milhão", disse o padre. 

captura de tela de publicação do padre júlio lancelotti
Legenda: Padre Júlio Lancelotti lamenta morte de Paulo Gustavo
Foto: Reprodução

"Que na Sua infinita misericórdia o Senhor o acolha, e que a Santa Irmã Dulce interceda pela salvação de sua alma. Vamos rezar", finalizou Lancelotti. 

A Osid também lamentou o falecimento nas redes sociais e compartilhou uma foto de Paulo Gustavo de 2017, quando visitou o hospital que contribuiu para a construção.  

"Nunca esqueceremos de vossa dedicação aos pacientes da instituição, exemplificada na unidade que construíste para atendimento às pessoas em tratamento do câncer. Nunca esqueceremos do carinho para com nossos profissionais, ao prover os recursos necessários para a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e testes para diagnóstico da Covid-19; entre inúmeras outras ações solidárias", afirmou o perfil da instituição.  

A postagem também diz qual foi a  última mensagem que o ator enviou aos membros da Osid: “Eu estou de longe, mas estou conectado com vocês no amor e na torcida para que tudo dê certo”.  

Falecimento  

Paulo Gustavo morreu, aos 42 anos, na noite de terça-feira (4), em decorrência de complicações da Covid-19. Ele foi internado ainda no dia 13 de março, em um hospital particular no Rio de Janeiro, após testar positivo para o vírus. De início, as respostas aos cuidados médicos transcorriam bem, mas o artista precisou ser intubado para recorrer à ventilação mecânica. 

O quadro de saúde do ator se agravou  e, na tarde desta terça-feira (4), se tornou irreversível. Ele foi diagnosticado com uma embolia pulmonar nos últimos dias, e o estado de saúde começou a se deteriorar.  

A morte precoce do ator, que conquistou uma multidão de fãs ao longo a carreira, comoveu o País. Famosos amigos de Paulo Gustavo escreveram mensagens de luto pela partida do humorista. O site oficial da Beyoncé, de quem o ator era fã, também prestou tributo.  

O marido do artista, Thales Bretas, prestou homenagem ao companheiro e afirmou que está sendo difícil processar as informações dos últimos dias. Ele lembrou sobre a caminhada dos dois e da felicidade que teve nos sete anos que passaram juntos.  

Print do texto de Thales Bretas sobre a morte do marido Paulo Gustavo
Legenda: Print do texto de Thales Bretas sobre a morte do marido Paulo Gustavo
Foto: Reprodução/Instagram

O fenômeno Dona Hermínia 

Após o sucesso de sua Dona Hermínia no teatro, Paulo Gustavo emplacou no cinema o fenômeno “Minha Mãe É Uma Peça - O Filme”. Lançado em 2013 e dirigido por André Pellenz, conquistou o público ao narrar, com muita inteligência e bom humor, as peripécias envolvendo a protagonista e sua família. 

O festejado projeto ganhou ainda duas sequências, sendo “Minha Mãe É Uma Peça 3” o filme detentor da maior bilheteria do cinema nacional até agora. Um feito notável que apenas comprovou o talento de Paulo e a potência de um trabalho cada vez mais chegado às pessoas. 

Depois disso, além da adaptação “Vai Que Cola - O Filme”, outro grande projeto do ator na telona é a franquia “Os Homens São De Marte... E É Pra Lá Que Eu Vou”. Feito Gustavo, a atriz e amiga Mônica Martelli também ganhou o apreço dos fãs a partir de um monólogo, posteriormente adaptado para as telonas. 

O longa ganhou uma sequência: “Minha Vida Em Marte” (2018), de Susana Garcia. Ambas as produções foram bem-sucedidas, principalmente pela interação hilária entre Gustavo e Martelli. Na trama, eles trabalham juntos fazendo eventos, e eram também amigos fora do expediente.