'Ouvi falarem que eu estava morto', diz cearense que foi desenganado, mas teve alta de UTI Covid

José Ribeiro de Souza Júnior, de 35 anos, passou 38 dias hospitalizado em estado grave, período em que a esposa e amigos montaram um grupo de oração pela vida dele

Júnior Recuperado Covid
Legenda: Júnior teve alta da UTI Covid nessa segunda-feira (8)
Foto: Arquivo pessoal

“Foi um deserto que ainda não terminei de atravessar.” As palavras, manuscritas com uma letra ainda trêmula, são de José Ribeiro de Souza Júnior, de 35 anos: cearense que, após ser desenganado pelos médicos, teve alta de um leito de UTI onde permaneceu por 38 dias com complicações da Covid-19.

Nesta terça-feira (9), Júnior deixou a vaga de alta complexidade e foi transferido a uma comum, para finalizar a recuperação, o que deve durar cerca de uma semana. Em coro, familiares e profissionais da saúde cantaram para ele a música que o empresário revelou, em carta, que “cantaria, se pudesse”: o louvor “Ninguém explica Deus”.

Júnior havia sido internado no dia 27 de janeiro, depois que o quadro iniciado com dores no corpo e baixa saturação se agravou. Menos de um mês depois, no dia 24 de fevereiro, os médicos comunicaram à família que ele estava em processo de falência de órgãos e choque séptico, e só teria mais 24 horas de vida.

Em relato emocionado sobre conversa que teve com o marido, após a alta da UTI, Tatiana Leitão, 44, afirma que Júnior ouviu quando a equipe médica o deu como “praticamente morto”.

“Ouvi quando começaram a falar que eu estava morto. Tinha várias pessoas aqui, eu sentia elas pegando em mim. Eu pensava: ‘Deus, eu tô vivo. Eles pensam que eu tô morto, mas eu sei que não estou. Me dê forças para eu acordar, me dê mais uma chance!’”, disse Júnior.

Tatiana chegou a reunir um grupo de pessoas em frente ao Hospital Regional da Unimed (HRU), em Fortaleza, onde Júnior estava, em louvor e oração pela cura dos pacientes com Covid-19 internados lá. O momento foi transmitido pelo perfil dela, no último dia 27.

"Em momento nenhum eu senti que ele ia morrer. Eu sentia que a gente ia passar por esse processo, só não sabia o tempo. Sentia desde o primeiro olhar dele, quando ele me disse que tava doente, com medo. Deus tranquilizou meu coração. Sabia que a gente ia passar por uma luta grande, mas que ele não morreria", sentencia Tatiana.

Leia a carta escrita por Júnior:

Carta recuperado Covid
Legenda: Mesmo com coordenação motora comprometida, Júnior escreveu carta a familiares, amigos e profissionais da saúde

"Mesmo não tendo a escrita da minha filha, Malu de apenas 7 anos, e vendo o quão difícil torna, em palavras meus sentimentos, gostaria em 1° lugar de agradecer a Deus, o médico dos médicos, que operou, sempre à frente, e guiou com sabedoria a todos que estiveram ao meu lado. Em 2° sem descrever nome pra não esquecer de ninguém, em especial cito minha família que esteve ao meu lado orando e clamando por um milagre. É, aqui estou!!! Vivo e orando e agradecendo a Deus por este testemunho de vida. Foi um deserto, que ainda não terminei de atravessar, mas assim como Deus atravessou seu deserto, hoje concluo mais uma etapa da minha vida. Feliz, orei!!! Muito forte. Se eu pudesse cantar para esta equipe maravilhosa, cantaria um louvor: Ninguém explica Deus. 

Ass: Um possível milagre."

Recuperados da Covid no Ceará

O Ceará contabiliza, atualmente, 325.204 pessoas recuperadas da Covid, mais de 52 mil delas já em 2021. Em Fortaleza, já são 62.867 pacientes que evoluíram para a cura da doença, 18.972 delas somente nos três primeiros meses deste ano. Os dados são do Integra SUS, da Secretaria da Saúde (Sesa), atualizados até 08h59 desta terça-feira (9).

No Brasil, conforme o Ministério da Saúde, mais de 9,7 milhões de infectados já se recuperaram do coronavírus.

Quero receber conteúdos exclusivos do Dias Melhores