Casos de Covid no Ceará aumentam mais de 8 vezes em junho enquanto estado vive 4ª onda da doença

O crescimento não é registrado na quantidade de internações ou de óbitos provocados pela doença

Escrito por Carol Melo, carolina.melo@svm.com.br

Ceará
Profissional da saúde realiza teste de RT-PCR em drive thru
Legenda: Novas subvariantes do SARS-CoV-2 teriam causado a alta
Foto: Shutterstock

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) confirmou, nesta quinta-feira (30), que o Ceará está vivenciando uma quarta onda da Covid-19. A taxa de positividade cresceu mais de 8 vezes entre maio e junho deste ano, segundo dados da pasta. 

Neste mês, 17.122 casos da doença foram confirmados no território cearense até quarta-feira (29), sendo que durante todo o mês passado foram registrados apenas 2.059 infecções pelo novo coronavírus. A diferença equivale a um aumento de cerca de 731,57%. 

Capital segue a tendência estadual, e, conforme informou o prefeito Sarto Nogueira (PDT), nessa quarta-feira, também vive a quarta onda de infecções da doença. A região de Fortaleza é a segunda com maior alta do índice de positividade no período, saindo de 9,5% para 35,6%. No entanto, foi a Região Norte que observou a maior diferença, crescendo de 2,6% para 29%. A menor foi registrada no Cariri (15,2% para 25%).  

Conforme a secretária executiva de Vigilância e Regulação da secretaria, Sarah Mendes, o aumento é natural devido à introdução de novas subvariantes do SARS-CoV-2 no Estado. No entanto, como ela frisou, a elevação dos níveis de infectados não está sendo acompanhada pela quantidade de internações e mortes provocadas pela doença. 

Segundo os dados divulgados pela Sesa, o número de óbitos causados pela Covid-19 no Ceará em maio foi de 11, enquanto em junho foi registrado, até quarta-feira, 12. A secretária Executiva de Atenção à Saúde e Desenvolvimento Regional, Tânia Mara Silva Coelho, reforçou a importância da população manter as medidas de prevenção da Covid-19, evitando aglomerações, usando máscara de proteção e lavando constantemente as mãos, além de permanecer com o esquema vacinal contra o vírus atualizado

Ceará não deve ter surto de varíola dos macacos

O Estado confirmou o primeiro caso de varíola dos macacos, nessa quarta-feira. O paciente, de 35 anos, mora em Fortaleza, mas se deslocou entre São Paulo e Rio de Janeiro, estados com casos confirmados da doença, também conhecida como monkeypox

Durante a coletiva desta quinta-feira, a Sesa informou que o indivíduo contaminado recebeu atendimento médico e está atualmente isolado em casa, na Capital. A secretária Municipal da Saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, informou que a pasta está atuando no rastreamento e monitoramento das pessoas que tiveram contato com ele. 

Ainda na coletiva, Sarah Mendes explicou que acredita que a varíola dos macacos não tenha potencial para se tornar um surto no Ceará. A profissional explica que, como a principal via de transmissão da condição é através do contato com as lesões na pele, a difusão dela é mais difícil de acontecer do que com doenças respiratórias, como a Covid-19. 

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste