Morre o ator Jean-Paul Belmondo, ícone do cinema francês

Artista tinha 88 anos e consagrou-se por trabalhos em clássicos como "Acossado" e "O Demônio das Onze Horas"

Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg em
Legenda: Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg em "Acossado" (1960)

O cinema perde Jean-Paul Belmondo (1933–2021). O ator francês que alcançou fama internacional por conta do filme "Acossado" (1960) morreu aos 88 anos. A informação foi confirmada pelo advogado do artista à agência de notícias AFP. A causa da morte não foi divulgada.

Belmondo despontou como das maiores estrelas do País entre as décadas de 1960 e 70. Seu rosto tornou-se figura-chave dentro da "Nouvelle Vague", movimento artístico que reuniu uma notável geração do cinema europeu daquele período, como Alain Resnais (1922-2014), François Truffaut (1932-1984) e Jean-Luc Godard.

Além de "Acossado", a notável parceria com Godard rendeu as obras "Uma mulher é uma mulher" (1961) e "O Demônio das Onze Horas" (1965). De acordo com o advogado Michel Godest, o ator "estava muito cansado há bastante tempo. Ele morreu tranquilamente".

Carisma no Brasil

Ao logo de mais de meio século de carreira, Bébel, como era conhecido pelos amigos e fãs, foi também produtor e estrela de teatro. Atuou não só com a vanguarda cinematográfica, como também tornou-se um dos principais heróis de comédia e ação do cinema francês.

Cena de
Legenda: Cena de "O Homem do Rio" (1964)

Um de seus maiores sucessos "O Homem do Rio" (1964), teve parte da produção rodada no Brasil, para onde o personagem viajou para resgatar a namorada, sequestrada e levada para a Amazônia.

Ele apareceu em filmes de ação nas décadas de 1970 e 1980. No início dos anos 1970, o ator fundou sua produtora, a Cerito Filmes. A decisão de seguir carreira no cinema comercial e de evitar os salões de arte gerou críticas de que ele havia desperdiçado seu incontestável talento, algo que ele sempre negou.

Do boxe ao sucesso

Em 1987, "O Solitário" é o último filme de detetive em que ele trabalha. Em fevereiro de 1989, pela primeira vez na carreira, recebeu o César de melhor ator por "Itinerário de um Aventureiro" (1988), de Claude Lelouch.

Em 2011, ele recebeu a Palma de Honra do Festival de Cannes, principal festival de cinema do mundo. E em 2017, foi homenageado na cerimônia do Cesar, o Oscar do cinema francês.

Além do cinema de vanguarda, atuou em comédias e filmes policias
Legenda: Além do cinema de vanguarda, atuou em comédias e filmes policias

Belmondo nasceu em 9 de abril de 1933, em Neuilly-sur-Seine. É filho do renomado escultor Paul Belmondo e da pintora Sarah Rainaud-Richard. Apesar da formação culta, mostrou-se mais atraído pelo mundo dos esportes e foi boxeador na juventude.

Estrelou mais de 80 filmes, muitos deles sucessos de bilheteria, durante o meio século seguinte. Belmondo foi casado com a dançarina Élodie Constantin, com quem teve três filhos. Em 1989, ele conheceu Natty Tardivel, se casou em dezembro de 2002 e teve uma uma filha, em agosto de 2003. Depois de vinte anos juntos, o casal se divorciou em 2008.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?