Polícia Civil prende suposto financiador de ataque a bancos em Araçatuba

Homem de 33 anos seria o diretor financeiro da estrutura que culminou no mega-assalto no Interior de São Paulo

preso financiador de assalto em araçatuba
Legenda: Paulo César Gabrir foi detido em Sorocaba
Foto: Reprodução

Um homem apontado como financiador do ataque a três bancos em Araçatuba, no Interior de São Paulo, foi preso na madrugada desta quarta-feira (8) pelo Departamento de Investigações Criminais da Polícia Civil, em Sorocaba. 

Paulo César Gabrir, de 33 anos, seria o diretor financeiro da estrutura que permitiu o mega-assalto aos bancos. Conforme a polícia, a logística para a execução da investida criminosa custou R$ 600 mil. 

O homem já tinha passagens por roubou e homicídio. Com ele, foram apreendidos dois carros de luxo e documentos do crime organizado.

A companheira de Paulo César, Michele Maria da Silva, de 40 anos, e Emerson Henrique Dias, 25, também foram detidos. A mulher estava foragida por envolvimento com tráfico de drogas, enquanto o homem acumula passagens por roubo.

O trio foi autuado por organização criminosa. 

Ofensiva

O grupo chegou à região central de Araçatuba por volta da meia-noite da segunda. A ação criminosa durou cerca de duas horas, entre ataque às instituições financeiras, tiroteio e fuga. O grupo formado por 20 pessoas estava distribuído em 10 veículos e usou explosivos com infravermelho, espalhados em pontos estratégicos da cidade. 

Em vários pontos do município, veículos foram queimados para impedir a chegada dos policiais. Além disso, os criminosos usaram drones para monitorar a fuga.

Equipes do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) estiveram envolvidas nas buscas de explosivos deixados pela quadrilha. Após 30 horas de trabalho, o Gate desarmou e detonou 98 artefatos explosivos, encontrados nas ruas, nos bancos, em carros abandonados e em um caminhão deixado perto das agências bancárias.

Vítimas

Três pessoas morreram no ataque criminoso, sendo dois moradores de Araçatuba e um membro da quadrilha. O personal trainer Márcio Victor, cujos detalhes da morte não foram divulgados, e o comerciante Renato Bortolucci, que morreu enquanto filmava a ação, são os moradores. A identidade do criminoso não foi informada. 

Ao todo, outras cinco pessoas ficaram feridas. Uma delas teve os dedos das mãos e os dois pés amputados após se aproximar de um explosivo deixado pelo bando. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil