Se Bolsonaro fala sem base científica, deve "pagar" por declaração, diz Arthur Lira

Presidente da Câmara se manifestou sobre fala do presidente que associou vacina anti-Covid ao vírus HIV

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) precisará "pagar" se a declaração relacionando vacinas contra Covid-19 à aids não tiver base científica, disse o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), nesta segunda-feira (25).

"Se não tiver nenhuma base científica para isso, ele vai pagar pela declaração. Espero que não tenha", disse Lira em evento do setor sucroalcooleiro.

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais na semana passada, Bolsonaro relacionou falsamente as vacinas com o desenvolvimento de HIV, o vírus da aids.

Após a declaração, o Facebook decidiu, pela primeira vez, excluir uma transmissão ao vivo de Bolsonaro da sua plataforma. Nesta segunda-feira, mais cedo, Bolsonaro responsabilizou a imprensa pela mentira que divulgou, mas não retificou suas declarações.

Projeto de lei

Lira disse que esse é "mais um motivo para acelerar na Câmara o grupo que trata de gestão dos meios eletrônicos com relação a fake news". O presidente da Câmara disse que teve reunião na semana passada com o relator do projeto de lei das fake news, Orlando Silva (PCdoB-SP), e que voltará a tratar do assunto brevemente.

A intenção, segundo o presidente da Câmara, é ver se o texto está a contento e votá-lo, para obter "um regramento principalmente nas bases de veículos de comunicação como Facebook, Instagram, Twitter, e todos os meios necessários para a contenção de matérias como essa".