Veja qual será sua nova operadora após a venda da Oi Móvel

Rede móvel foi vendida para Claro, Tim e Vivo; os DDDs serão divididos entre as três

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: O valor da venda foi de R$ 16,5 bilhões, que serão utilizados para reduzir a dívida de R$ 29,9 bilhões da Oi
Foto: Divulgação/Oi

Após a venda da operadora Oi, os clientes que possuiam os serviços de celular terão uma nova operadora, podendo ser a Claro, a Tim ou a Vivo. Segundo o portal g1, o DDD de Fortaleza, 85, ficará sob responsabilidade da Vivo.

Confira a divisão dos DDDs entre as operadoras:

  • Claro terá 27 DDDs: 13, 14, 15, 17, 18, 27, 28, 31, 33, 34, 35, 37, 38, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 71, 74, 77, 79, 87, 91 e 92.
  • Vivo terá 11 DDDs: 12, 41, 42, 81, 82, 83, 84, 85, 86, 88 e 98.
  • Tim terá 29 DDDs: 11, 16, 19, 21, 22, 24, 32, 51, 53, 54, 55, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68, 69, 73, 75, 89, 93, 94, 95, 96, 98 e 99.

A venda foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) nesta quarta-feira (9), por uma quantia de R$ 16,5 bilhões.

Em documento protocolado pelo órgão, foi mostrada como ficará a divisão das empresas. Assim, cada operadora deverá se responsabilizar pelos novos clientes

Divisão das operadoras

Os termos do leilão apontaram que a Tim deve ficar com 40% do total de clientes, seguida da Claro (32%) e Vivo (28%). Juntas, as empresas devem absorver 16% de participação do mercado nacional e alcançar 96% de representatividade.

Informações do portal Extra detalham que a Oi possui 42 milhões de clientes, sendo 3,2 milhões de contas corporativas e 38,8 milhões de pessoas físicas.

De acordo com as próprias operadoras, a Claro receberá 11,7 milhões da Oi, ficando com 82,2 milhões de clientes; a Vivo terá 10,5 milhões de clientes, terminando com 94,4 milhões de assinantes. A Tim, por sua vez receberá 14,5 milhões de clientes, totalizando 56,5 milhões ao fim da integração.

Como fica para o consumidor?

Conforme a decisão da Anatel, as empresas deverão garantir para os consumidores da Oi:

  • plano de comunicação que contenha um cronograma referente ao processo de migração dos números
  • canais de comunicação para tirar dúvidas do consumidor sobre a migração;
  • direito de escolha de planos de serviço iguais ou semelhantes aos contratados com a Oi;
  • direito à privacidade dos dados;
  • garantia de não haver migração automática de fidelização nem cobrança de ônus contratual em virtude de eventual quebra de fidelização dos contratos;
  • direito de portabilidade a qualquer momento.

A decisão da Anatel também traz o condicionante de que as empresas devem estar em dia com os fiscos estaduais, municipais e federais e acabar com as sobreposições de frequências no prazo de 18 meses.

Também é necessária a apresentação de compromissos que viabilizem o atendimento das metas do Plano Geral de Universalização do setor e de garantias referentes aos compromissos de abrangência ainda pendentes de atendimento.

Assuntos Relacionados