Mesmo com ampliação aos fins de semana, só mais 10% dos restaurantes devem conseguir funcionar

Com novo decreto estadual, o setor tem permissão para abrir aos sábados e domingos, até 15h

Legenda: Para setor, flexibilização aos fins de semana não é suficiente. Empresários pedem funcionamento em horário noturno
Foto: Helene Santos

A ampliação do funcionamento de restaurantes aos fins de semana deve possibilitar que mais 10% dos restaurantes consigam abrir, estima o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-CE), Taiene Righetto.

Ele aponta que, mesmo com a flexibilização anunciada pelo governador Camilo Santana nesta sexta-feira (30), a situação permanece crítica para o segmento.

“Ainda vai continuar uma situação precária. Fomos pegos de surpresa, pois esperávamos poder funcionar na semana até às 20h, e sábados e domingos, até 17h ou 18h, quando há uma melhor movimentação. A gente entende que a retomada tem que ser aos poucos, mas não de forma estagnada”, aponta. 

Righetto afirma que o movimento nos restaurantes nas últimas semanas está “assustadoramente baixo” e até mesmo o delivery apresentou queda. 

“Comparando com a retomada de julho do ano passado, já estamos com faturamento 60% menor”.  
Taiene Righetto
presidente da Abrasel

Vigorando a partir da próxima segunda-feira (3), as novas regras da flexibilização econômica permitem a abertura do comércio de rua e restaurantes aos sábados e domingos, das 10h às 15h, e dos shoppings, das 12h às 17h, incluindo praça de alimentação, com 25% da capacidade. O funcionamento na semana permanece com as regras anteriores

Além dos restaurantes, as padarias, supermercado e congêneres também foram autorizados a permitir consumo presencial, como café da manhã, a partir de 6h. A medida também vale para os fins de semana. 

Perspectiva nos próximos meses  

Diante da atual situação, a perspectiva para os próximos meses é de sobrevivência, segundo o presidente da Abrasel. Mesmo com o lançamento da nova edição do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), o impacto do benefício deve ser muito pequeno para o setor.  

“A situação que estamos hoje é muito diferente do ano passado. Só devemos começar a sentir o impacto do BEm em junho. E 80% do nosso setor não vai ter dinheiro para pagar a folha de abril”, lamenta.  

Para ele, portanto, a solução agora é aquecer a economia. “Para o nosso setor, 2021 já acabou, não temos mais esperança de nada não. Estamos lutando para sobreviver e pagar empréstimos atrasados, só em 2022 vamos pensar em crescimento”, acrescenta.  

Medidas de apoio 

Para tentar minimizar os impactos sofridos com o fechamento, o Governo Estadual lançou série de medidas de apoio ao setor produtivo. Até este sábado (1º) está aberto o cadastramento de bares e restaurantes com contas de energia atrasadas que queiram solicitar a quitação da dívida ao Estado. 

As empresas ou Microempreendedores Individuais (MEIs) que estejam em funcionamento e possuam débitos da conta de energia entre março de 2020 e 20 de abril de 2021 terão direito ao benefício. Os interessados devem se inscrever no site da Secretaria da Infraestrutura.  

REGRAS EM VIGOR A PARTIR DE SEGUNDA-FEIRA (3 DE MAIO):

  • O Ceará continua em isolamento social, com toque de recolher de segunda a sexta-feira das 20h às 5h;
  • Atendimento presencial liberado para café da manhã a partir de 6h em padarias, supermercados e congêneres, valendo também no fim de semana;
  • Comércio de ruas e serviços, como restaurantes e barracas de praia, funcionam das 10h às 16h. Aos fins de semana, o funcionamento será das 10h às 15h;
  • Shoppings, incluindo praça de alimentação, funcionam das 12h às 18h. Aos fins de semana, abrem das 12 às 17h;
  • Toque de recolher, aos fins de semana, das 19h às 5h;
  • Construção civil pode iniciar as atividades a partir das 7h;
  • Atividades físicas individuais podem ser realizadas em espaços públicos e abertos;
  • Aulas presenciais nas escolas estão permitidas até o 9º ano do ensino fundamental;
  • Academias de ginástica podem funcionar das 6h às 18h;
  • Igrejas e templos podem funcionar com 25% da capacidade, inclusive nos fins de semana.
Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios