McKinsey definirá concessões do Estado

Após contratada, a empresa terá 60 dias para escolher os equipamentos e obras que farão parte da lista

Legenda: O Acquario é um dos equipamentos cotados para entrar no grupo que será concedido à administração da iniciativa privada
Foto: Foto: Natinho Rodrigues

O planejamento do desenvolvimento do Estado a longo prazo e a definição dos equipamentos e obras cearenses que farão parte da lista de concessões serão realizados pelas empresas Macroplan e McKinsey&Company, respectivamente, segundo adiantou com exclusividade para o Diário do Nordeste a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Nicolle Barbosa. Após a contratação, que será executada pelo Movimento Brasil Competitivo, a lista de concessões deverá ficar pronta em 60 dias, enquanto o plano de desenvolvimento será entregue em um prazo de oito meses.

As estratégias fazem parte do Plano de Elevação da Competitividade do Ceará nos Mercados Nacional e Internacional, apresentado aos empresários da indústria, comércio, serviços e agricultura, no início deste mês, pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico (SDE), do Planejamento e Gestão (Seplag), da Infraestrutura (Seinfra), da Fazenda (Sefaz), além da Casa Civil e da chefia do Gabinete do Governador.

O governo apresentou, durante o encontro, as ações propostas pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), organização sem fins lucrativos e econômicos que auxilia na otimização da gestão pública. As empresas responsáveis pelos estudos de planejamento e concessão do Estado serão contratadas pelo MBC, que é mantido com recursos da iniciativa privada e funciona como intermediadora entre as demandas públicas e as consultorias que vão orientar a melhor maneira de gerir esses problemas.

Iniciativa privada

"Nossa intenção é planejar o Estado a longo prazo, mas para isso, precisamos do envolvimento da iniciativa privada", explica a secretária. A equipe do governo deve se reunir novamente na próxima semana para apresentar os mesmos projetos a um grupo de empresários que estava viajando durante o primeiro encontro, disse a secretária.

Após o contato com os empresários cearenses, acrescenta Nicolle, o passo seguinte será reunir o governador Camilo Santana com os representantes do MBC, o que deve acontecer no início de 2016. "Esse processo vai ser liderado e acompanhado pela iniciativa privada, é ela que vai provocar o governo", define a titular da SDE.

Sobre os equipamentos e obras que devem entrar para o grupo das concessões - assunto que já vem sendo debatido há um tempo pelo governo -, Nicolle cita o Acquario, a Vila Olímpica, aeroportos regionais, a usina de dessalinização, o sistema metro e ferroviário de Fortaleza, a ampliação do Cinturão Digital e a construção das unidades socioeducativas, entre outros. Já as estratégias de desenvolvimento, serão incorporadas como plano de Estado, e não de governo, salienta a secretária.

Desde julho deste ano, governo e representantes dos setores produtivos vêm se reunindo para firmar parcerias e alavancar o desenvolvimento do Estado.

Atuação

O MBC atua com administrações públicas de pelo menos 14 estados. Pernambuco, por exemplo, renovou uma parceria com a entidade em outubro deste ano, voltada para o desenvolvimento do Planejamento Estratégico 2035. A parceria não prevê custos para o Estado.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios