Auxílio emergencial: 3ª e última parcela ainda segue sem datas, mas deve ter operação semelhante

É esperado que as funções do aplicativo Caixa Tem possam diminuir a formação de filas e possibilitar que os adquirentes efetuem pagamentos e façam compras sem sair de casa

Legenda: O calendário da terceira parcela ainda não tem data de divulgação
Foto: Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Embora ainda sem calendário definido, o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães, afirmou que o método de pagamento da terceira (e até agora, última) parcela do auxílio emergencial será da mesma forma que na segunda etapa, para evitar filas. A dinâmica de atender os beneficiários de acordo com o mês de nascimento deve ser repetida na operação da terceira parcela.  

Não há previsão, contudo, de quando a parcela será paga aos beneficiários. “Esta é uma conversa que será liderada pelo Ministério da Cidadania. Vamos ainda começar essa discussão”, afirmou o presidente.  

Na primeira etapa do pagamento do auxílio emergencial, segundo Guimarães, foram atendidas nas agências bancárias uma média de 7,5 milhões de pessoas por dia, o que acabou gerando aglomerações e filas. O novo método deve contemplar cerca de 2,5 milhões de atendimentos presenciais

Outra forma de evitar concentração de pessoas são os serviços disponíveis no aplicativo Caixa Tem. Para sacar o dinheiro, o beneficiário pode usar o código do aplicativo com validade de uma hora. Caso, por algum motivo, não tenha acesso ao celular, na agência é possível gerar o token com validade de duas horas. 

É esperado também que as vantagens que o aplicativo oferece, como pagar contas e fazer compras online ou presencialmente por meio do cartão virtual, possam diminuir a formação de filas e possibilitar que os adquirentes consigam realizar essas ações sem sair de casa.