Músico cearense lança disco gravado durante live para registrar momento de isolamento social

O projeto de Moacir Bedê foi produzido inteiramente online e o material já está disponível no site do artista

Esta é uma imagem de Moacir Bedê
Legenda: Moacir Bedê lança disco gravado durante live
Foto: Divulgação

O músico cearense Moacir Bedê lança disco com músicas gravadas durante transmissão online ao vivo para registrar o período de pandemia. O projeto, denominado de “CD Pandêmico”, está disponível no site e Youtube do artista, com áudio e encarte liberado para download. O álbum pode ser baixado gratuitamente, mas o público pode contribuir com um depósito de qualquer valor na conta bancária do músico. 

O CD Pandêmico foi feito inteiramente online. As músicas presentes no álbum foram captadas no celular durante uma live realizada pelo artista nas redes sociais. A ideia era registrar a “energia” do momento, sem realizar inferências em estúdio, segundo Moacir. 

“Nós fizemos uma live como se fosse um show ao vivo. As pessoas não gravam DVD ao vivo? Muitos dessas gravações vão para estúdio antes do artista lançar para consertar uns errinhos, mas ele (DVD) tem aquela energia ao vivo. A gente não quis perder isso, apesar da live ser uma coisa super fria porque não tem público, sou eu e o celular, tem a captação do momento, da época pandêmica, a ideia é essa”, detalha o músico.

O álbum foi produzido em dois países, Brasil e Portugal. Após a captação do áudio, o material foi enviado à Europa para o designer Régis Capibaribe, idealizador do CD Pandêmico. Capibaribe produziu o encarte do disco e realizou a edição da live, separando as músicas do restante do material. 

O projeto contém ainda duas faixas compostas durante o período de isolamento social, “Terra Moinho” e “Fé no que Virá”. “A primeira é relacionada a morte de uma pessoa vítima do coronavírus, no caso o meu ex-sogro. Eu fiz ela para minha ex-mulher. Já a ‘Fé no que Virá’, eu compus no começo da pandemia no sentido de positividade, de que nós vamos sair dessa. Aquela coisa de botar algo positivo na história”, contou Moacir.

Além das  inéditas, o CD Pandêmico taz músicas de outros traballhos do artista. Para reproduzi-las no formato live, Moacir revela que precisou adaptá-las a arranjos de guitarra solo. Bedê afirma que sua vivência com a produçãode material para a Internet se limitava a vídeos caseiros publicados em seu perfil, além das transmissões ao vivo que conquistaram o cenário musical durante a pandemia.

“Pela primeira divulgação que eu fiz, teve uma boa aceitação do público. Muita gente tá contribuindo financeiramente, e as pessoas também estão sentindo falta dos bares, dos shows. Não é só o artista que está sofrendo, as pessoas também estão. O público está se solidarizando, isso é muito bonito, isso é algo muito positivo no meio dessa desgraça toda”, afirma. 

Trajetória

A música esteve presente na vida de Moacir Bedê desde a infância, o que o influenciou a optar muito cedo, com 12 anos, a seguir carreira artística. A lembrança da Escola de Samba, fundada pelo pai e irmão de Moacir, ainda está viva na memória do músico, que relembra dos ensaios do bloco no quintal da sua casa

“Cresci nos anos 70 vendo aquilo, aprendi a tocar os instrumentos de percussão só vendo. Meu irmão também toca sanfona e por meio dele fui aprendendo os ritmos nordestinos. Com 12 anos, comecei a tocar violão, cavaquinho e decidi ser músico”, recorda. 

Desde então, Bedê já soma mais de 35 anos de carreira, com passagens por São Paulo, Rio de Janeiro, Espanha, Inglaterra e Alemanha. Da trajetória, surgiu, além do CD Pandêmico, dois discos, “Outros Sambas” e “Outros Baiões”, disponíveis no canal Youtube do artista.

Serviço

CD Pandêmico

Disponível no Youtube e site de Moacir Bedê

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?