Bolsonaristas miram liderança do PL e articulam destituir aliada de Sarto na Câmara de Fortaleza

Vereador suplente coleta assinaturas para se tornar líder do partido de Bolsonaro; posto é ocupado pela governista Ana do Aracapé

Escrito por Felipe Azevedo, felipe.azevedo@svm.com.br

PontoPoder
Suplente de vereador Dudu Diógenes (PL)
Legenda: Eleito pelo Pros, Dudu Diógenes migrou para o PL e tenta se tornar líder do partido na Câmara Municipal de Fortaleza
Foto: Érika Fonseca/CMFor

A ala dos vereadores bolsonaristas do PL na Câmara Municipal de Fortaleza articula para que a liderança do partido deixe a base do prefeito José Sarto (PDT) e migre para o grupo de oposição. O movimento nos bastidores pode resultar em baixa no apoio ao Poder Executivo, mudanças na composição de comissões e maior embate entre os grupos no encaminhamento do voto de bancada.

Os rumos das articulações, de acordo com interlocutores, também podem acarretar em divisões internas entre os suplentes, modificando as bancadas com a volta de vereadores titulares ao cargo. 

Atualmente, o partido do presidente Jair Bolsonaro conta com seis parlamentares na Câmara. Quatro vereadores apoiam o Presidente da República e são próximos do deputado licenciado Capitão Wagner (União Brasil), pré-candidato a governador na oposição. 

A liderança do PL, no entanto, ainda é da vereadora Ana do Aracapé, eleita em 2020 na base de Sarto. Além dela, a vereadora Tia Francisca (PL) também permanece apoiando o atual governo de Fortaleza, posição que divide a sigla no parlamento da Capital. 

A entrada de Bolsonaro no partido em dezembro do ano passado atraiu apoiadores ao PL, reformulando a bancada na Câmara de Fortaleza.  

No Ceará, o partido é comandado pelo prefeito de Eusébio, Acilon Gonçalves, que é é aliado histórico do grupo governista e ainda não definiu se continuará apoiando o Governo nas Eleições 2022. 

Para reverter o quadro e tomar a liderança da bancada do PL na Câmara, os vereadores Dudu DiógenesCarmelo Neto (PL) articulam assinaturas para destituir Ana do Aracapé da condição de líder. 

“Eu comecei com o Carmelo a articular a liderança com o grupo. Eu consegui o número de votos, estamos no embate”, disse o parlamentar. 

“Mas é importante para a unidade do partido que até o último momento tente se achar uma forma consensual para que o Dudu assuma. Vamos trabalhar pra isso”, destacou ainda Carmelo Neto, que diz ter interlocução com as parlamentares governistas.   

Coleta de assinatura 

Para que tenha êxito, Diógenes terá que angariar maioria dentro do PL e, posteriormente, protocolar as assinaturas na Presidência da Câmara para reivindicar a liderança do partido. A quantidade de assinaturas, no entanto, ainda não está fechada. 

Já assinaram o protocolo para destituir Ana do Aracapé três dos seis vereadores da bancada: Carmelo Neto, Dudu Diógenes e Priscila Costa.  

Também do PL, o suplente Pedro Matos mantém a postura de endossar a troca de liderança apenas se houver o aceite das parlamentares base do Governo. “Até o momento não irei assinar”, disse o parlamentar ao ser procurado pela reportagem.  

A expectativa é de que Dudu Diógenes procure a presidência da Câmara já nesta terça-feira (10) para protocolar as assinaturas. “Eu sinto que os vereadores de situação estão dando apoio total para ela (Ana do Aracapé) não entregar a liderança”, disse ainda o parlamentar.

"Estranheza"

Questionada sobre a movimentação, Ana do Aracapé afirmou que viu "com estranheza" a investida dos membros do PL ligados a Capitão Wagner. 

"Somos duas mulheres vereadoras legitimamente eleitas. Ele (Dudu Diógenes) está de olho no tempo de liderança para usar a tribuna", disse. A parlamentar confirmou que foi procurada por Diógenes, mas que não houve acordo para sua saída da posição de líder. 

Bruno Mesquita na tribuna da Câmara
Legenda: Bruno Mesquita (Pros) é aliado do prefeito José Sarto (PDT) e poderá, de acordo com interlocutores, reaver a titularidade do mandato para barrar manobra do PL
Foto: Érika Fonseca (CMFor)

Articulação para barrar manobra do PL 

Há, no entanto, uma articulação para tentar barrar a tentativa da oposição em destituir a liderança do PL. De acordo com interlocutores, a investida passa pela possibilidade de Bruno Mesquita – vereador titular licenciado -, reaver o cargo e reduzir as chances de apoio à estratégia da oposição.

Oitavo suplente, Diógenes atualmente exerce o cargo após a licença de 120 dias do vereador Inspetor Alberto. Pedro Matos, por sua vez, é suplente em exercício após a licença de Bruno Mesquita - este ligado ao prefeito José Sarto.

Plenário da Câmara de Fortaleza
Foto: Érika Fonseca/CMFor

Atribuição do líder  

Ter um líder da bancada compondo a oposição poderá significar baixas no apoio ao Executivo na Câmara de Fortaleza. Com seis parlamentares, o PL é o segundo maior partido no Parlamento Municipal, ficando atrás apenas do PDT, com 10

De acordo com o Regimento Interno da Casa, a liderança detém atribuições e poder de decisão nos trabalhas do Legislativo.  Entre elas está a de indicar à Mesa Diretora os membros para compor Comissões.

Além disso, o líder de bancada pode encaminhar votação de qualquer projeto em nome de todo o grupo partidário. No caso do PL, o grupo tem seis votos. 

Quem é quem na queda de braço do PL

 

Titulares

Ana do Aracapé - Base do Governo
Tia Francisca - Base do Governo
Priscila Costa - Oposição
Carmelo Neto - Oposição

Suplentes

Dudu Diógenes (Inspetor Alberto) - Oposição
Pedro Matos (Bruno Mesquita - Pros, da base) - Oposição