Líderes da agropecuária apontam gargalos do setor no Estado

Temas devem ser apresentados na primeira visita oficial da ministra Teresa Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), que ocorre nesta sexta-feira (15) entre as produções de flores e frutas de São Benedito e Icapuí

Legenda: Já em Icapuí, Teresa Cristina irá conferir as plantações de melões e melancias da Agricola Famosa Plantação das Rosas Reijers, em São Benedito, será visitada pela ministra na manhã de hoje.
Foto: FOTO: FABIANE DE PAULA

Lideranças do setor de agronegócio cearense dizem esperar da nova gestão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) "um olhar sensível para os gargalos enfrentados no Estado". Com visita marcada para esta sexta-feira (15) ao Ceará, a titular da Pasta, Tereza Cristina, deve ser apresentada às demandas locais, como a ampliação do quadro de fiscais do Mapa nos portos e no Aeroporto de Fortaleza, além de mais incentivos para impulsionar os produtores.

Na avaliação do novo subsecretário de Agronegócio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet), Silvio Carlos Ribeiro, a oferta reduzida de fiscais é um dos grandes problemas enfrentados pelo Estado na hora de exportar a produção.

"Os produtos exportados, seja de origem vegetal ou animal, precisam de autorização dos fiscais para saírem do País. Mas faz tempo que não há concurso público para a função", lamenta. O subsecretário de Agronegócio da Sedet ressalta também que os fiscais são importantes no controle de pragas e doenças no Estado.

Conforme publicou o colunista do Diário do Nordeste Egídio Serpa na última quarta (13), a Superintendência do Ministério da Agricultura no Ceará dispõe de apenas 27 fiscais para atender aos portos do Mucuripe e Pecém e ao Aeroporto de Fortaleza, sendo 14 agrônomos e 13 veterinários.

Ele ainda destaca que o Ceará espera da nova gestão do Mapa incentivos para o setor agropecuário no Estado, com uma atuação mais estruturada do Ministério. "Nossa ideia é mostrar o potencial do Ceará na produção de flores e frutas, além do camarão, que vem apresentando crescimento interessante", detalha Silvio Carlos Ribeiro.

Os incentivos, segundo ele, são aguardados na forma de projetos para o Estado, concessão de financiamentos, programas de capacitação e de assistência à produção local. "Apesar de termos a Ematerce (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará), que recentemente realizou concurso público, precisamos desse apoio do Ministério da Agricultura", frisa o subsecretário de Agronegócio.

Pequenas culturas

A legalização da produção de pequenas culturas é um dos tópicos mais importantes a serem levados até a ministra Tereza Cristina, na avaliação do CEO da Itaueira Agropecuária e coordenador do Comitê Técnico Fitossanitário da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), Tom Prado. "A ministra tem uma grande oportunidade de legalizar a produção de pequenas culturas, sem suporte fitossanitário adequado", detalha. "Ela foi a presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados que tratou do assunto no ano passado", acrescenta.

"Outro assunto é a burocracia e custos com os licenciamentos ambientais, outorgas, etc. Atrasam e encarecem os investimentos", detalha o coordenador do Comitê Técnico Fitossanitário da CNA. Prado lembra ainda, entre outros gargalos, do aumento do custo da energia elétrica rural desde o fim do ano passado.

"Ainda temos a dificuldade hídrica. Se tivéssemos água no Ceará, poderíamos ampliar 50%, 100%, em poucos anos, desde que os outros gargalos também estivessem alinhados", analisa.

Olhar sensível

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec), Flávio Saboya, acredita que a visita, que faz parte de um projeto de desenvolvimento do Semiárido nordestino, é "da mais alta importância" e que a titular da Pasta está "sensível às problemáticas da Região".

Ele cita a atividade leiteira como assunto que merece a atenção do Ministério. "A atividade leiteira é quase 44% do valor bruto da produção pecuária no Estado. Nós somos, hoje, o segundo maior produtor de leite da Região Nordeste. Crescemos em um período crítico de seca, o que demonstra as potencialidades do semiárido cearense", ressalta.

Agenda

A visita da ministra faz parte do Plano de Ação do Ministério da Agricultura (Mapa) para o Nordeste. O Ceará é o segundo Estado da Região a receber a visita da Pasta este ano. A missão foi iniciada em Parnaíba, no Piauí, onde Tereza Cristina e sua equipe se reuniram com produtores rurais.

No Estado, a ministra Tereza Cristina passa pelo Município de São Benedito para acompanhar a produção de flores e de frutas. A visita da titular da Pasta ao Estado se encerra em Tianguá, onde se encontrará com empresários e líderes da agropecuária local.

Representantes do agronegócio no Ceará depositam expectativas no que a nova gestão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento pode fazer pelo Estado nos próximos anos.